Arquivo da tag: Robert Spencer

ROBERTO REQUIÃO — “ALLAHU AKBAR!”

ROBERTO REQUIÃO — “ALLAHU AKBAR!”

Por Tiao Cazeiro

23 de Fevereiro de 2018

O que aconteceria hoje em dia a um Senador Americano, por exemplo, se tuitasse o termo “Allahu Akbar” consecutivamente? Sem dúvida complicaria a vida dele.

Ontem, o senador Roberto Requião tuitou duas vezes o termo “Allahu Akbar” e poucos reagiram ou disseram alguma coisa.

“Allahu Akbar” pode ter outro significado, sem dúvida. Entretanto, no passado, o senador afirmou que “O MST é o movimento Palestino em Gaza” e esta não é uma frase qualquer, não é uma “bobagenzinha“, é uma frase pensada e muito séria.

Poucas pessoas realmente conhecem o significado de “Allahu Akbar”. Será que o senador Requião tem consciência disso?

“O objetivo principal desse clamor (Allahu Akbar) é “infundir terror no coração dos inimigos de Alá.”

Vamos então rever o verdadeiro significado de “Allahu Akbar” no artigo escrito por Robert Spencer, que traduzi em 2015…


Fonte/Source: Robert Spencer at Breitbart: “Allahu akbar” doesn’t mean what media says it means

ROBERT SPENCER: “ALLAHU AKBAR” NÃO SIGNIFICA O QUE A MÍDIA DIVULGA

Por Robert Spencer

25 Dezembro de 2015

REUTERS/Muhammad Hamed, File

Expliquei na Breitbart, hoje,  como a frase “Allahu Akbar” pode significar quase tudo exceto o que a grande mídia divulga:

Os meios de comunicação, rotineiramente, deformam o verdadeiro significado de “Allahu akbar”, o famoso grito de guerra dos jihadistas Islâmicos, quando cometem assassinato em massa.

Esse grito de guerra é erroneamente traduzido pela mídia Ocidental como “Deus é grande”. Quando o significado real é “Alá é Maior”, significando que “Alá é Maior Que o Seu Deus ou Governo.” [ênfase adicionada]

É uma declaração agressiva, para afirmar que Alá e o Islã são dominantes sobre qualquer outra forma de governo, religião, lei ou ética, e é por isso que os jihadistas Islâmicos, em meio à matança de infiéis, com tanta frequência, exclamam dessa forma.

O objetivo principal desse clamor é “infundir terror no coração dos inimigos de Alá“.

Mohammed Atta, que chefiou o ataque terrorista contra as torres gêmeas do World Trade Center, Nova York, explicitou bem, numa carta para si mesmo, antes de realizar sua missão jihadista: “Quando começar o confronto, ataquem como campeões que não querem voltar a este mundo. Grite, ‘Allahu Akbar’, porque isto espalha o medo nos corações dos infiéis.” É por isso que o assassino jihadista do Fort Hood, Nidal Malik Hasan, gritou quando disparou matando treze Americanos em Novembro de 2009, e pela mesma razão outros jihadistas têm usado essencialmente como um anúncio de que não-Muçulmanos estão prestes a morrer.

Mas também é usado com frequência quando nenhum infiel está ao alcance do ouvido. De acordo com o Islã, Alá é soberano e dominante sobre todas as coisas, e controla tudo. Seu controle é tão absoluto que Ele decide se os incrédulos rejeitam o Islã, de acordo com o Alcorão.

E se Nós quiséssemos, Nós teríamos orientado todos os seres”, porém, “Minha sentença foi pronunciada; sabei que encherei o inferno com gênios (do Inglês ‘Jinn’: espírito inteligente de menor hierarquia que os anjos; Mitologia Árabe e Muçulmana) e seres humanos, todos juntos.”

Essa soberania sobre absolutamente tudo, leva os escravos entusiastas desse deus a exclamarem: “Allahu akbar” em uma infinidade de situações aparentemente contraditórias:

“Allahu akbar” pode ser uma declaração de alegria e gratidão à Alá, como neste vídeo, quando os jihadistas gritam após derrubar um helicóptero, com particular vibração, quando o helicóptero explode em chamas. E também pode ser uma expressão de tristeza e raiva, como neste vídeo, onde Sírios gritam quando um ataque aéreo atinge sua aldeia.

Neste vídeo, o lançamento de um foguete que falhou, ilustra a variedade de uso.

Quando o foguete inicia a queima de combustível, e em seguida é lançado, só para viajar alguns metros e explodir em seu próprio composto, jihadistas que assistem ao lançamento gritam “Allahu akbar!” repetidamente, como os personagens do livro de Orwell (1984), que ficam impedidos pela Novilíngua a pensar apenas aquilo que possa ser expresso por algumas palavras permitidas.

Primeiro vem o fervoroso “Por-favor-faça-isso-funcionar“, “Allahu akbars,” e em seguida, o animado “Uau-isso-funciona!“, “Allahu akbars,” seguido pelo, — enquanto o foguete falha, — resignado “Que pena“, “Allahu akbars”, e o apologético “Pedimos-desculpas-por-favor-nos-perdoem” e o reconfortante “Alá ainda está na nossa equipe” “Allahu akbars.”

Em contraste, um grupo Cristão livre ou pós-Cristão Ocidental teria agido com zelo, esforço, sorte e ciência — “Tenha cuidado!”, “Vai!”, “Xi!”, e finalmente, “Voltar à prancheta de desenho.”

No Islã, o resultado derivado da escolha humana, matemática, probabilidade, sorte e máquinas estão todos sob o controle de Alá, e assim a coisa mais apropriada a dizer, não importa o que aconteça é… Allahu akbar.

Quanto à conotação, então, “Allahu akbar” pode significar qualquer coisa —  exceto a frase frequentemente atribuida, ou seja, “Deus é grande.

Apesar de “Alá” significar “o Deus” e ser usada pela maioria dos Cristãos de língua Árabe, para se referir ao Deus do Cristianismo, quando os jihadistas a utilizam, é para mostrar superioridade do Islã e seu deus — portanto, seria mais preciso deixar a palavra não traduzida e substituí-la por “Alá é maior“, em Português.

E, dizer “Deus é grande” em Árabe, exigiria uma palavra diferente , Allahu kabir, porque akbar é o relativo, ou a forma comparativa e superlativa de Kabir.

Assim, um equivalente Cristão de “Allahu akbar” não seria “Jesus é grande” ou, para usar uma frase Cristã real, “Jesus é o Senhor.” A variedade de conotações e usos corresponde aproximadamente ao Evangélico/Pentecostal de “Louvor ao Senhor”; no entanto, essa frase não contém nenhuma das noções de superioridade que são inerentes em “Allahu akbar.”

Se os Cristãos terroristas, um mito da mídia que nunca se tornou realidade, estivessem procurando uma frase, para usar do mesmo modo que os Muçulmanos fazem com “Allahu akbar”, poderiam tentar algo como “In hoc signo vinces.” Esta era a visão de vitória do Imperador Romano Constantino, do século IV, sob a Cruz Cristã  — Por este sinalvencerás — pouco antes de vencer a batalha pela sucessão do Império, na Ponte Mílvio (312).

Em “Allahu Akbar”, a conquista Islâmica é simultaneamente afirmada e assumida — na frase Latina, não há nenhuma compacidade e nem os múltiplos significados de “Allahu akbar.”

Nenhuma frase Cristã carrega qualquer vestígio de ameaça ou perigo, que “Allahu Akbar” possui….


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios

Khamenei: Trump “Precisa Realizar Que Esses Episódios Extremos E Psicóticos Não Ficarão Sem Resposta”

Fonte/Source: Iran’s top dog: Trump “must realize that these extreme and psychotic​ ​episodes won’t be left without a response​”


Khamenei: Trump “Precisa Realizar Que Esses Episódios Extremos E Psicóticos Não Ficarão Sem Resposta”

POR ROBERT SPENCER

10 de Janeiro de 2018

A liderança Iraniana, como a al-Qaeda e outros grupos jihadistas, sempre mostraram habilidade sagaz jogando com os pontos de discussão da extrema esquerda para tentar influenciar a opinião pública nos EUA. Agora, com a esquerda obcecada com preocupações espúrias sobre a estabilidade mental do Presidente Trump, o Aiatolá Khamenei adverte que haverá uma resposta aos “episódios psicóticos” de Trump. Essa é uma maneira eficaz para Khamenei trazer o Partido Democrata a bordo, como se já não o tivesse feito (claro, o mesmo também pode ser dito sobre o establishment Republicano).

“Líder Iraniano promete uma resposta aos ‘episódios psicóticos’ de Trump”, por Mark Moore, New York Post, 9 de Janeiro de 2018:

O líder Iraniano criticou um “instável” Presidente Trump, por ter dado apoio aos manifestantes que se reuniram contra o governo durante os dias de agitação que abalaram a República Islâmica.

“Esse homem que comanda a Casa Branca — embora pareça ser um homem muito instável — deve realizar que esses episódios extremos e psicóticos não serão deixados sem resposta”, tuitou Aiatolá Ali Khamenei na Terça-feira, de acordo com a Reuters.

Trump expressou sua solidariedade aos manifestantes anti-governo após os comícios contra os altos preços dos alimentos transformados em manifestações contra os líderes clericais não eleitos.

“O povo do Irã está finalmente agindo contra o brutal e corrupto regime Iraniano”, afirmou Trump num Twitter na semana passada. “… As pessoas têm pouca comida, grande inflação e sem direitos humanos. Os EUA estão assistindo!”

O líder Iraniano em seus comentários pareceu estar usando expressões de um best-seller sobre Trump e a Casa Branca, caracterizando o presidente e sua administração como “um idiota cercado por palhaços.”

Trump aproveitou o Twitter no fim de semana para se orgulhar de seu intelecto.

“Na verdade, ao longo da minha vida, meus dois maiores recursos foram a estabilidade mental e sendo, de fato, realmente inteligente”, escreveu no site de mensagens sociais no Sábado. “Fui de homem de negócios bem sucedido, a um top T.V. Star…..  e a Presidente dos Estados Unidos (na minha primeira tentativa). Qualificaria isso como, não inteligente, mas um gênio… e um gênio muito estável nisso!”

Khamenei culpou os Estados Unidos, Grã-Bretanha e Israel por instigar os protestos num esforço para derrubar o governo — um esforço que diz ter sido frustrado.

“Mais uma vez, a nação diz aos EUA, Grã-Bretanha e aqueles que procuram derrubar a República Islâmica do Irã a partir do exterior que ‘você falhou, e você também falhará no futuro'”, Khamenei tuitou.

A poderosa Guarda Revolucionária declarou no Domingo que suas forças haviam liquidado com os protestos que duraram mais de uma semana e resultaram na morte de 22 pessoas e nas prisões de centenas.

Khamenei disse que os manifestantes estavam “brincando com fogos de artifício”, mas admitiu que os cidadãos têm o direito de transmitir suas preocupações — uma afirmação surpreendente de um líder que geralmente adota uma abordagem de linha dura para com a dissidência….


Nota do blog: De acordo com a líder da resistência Iraniana Maryam Rajavi, “a Guarda Revolucionária Iraniana (IRCG) matou pelo menos 50 pessoas, feriu centenas e pelo menos 3.000 foram presas, de acordo com as nossas fontes no país.”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Arqueólogos Descobrem Moedas Islâmicas Antigas Com Imagem Da Menorá

Fonte/Source: Archeologists discover early Islamic coins featuring an image of a menorah


Arqueólogos Descobrem Moedas Islâmicas Antigas Com Imagem Da Menorá

POR ROBERT SPENCER

8 de Dezembro de 2017

Símbolo Menorá retratada a 1300 anos em Moedas Islâmicas

Isso apóia o argumento que mostrei em meu livro, Será Que Muhammad Realmente Existiu? que o Islamismo não foi apresentado ao mundo de forma completa por um homem chamado Muhammad, mas começou a aparecer apenas décadas mais tarde da tradicional data da morte de Muhammad e é um amálgama de materiais de múltiplas fontes, principalmente do Judaísmo e Cristianismo. Durante décadas no século VII, ainda estava apenas num estado incipiente em termos de doutrina, mesmo quando os exércitos Árabes conquistavam grandes dimensões do Oriente Médio e da África do Norte. Durante esse período, os edifícios públicos foram inscritos com cruzes, e inclusive as moedas também apresentaram cruzes, juntamente com, como agora vemos, menorás. O Islamismo foi montado por vários elementos diferentes para proporcionar uma religião que unisse o novo império Árabe. O novo credo era marcial e expansionista, porque era trabalhado por guerreiros e para guerreiros.

“Arqueologistas descobrem inscrição menorá em moedas do período Islâmico primitivo”, de Daniel K. Eisenbud, Jerusalem Post, 6 de Dezembro de 2017:

Os pesquisadores descobriram recentemente que menorás adornavam moedas e navios Muçulmanos durante o período Islâmico primitivo há 1.300 anos.

As relíquias inscritas com o símbolo Judaico que datam da dinastia Umayyad, durante os séculos VII-VIII, foram encontradas em vários sítios arqueológicos em Israel e agora estão sendo exibidas ao público.

No ano passado, os arqueólogos Assaf Avraham da Universidade Bar-Ilan e Peretz Reuven da Universidade Hebraica de Jerusalém expuseram uma inscrição Islâmica inicial que se refere à Cúpula da Rocha como “Beit al-Maqdis”. Influências Judaico-Muçulmanas nos primeiros dias do Islã

De acordo com os estudiosos, a “inscrição Nuba”, como é conhecida, implica que nos primeiros dias do Islã, os Muçulmanos perceberam o santuário como uma versão Islâmica do Templo de Salomão.

Agora, os pesquisadores estão expondo novas descobertas em Israel que constituem evidências de influências Judaicas nos primeiros dias do Islã.

“O símbolo Judaico que os Muçulmanos estavam usando era a menorá [candelabro de sete braços do templo], que apareceu em várias moedas e outros artefatos Islâmicos primitivos”, disse Avraham na Quarta-feira.

“As moedas menorá carregam a inscrição Árabe, Shahada, de um lado:” Não há Deus senão Alá”, enquanto a menorá aparece no centro da moeda. O outro lado tem a inscrição: “Muhammad [é o] mensageiro de Deus”[sic].

Além das moedas, os arqueólogos estão apresentando vários vasos de cerâmica e chumbo do período Islâmico primitivo que também utilizou o símbolo menorá em seu design.

“São datados dos primeiros dias do califado Islâmico e foram utilizados pelos Muçulmanos”, disse Avraham, observando que os achados são de grande importância para a compreensão da história do Islã…


Tradição: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

ISIS AMEAÇA MASSACRAR NOVA IORQUE

Fonte/Source: Islamic State Santa poster threatens Christmas jihad massacre in Times Square


ISIS AMEAÇA MASSACRAR NOVA IORQUE NA NOITE DE NATAL

Por Robert Spencer

27 de Novembro  de 2017

Alá diz que irá atacar os incrédulos 
(Alcorão 3:151)
 e pede aos Muçulmanos para fazerem o mesmo 
(Alcorão 8:60). 
O Estado Islâmico está obedecendo este apelo.

“Poster Propaganda Do Estado Islâmico (Isis) Promete Massacre Na Noite De Natal Da Time Square Em Nova Iorque “, por Bridget Johnson, PJ Media, 27 de novembro de 2017:

“Um militante do ISIS lançou nas redes sociais do grupo um assombroso poster do Papai Noel olhando em direção a Times Square com uma caixa de dinamite ao seu lado.

A imagem mostra Papai Noel segurando um saco vermelho volumo diante da Time Square em noite repleta de pedestres.

“Nos encontraremos em Nova Iorque durante a festa de Natal… em breve”, diz o texto na imagem.

Este posters segue uma série de outros posters de propaganda fazendo ameaças durante o período de férias na Europa, com uma mão segurando uma faca sangrenta diante de um mercado no bairro da Torre Eiffel e um jihadista vestido com uma balaclava preta em pé diante do Papai Noel da Regent Street em Londres.

A Wafa’ Media Foundation, apoiada pelo ISIS, lançou inúmeras ameaças contra o feriado e contra o Vaticano. Em uma mensagem aos outros jihadistas na semana passada, o grupo observou que “a festa dos cruzados está próxima.”

Em outro caso, a Wafa’ circulou um cartaz que descrevia um veículo que se movia em direção ao Vaticano com um arsenal de armas, prometendo um ‘Natal Sangrento.’


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

É HORA DE OUVIR ROBERT SPENCER

Fonte/Source: Video: Stanford dean Nanci Howe congratulates student fascists as they disrupt Robert Spencer event

Stanford and Other Universities of Gleichschaltung

Stanford Ph.D. candidate says disruption of Robert Spencer event does “not befit an institution of learning”


É HORA DE OUVIR O ROBERT SPENCER

Por Tião Cazeiro

21 de Novembro de 2017


“Hoje em dia na América, as universidades geralmente são lugares para discussão e debate aberto e livre, com uma única exceção: se a pessoa se opor ativamente ao antissemitismo (seja em Mein Kampf ou no Alcorão) e lutar pela liberdade de expressão. Numerosos indivíduos que mantêm esses pontos de vista — posições básicas do Iluminismo — tornaram-se parias em muitos campus universitários. Essas universidades, pelas ações de seus administradores, professores e estudantes, tornaram-se bastiões da Gleichschaltung.

Gleichschaltung, traduzida como Nazificação, foi posta em prática na Universidade de Freiburg, Universidade de Frankfurt, Universidade de Göttingen e em outras universidades da Alemanha nos anos de 1930, enquanto marginalizavam, frequentemente brutalizavam, e em seguida eliminaram Judeus e antifascistas que se opunham ao antissemitismo e acreditavam na liberdade de expressão.

Stanford emerge como a mais recente universidade Americana a demonstrar seu compromisso com a Gleichschaltung” — Richard Sherman

A palestra tão esperada de Robert Spencer na Stanford University, gerou muita confusão e uma reação inusitada por parte dos alunos, que de forma orquestrada abandonaram o salão. Alguns ainda chamaram o Robert Spencer de fascista, e pior, incentivados por alguns diretores associados à Reitoria de Assuntos Estudantis.

Primeiro, certificaram-se de que o salão estava repleto de estudantes que não tinham interesse em participar da palestra, mas estavam lá apenas para sabotar, negando assentos às pessoas  realmente interessadas no evento. Eles até mesmo deixaram de fora alguns membros Republicanos da faculdade, exatamente o grupo que patrocinava o evento.

Assista a estes vídeos de curtíssima duração, mesmo que você não domine a língua Inglesa, e perceba logo no primeiro vídeo a movimentação de uma diretora (dando tapinha nas costas) incentivando os alunos a deixarem o local.

O segundo vídeo, mostra Robert Spencer, — que já esperava alguma reação devido aos protestos que antecederam o evento, — assistindo a debandada geral e corretamente lembrando aos alunos o verdadeiro significado da palavra fascismo.

“Não havia nada a ganhar, mas tudo a perder, saindo propositadamente da palestra como um grupo organizado…. Inclusive negando acesso à palestra e exibindo o símbolo da  Antifa em edifícios acadêmicos.” — Qi Yang, Ph.D.

Entretanto, Ibn Warraq, um ex-Muçulmano, autor de vários livros importantes como, Por Que Não Sou Muçulmano, As Origens Do Alcorão, A Busca Pelo Muhammad Histórico e a Defesa Do Ocidente entre outros, disse o seguinte:

“Robert Spencer vem alertando e denunciando o terrorismo Islâmico desde 2003. Todos os dias ele observa atentamente todas as barbaridades do terrorismo Islâmico. Em vários momentos de tristeza, quando não o levaram a sério o suficiente, Spencer foi forçado a nos lembrar: “Eu te avisei.” É hora de ouvir o Robert Spencer.”

PJ Media: “Um líder nesta guerra há mais de uma década, documentando não apenas o que está acontecendo, mas explicando o porquê.”

Venho traduzindo os artigos do Robert Spencer, Raymond Ibrahim, Pamela Geller, Dr. Bill Warner entre outros desde 2013.  Este blog não existiria se não fossem os artigos dessas pessoas tão especiais.

Robert Spencer e Raymond Ibrahim são versados em Árabe e conhecem profundamente o Islã e a História. Ouvir o que eles têm a dizer é de extrema importância pois estamos em plena era do absurdo.


 

Austrália: Muçulmanos Criticam Severamente Imam Como “Falso Muçulmano” Por Opor-Se À Sharia E Obedecer À Lei Australiana

Fonte/Source: Australia: Muslims slam imam as “fake Muslim” for opposing Sharia and obeying Australian law


Austrália: Muçulmanos Criticam Severamente Imam Como “Falso Muçulmano” Por Opor-Se À Sharia E Obedecer À Lei Australiana
Por Robert Spencer

2 de Abril de 2017

Eis aqui mais uma parcela da nossa série periódica: por que não vemos mais genuínos reformadores Muçulmanos.

“Eu sou considerado falso porque morreria pela Austrália”’: Imam bate de frente com extremistas que afirmam que ele é uma fraude por seguir a lei Australiana sobre a Sharia e não querer um estado Muçulmano“, de Kate Darvall, Daily Mail Austrália, 1 de abril de 2017. (Agradecimentos à Religião da Paz):

Um líder Muçulmano criticou os extremistas que afirmam que ele é uma fraude por seguir a lei Australiana em vez da Sharia, e não querer formar um estado Muçulmano independente.

Imam Shaikh Mohammad Tawhidi, que falou abertamente contra o ISIS e extremistas, confrontou os membros da comunidade Islâmica num vídeo compartilhado online na Sexta-feira.

Imam Tawhidi disse que foi rotulado de ‘falso’ Sheik porque priorizou a lei Australiana ao invés da Sharia.

“Eu sou considerado um falso porque morreria pela Austrália. Eu sou considerado um falso, porque vivo pela constituição Australiana”, disse ele.

“Eu sou considerado um falso porque glorifico a bandeira Australiana.

“Eu sou considerado um falso porque rejeito a lei Sharia e vivo pela lei Australiana.”

No vídeo de quatro minutos de duração, o Imam Tawhidi enumerou várias razões pelas quais tinha sido chamado de “falso” por membros da comunidade Muçulmana da Austrália.

“Eles me chamaram de falso Imam ou Sheik Muçulmano só porque expus suas intenções de criar um califado dentro da Austrália”, disse ele.

“Eu sou considerado um falso porque condeno o terrorismo. Consideram-me um falso porque me oponho e exponho o extremismo.

Ele se defendeu dizendo que era legítimo e só foi acusado de ser uma fraude porque não servia uma agenda radical Islâmica.

“Para eles, sou muito Australiano”, disse ele.

O líder Muçulmano disse que rejeitou a controversa lei Sharia para viver pela lei Australiana “porque sou um Australiano Muçulmano e não um Muçulmano Australiano”.

“Quero um Islã que seja compatível com o Ocidente”, disse.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Rejuvenescer A Economia Europeia: O Papel Das Finanças Islâmicas

Fonte/Source: Rejuvenating the European Economy: The Role of Islamic Finance | The World Financial Review | Empowering communication globally

 Rejuvenescer A Economia Europeia: O Papel Das Finanças Islâmicas

Por Tião Cazeiro

29 de Março de 2017

Tradução: A Sharia dominará o mundo / Muçulmanos, levantem-se e instaurem a Sharia

A ideia aqui é comentar alguns excertos de um artigo escrito em Março de 2016 por Sohail Jaffer e publicado no The World Financial Review

Não se trata de uma análise financeira, e sim de uma comparação do sistema financeiro Islâmico com o pensamento Islâmico contido nos textos sagrados do Islã.

“É inconcebível”, disse ele, “que o pensamento que guardamos como o mais sagrado deva fazer com que toda a umma [Mundo Islâmico] seja uma fonte de ansiedade, perigo, matança e de destruição para o resto do mundo. Impossível!” —Presidente do Egito Al-Sisi: O “Pensamento” Islâmico está “Antagonizando o Mundo Todo”.

O antagonismo Islãmico global é um fato que ninguém em sã consciência pode negar. Entretanto, nem mesmo o genocídio de Cristãos no Oriente Médio pesa na balança do gerenciamento de controle de riscos das instituições financeiras.

Obs.: [Ênfase adicionada nos excertos]

Rejuvenescer A Economia Europeia: O Papel Das Finanças Islâmicas

O título em si, o qual mantive neste artigo, já demonstra que ao invés de rejuvenescer a Europa, o Islã a está destruindo, e o que estamos vendo hoje em dia é só o começo. Não da vitória do Islã, mas do suicídio Europeu.

Ok, ok, eu sei: “Enquanto houver um louco, um poeta e um amante haverá sonho, amor e fantasia. E enquanto houver sonho, amor e fantasia, haverá esperança.” — Shakespeare.

Comentando a queda acentuada dos preços das ações dos bancos Europeus nas primeiras semanas de 2016, que descreveu como uma “preocupação”, o FMI aconselhou que “um setor bancário robusto é necessário para apoiar o investimento e a recuperação econômica”. Em muitos aspectos, idealmente posicionado para reforçar o rejuvenescimento da economia Europeia”. As finanças Islâmicas estão, em muitos aspectos, idealmente posicionadas para reforçar o rejuvenescimento da economia Europeia.

A palavra “dhimmittude” vem de dhimmi, uma palavra Árabe que significa “protegido “. Dhimmittude significa o sistema Islâmico de governança utilizado nas populações conquistadas pelas guerras da Jihad. Em outras palavras, é igual ao sistema utilizado pela máfia. Você paga uma taxa de proteção (jizya) para se manter vivo.

Uma delas [razões] é que as economias Islâmicas no Oriente Médio e no Sudeste Asiático continuam a ser uma importante fonte de liquidez que procura oportunidades de investimento diversificadas para além das suas regiões de origem.”

Veja o Robert Spencer (Jihad Watch) diz a respeito:

Hijrah, ou jihad pela emigração, é, de acordo com a tradição Islâmica, a migração ou viagem de Muhammad e seus seguidores de Meca para Yathrib, mais tarde renomeada por ele como Medina, no ano 622 d.C. Foi depois da Hijra que Muhammad pela primeira vez se tornou não apenas um pregador de ideias religiosas, mas um líder político e militar. Foi isso que ocasionou suas novas “revelações” exortando seus seguidores a cometerem violência contra os incrédulos.

Emigrar pela causa de Alá — ou seja, mudar para uma nova terra para ampliar o Islã, é considerado no Islã como um ato altamente meritório. “E quem emigrar pela causa de Alá encontrará na terra muitos lugares e abundância“, diz o Alcorão:

"Mas quem migrar pela causa de Alá, achará, na terra, amplos e espaçosos refúgios. E quem abandonar seu lar, migrando pela causa de Alá e de Seu Mensageiro, e for surpreendido pela morte, sua recompensa caberá a Alá, porque é Indulgente, Misericordiosíssimo.” — Alcorão (4:100)

O status exaltado de tais emigrantes levou um grupo de jihadistas Britânicos à notoriedade (e a prisão pelo governo), há alguns anos atrás, por comemorarem o ataque de 11 de Setembro se autodenominando Al- Muhajiroun: Os Emigrantes.

Oitocentos mil refugiados Muçulmanos em apenas um ano (2015). Isso transformará a Alemanha e a Europa, para sempre, sobrecarregando as economias de suas nações mais ricas e alterando a paisagem cultural para além do reconhecimento. No entanto, o debate público sério que precisa ser feito sobre esta crise é vaiado pelo nonsense vulgar: o Washington Post na Quarta-feira publicou uma peça inflamatória e irresponsável comparando aqueles preocupados com esse influxo Muçulmano maciço na Europa, com os Nazistas em 1930, prontos para incinerar Judeus aos milhões. A estrela de Hollywood Emma Thompson acusou as autoridades Britânicas de racismo por não terem recebido mais refugiados — como se as autoridades Britânicas ainda não tivessem feito o suficiente para destruir própria a nação.  Robert Spencer in FrontPage: The Hijrah Into Europe

“Talvez mais significativo, para a aplicação a longo prazo das finanças Islâmicas à economia real, é que os princípios de financiamento em conformidade com a Sharia estão muito alinhados com o investimento que a Europa precisa para construir uma recuperação econômica sustentável e inclusiva….. De acordo com um briefing do Banco Mundial, “as finanças Islâmicas são financiadas por ações, apoiadas por ativos, éticas, sustentáveis, ambientalmente e socialmente responsáveis. Promove a partilha de riscos, liga o sector financeiro à economia real e dá ênfase à inclusão financeira e ao bem-estar social.

No excerto acima, a única frase que condiz com a realidade do Oriente Médio é esta: “em conformidade com a Sharia”, o restante, ou seja, “investimento que a Europa precisa”, “liga o setor financeiro à economia real e dá ênfase à inclusão financeira e ao bem-estar social”, etc., qualquer pessoa lúcida é capaz de perceber que existe algo a mais nessa história.

Quero que Londres fique ao lado de Dubai e Kuala Lumpur como uma das grandes capitais das finanças Islâmicas em qualquer lugar do mundo” — David Cameron, Primeiro Ministro, Grã-Bretanha.

Mas os críticos dizem que as ambições Britânicas de atrair investimentos de países, empresas e indivíduos Muçulmanos estão estimulando o estabelecimento gradual de um sistema financeiro paralelo baseado na lei Islâmica da Sharia. O Tesouro também disse que algumas questões com relação ao ‘sukuk’, o bônus Islâmico, podem exigir que o governo restrinja seus negócios com empresas de propriedade Israelense para atrair dinheiro Muçulmano.  — Britain: “A World Capital for Islamic Finance”

Eis aqui realidade:

Alcorão 98:6 “Honestamente falando, aqueles que não creem (na religião Islâmica, no Alcorão e no Profeta Maomé/Muhammad) entre eles o Povo do Livro (Judeus e Cristãos) e demais descrentes, terão que aceitar o Fogo do Inferno. Eles são as piores criaturas”.

“Como as finanças Islâmicas estão ganhando um crescente reconhecimento global por seus altos padrões éticos e de governança, estão posicionadas idealmente para atender às crescentes demandas de oportunidades de investimento socialmente responsável (SRI). No contexto Europeu, não se trata apenas de investimentos que evitem sectores proscritos, como o álcool, as armas, os jogos de azar e o entretenimento para adultos. Muito mais significativo, hoje, é a força da demanda entre mutuários e investidores por estruturas de financiamento que lidam com a ameaça das mudanças climáticas e da degradação ambiental.”

No caso do Brasil, o ‘prefeitinho’ de São Paulo João Doria e o Governador de Goiás Marconi Perillo entre outros, em suas andanças pelos Emirados Árabes, sabem disso, entrentanto o que estamos vendo é: um peso, duas medidas.

Governador Marconi Perillo (PSDB) e o CEO da Caracal Internacional, Hamad Salem Al Ameri — Instalação de uma Indústria de armas dos Emirados Árabes em Goiás

O historiador, filósofo pioneiro e jurista teórico, Ibn Khaldun (1332-1406), observou em seu famoso “Muqaddimah”, a primeira obra de teoria histórica que: “Na comunidade Muçulmana, a guerra santa é um dever religioso por causa do universalismo da missão Muçulmana e (da obrigação de) converter a todos ao Islã ou pela persuasão ou pela força”.

“Muito mais significativo, hoje, é a força da demanda entre mutuários e investidores por estruturas de financiamento que abordam a ameaça das mudanças climáticas e da degradação ambiental.” — “Os bônus Islâmicos, ou os sukuks, já demonstraram suas credenciais como instrumentos de financiamento para iniciativas éticas.”

Se preocupam com as mudanças climáticas e a degradação ambiental. Meu Deus! O sujeito precisa ser um mega débil ou um mau caráter para não reconhecer o genocídio de Cristãos no Oriente Médio. Quantos Muçulmanos “moderados” levantaram a voz contra essa monstruosidade? Alguma passeata ou… ah, lembrei, a Linda Sarsour e a “Marcha da Mulher” contra o Trump” etc. Então tá…

“Em dezembro de 2014, por exemplo, o Mecanismo Internacional de Financiamento para Imunização (IFFIm), para o qual o Banco Mundial atua como gerente de tesouraria, lançou um sukuk (bônus Islâmico) (de US$ 500 milhões, cujos recursos foram utilizados para financiar projetos da Aliança Global para Vacinas e Imunização (GAVI)….

“Estamos dando a nossas crianças inocentes substâncias proibidas e substâncias químicas nocivas que destroem seus sistemas imunológicos naturais, causando doenças, sofrimento e morte. Todos os médicos e pais Muçulmanos devem estar cientes dos ingredientes da vacina e da eficácia falhada das vacinas. O dano é claramente maior do que o benefício. Chegou a hora de defender a verdade.” —Muslims and vaccines

“A Standard & Poor’s, que estima que os ativos Islâmicos globais valiam cerca de US$ 2,1 trilhões no final de 2015, acredita que os instrumentos financeiros em conformidade com a Sharia podem desempenhar um papel no cumprimento de alguns Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (SDGs) A sua agenda de 2030 para o desenvolvimento sustentável define metas centradas nos cinco pilares das pessoas, do planeta, da prosperidade, da paz e da parceria.”  — “Olhando para as Nações Unidas SDGs e os princípios de finanças Islâmicas, consideramos que existem algumas semelhanças”.

As Nações Unidas, cá entre nós, e não conta pra ninguém, “santifica o mal” e “declarou guerra contra a civilização Judaico-Cristã” — Mídia Sem Máscara — A ONU declara guerra contra a civilização Judaico-Cristã

“Os dois primeiros SDGs têm como objetivo acabar com a pobreza em todas as formas, travar a fome, alcançar a segurança e alimentar o mundo.”  As formas Islâmicas de empréstimos concessionais como Qard Hassan (empréstimos de bem-estar), Zakat (um imposto sobre a riqueza usado para fins sociais) (Uma doação a instituições de caridade) poderiam ser utilizados em apoio a essas SDGs, embora possam ser mais aplicáveis às economias subdesenvolvidas do que à Europa.”  — “O potencial de financiamento da infra-estrutura em conformidade com a Sharia

Percebam que a linguagem usada pela Sharia nas finanças é a mesma usada no Alcorão etc. Como disse um Muçulmano em Londres numa entrevista: “Islã e Sharia são a mesma coisa.”

Aqueles que por ventura estão achando que eu exagero, expondo versos do Alcorão neste artigo, saibam que eu estou correto, pois é assim mesmo que eles pensam. E aqueles que negarem é porque estão aplicando a Taqiyya em você. Sabe o que isso significa?

Alcorão 3:28: “Que os fiéis não tomem por confidentes os incrédulos, em detrimento de outros fiéis. Aqueles que assim procedem, de maneira alguma terão o auxílio de Alá, salvo se for para vos precaverdes e vos resguardardes. Alá vos exorta a d´Ele vos lembrardes, porque para Ele será o retorno.”

Em outras palavras, você pode e deve mentir se for para alavancar o caminho ou a causa de Alá. O Irã se utiliza desse procedimento praticamente como norma. Veja como negociaram o acordo nuclear… e o “engraçado” é que ambos, Obama e Irã, usaram, usam e abusam da Taqiyya.

“Os sunitas afirmam que os xiitas negam adorar o (Imam) Ali porque estão envolvidos em falsidades (deception) deliberadas e religiosamente sancionadas: Taqiyya. (Imam Ali é considerado um Deus)

“Taqiyya é a nossa religião e a religião de nossos pais; aquele que não tem taqiyya, não tem religião ” — The Complete Infidel’s Guide to Iran por Robert Spencer, Diretor da Jihad Watch

A Sharia impõe, não se adapta, ela manda, exige e quer dominar o mundo. Não se engane sobre isso. Um exemplo da arrogância é o que aconteceu com o jornal satírico Charlie Hebdo. Os terroristas Islâmicos invadiram o território Frances para matá-los. A França não tem nenhuma lei que proíba você de desenhar um profeta no deserto. Resultado, a Sharia invadiu a França e deu no que deu.

A criação de gado em conformidade com a Sharia do Brasil é em si uma imposição da Sharia em território nacional. Significa de que a Sharia está atuando no Brasil, dando as ordens, acima da constituição Brasileira. Não é uma lei qualquer de um país, é a lei Islâmica, a Sharia, impondo as vontades do Islã, o “povo das necessidades especiais”, vide o Hijab em documentos oficiais como o passaporte Brasileiro etc. Isto é a Sharia.

O Barack Obama, — conhecido também como “Obozo” — não disse que “O futuro não pertence àqueles que difamam o profeta do Islã.”?

Outro exemplo — Reino Unido: Os Tribunais da Sharia operam além do alcance da lei Britânica e oprimem as mulheres — UK: Sharia courts operating beyond reach of British law and oppressing women

“É aceito que o financiamento em conformidade com a Sharia é totalmente compatível com os princípios das parcerias público-privadas (PPP) e elementos de mecanismos de financiamento tais como joint-ventures (Musharaka), estruturas de participação nos lucros (Mudharaba), financiamento com custo adicional (Murabaha) E leasing (Ijara) poderiam ser aplicados ao investimento em infra-estruturas sociais europeias.

Como diz uma amigo meu, “só coisinha boa”…  mas só para Muçulmanos, para quando converterem “a todos ao Islã ou pela persuasão ou pela força“.

Alcorão 5:33 
“O castigo, para aqueles que lutam 
contra Alá e contra o Seu Mensageiro 
e semeiam a corrupção na terra, 
é que sejam mortos, ou crucificados, 
ou lhes seja decepada a mão e o pé opostos, 
ou banidos...”

Na hipótese de um conflito armado no Brasil contra a jihad, não me surpreenderei se a empresa bélica em Goiás fornecer armamentos aos jihadistas. A regra dos números fala por si só, porque nenhum Muçulmano se atreverá a trair Alá e o seu Mensageiro Muhammad.

É por último, é óbvio, Sohail Jaffer é Partner e Chefe de Desenvolvimento de Negócios Internacionais para a “private label” bancassurance com o grupo FWU com sede em Dubai. 


 

 

TAMIMI: “Somos Muçulmanos Na Europa, E Não Muçulmanos Europeus”

Fonte/Source: Tamimi: “We are Muslims in Europe, not European Muslims”

TAMIMI: “Somos Muçulmanos Na Europa, E Não Muçulmanos Europeus”

Por Tião Cazeiro

24 de Março de 2017

Robert Spencer escreveu um artigo em Agosto de 2006 dizendo o seguinte:

“Me pergunto se os dhimmis das populações não-Muçulmanas da Eurábia entendem a diferença. Tamimi, o qual a duplicidade foi desmascarada, também reiterou seu apoio ao martírio suicida jihadista.”

Dr. Azzam Tamimi, um radical Muçulmano estacionado na Inglaterra, pareceu apoiar o atentado suicida de ontem, quando afirmou que morrer por suas crenças era “justo”. Tamimi disse, — diante de uma multidão de 8.000 pessoas na convenção ExpoIslamia em Manchester, — que defender seus princípios é o “maior ato de martírio”.

Tamimi, de 51 anos, afirmou que a guerra ao terrorismo era uma guerra contra o Islã. “Somos Muçulmanos na Europa, não Muçulmanos Europeus“, acrescentou. A multidão irrompeu em urros e aplausos quando disse que Israel havia sido derrotado pelo Hezbollah. ” [Ênfase adicionada]

Enquanto isso…

O ‘prefeitinho’ Muçulmano de Londres, Sadiq Khan, cria força tarefa para prender todos aqueles que “irritam” os Muçulmanos online. Muçulmanos são obcecados em calar qualquer crítica ao Islã, o que na verdade é uma das táticas para impor a Sharia em novas terras…

O site do Conservativehome lista outras preocupações (com relação ao prefeitinho), incluindo:

  • Em carta ao The Guardian na sequência dos atentados terroristas de 7/7 em Londres, culpa o governo Britânico pelo terrorismo;
  • Sua defesa legal de Zacarias Moussaoui, um terrorista do 11 de Setembro que confessou ser membro da Al Qaeda;
  • Seu capítulo num livro, intitulado “Ações contra a Polícia”, aconselhando sobre como fazer acusações contra a polícia por “racismo”. A mesma força policial que o Sr. Khan como prefeito de Londres iria exercer autoridade;
  • Sua defesa do extremista Islâmico Azzam Tamimi. Quando o Dr. Tamimi disse à multidão que a publicação de caricaturas do Profeta Muhammed “faria o mundo tremer” e previu “Fogo … em todo o mundo se não pararem”, Sr. Khan, que compartilhou uma plataforma com Tamimi descartou as ameaças como “linguagem florida”;
  • Sua plataforma compartilhada com Suliman Gani, um Imã do sul de Londres, que exigiu subserviência feminina aos homens, e pediu a fundação de um Estado Islâmico.

Completando o raciocício…

“O terrorista Islâmico que atacou Westminster na Quarta-feira era um Muçulmano convertido que possivelmente foi radicalizado na prisão; tinha vivido em várias áreas do Reino Unido, e era conhecido por atividade Islâmica radical.

khalid Masood, 52, passou algum tempo em Birmingham, East London e em Luton, antes de assassinar quatro pessoas no centro de Londres. Depois de morto a tiros, o Estado Islâmico (ISIS) o descreveu como um de seus “soldados”. — Westminster Killer was Muslim Convert, Lived in Several Extremism Hotspots

O padrão utilizado pelo terrorista é o mesmo que estamos vendo ao redor do mundo, ou seja, atropelamento, faca, locais públicos de alta visibilidade etc.

Entretanto, o colunista da BBC Simons Jenkins, criticou o posicionamento da mídia neste vídeo, infelizmente não legendado em Português.

“A BBC fez uma escolha, deram preferência ao terrorista”. O colunista Simon Jenkins critica a cobertura dada ao ataque pela mídia.

A cada dia que passa a BBC deixa claro um firme compromisso com a subserviência e a desinformação.

Nesse vídeo, o colunista Simon Jenkins afirma que dar proeminência aos terroristas ajuda e complica ainda mais a situação, e que o incidente deveria ser tratado com um crime e não como terrorismo. Compara o incidente com os atentados do IRA, PLO etc.; diz que Masood “era um doido, que enlouqueceu e pegou uma faca” etc., um caso como outros que acontecem em Londres e em outros lugares….

Sério? Simon Jenkins realmente vive num outro planeta.  Sem ofensa, mas por trás desse raciocínio, se puxarmos a linha, encontraremos camadas e camadas de comprometimento político, os quais estão propositalmente deixando a população Britânica completamente indefesa, o que acarretará em mais mortes, em mais terrorismo ao longo dos anos.

Jenkins assume a postura de que é melhor não irritar para não aumentar…  e isto é covardia, isto é desinformação, isto é não querer enchergar a realidade, ou seja, a jihad global. Estamos em guerra e a jihad não vai parar, irritando ou não, com ou sem medo.

Duas “detenções significativas” feitas durante a noite associadas aos assassinatos da jihad em Londres

24 de Março de 2017 —  Por Robert Spencer — Two “significant arrests” made overnight in association with London jihad murders

“O nome de nascimento do perpetrador do atentado terrorista de Quarta-feira no centro de Londres é Adrian Russell Ajao, disse o mais antigo policial Britânico de contraterrorismo.

Nove pessoas permanecem sob custódia e uma mulher foi libertada sob fiança”.  Este parece ter sido um enredo de grande escala. E mais em andamento.

Uma mulher de 39 anos foi presa em um endereço na noite de Quinta-feira em East London, sob suspeita de preparação de atos terroristas, disse a polícia. Uma mulher, que não foi nomeada, está sob custódia da Polícia e da Evidência Criminal (PACE).

Seis pessoas  — duas mulheres e quatro homens, com idades variando de 21 a 28 — foram presas em dois endereços em Birmingham, uma cidade no centro da Inglaterra. Os seis também foram mantidos sob suspeita de preparação de atos terroristas.

Outro homem, 58, também foi preso sexta-feira pela manhã em outro endereço em Birmingham, e realizado sob a mesma acusação ….”

Óbvio que a polícia não está inventando esses dados, portanto não se trata aqui de “um doido, que enlouqueceu e pegou uma faca etc.” como quer acreditar o colunista Simon Junkins. Estamos vendo os ingredientes de um ataque orquestrado.

E mais…

Repórter da NBC teme que o ataque jihadista em Londres venha “pôr vento nas velas” do “movimento de direita”.

23 de Março de 2017 — Por Robert Spencer

“Os meios de comunicação do establishment não estão preocupados com os ataques terroristas jihadistas no Ocidente. O establishment não está preocupado com as pessoas mortas nos massacres da jihad. Os meios de comunicação do establishment só querem que você não pense mal do Islã e para não começar a apoiar os “movimentos de direita” que ameaçam a hegemonia das elites políticas.” — NBC reporter fears London jihad attack will “put wind in the sails” of the “right-wing movement”

Conclusão…

“De acordo com a Primeira Ministra Theresa May, o terrorista de Westminster Khalid Masood era uma “figura periférica”, e aparentemente há muitos outros Muçulmanos na Grã-Bretanha que são ainda mais violentos e perturbados do que Khalid Masood, e por isso não havia nenhuma questão de mantê-lo sob vigilância.

Esse é o plano do Estado Islâmico (ISIS) para subjugar a aplicação da lei, com muitos ataques e complôs até que o sistema inteiro entre em colapso. Parece que este plano está funcionando bem no Reino Unido.” — Robert Spencer.

Khalid Masood converteu-se ao Islamismo, e portanto, do ponto de vista de Tamimi, deixou de ser um cidadão Britânico.

Somos Muçulmanos na Europa, não Muçulmanos Europeus

Dito pelo Dr. Azzam Tamimi diante de 8.000 pessoas na convenção ExpoIslamia em Manchester, com direito a urros e aplausos frenéticos.

Portanto, Masood era um Muçulmano no Reino Unido e não um Muçulmano Britânico, de acordo com Tamimi.

Criticar a mídia pela enorme cobertura que deu a um suposto — crime comum perpetrado por um cidadão Britânico — demonstra o quanto, uma parte da mídia, desinforma.

Ideias têm consequencias.


 

ALLAHU AKBAR EM WESTMINSTER

Allahu Akbar em Westminster

Por Tião Cazeiro

22 de Março de 2017

O ISLÃ ESTÁ ANTAGONIZANDO O MUNDO TODO!

O que falta para o povo Brasileiro dar um basta definitivo neste governo que está cruelmente abrindo as portas para o impensável?

Notícias como esta — Muçulmanos Devotos E Apoiadores Do Estado Islâmico (ISIS) Celebram Ataque Terrorista Em Londres — deveria sensibilizar o governo, principalmente um governo que tem em seu território 175 milhões de Cristãos entre outros grupos religiosos, ou seja, o segundo maior país Cristão do mundo.

E não me venha com Cruzadas ou Inquisição, pois isto não cabe mais no mundo atual.

A penetração Islâmica no tecido Ocidental chegou a um ponto que até — “mães na Pensilvânia estão produzindo acessórios Barbie-Hijab para “criar uma geração amável”.

O Islã está em guerra contra o mundo para impor a lei Sharia, algo que “todo mundo” já sabe. Agora, se você levantar a voz para criticar o Islã, a esquerda, a globalização etc. será enquadrado, de acordo com a maldita ONU, no “discurso de ódio“, “RACISMO“, “contra os direitos de alguém“. Só não dizem quem estão defendendo.

Veja o Brasil, basta olhar em volta para perceber o que estão fazendo com este país. Tudo orquestrado. Tudo pronto pra você viver no INFERNO, e quem sabe se tornar um DHIMMI. Por acaso você sabe o que é um Dhimmi? Sempre faço esta pergunta, e poucos respondem.

Estão bombardeando o mundo, mas você não pode criticar o agente dos bombardeios. Sim, nada a ver com o Islã, diz a grande inimídia.

Você é obrigado todos os dias a engolir a maldita esquerda, o globalismo, progressistas, feministas etc, mas ai de você se abrir a boca para falar do “povo das necessidades especiais”.


Nações Unidas: Regulando o discurso de “ódio” e não um ataque à liberdade de expressão.

As Nações Unidas marcaram o Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial na Terça-feira, dizendo aos governos ao redor do mundo que a regulação do “discurso de ódio” é parte da estratégia necessária para “defender os direitos de alguém“.


O ISLÃ NÃO É UMA RAÇA, É UMA IDEOLOGIA.


Para quem não o conhece, Tommy Robinson é um super ativista contra a Islamização.
Muito corajoso e já se machucou feio a ponto de ser hospitalizado quando foi atacado por Muçulmanos.
Ele é um dos líderes do grupo PEGIDA/UK. (Patriotas Europeus Contra a Islamização do Ocidente).

Neste protesto em vídeo, foi chamado de Nazista, Fascista, Islamofóbico, RACISTA e muito mais…
Resumindo, a polícia o tirou da passeata para evitar violência por parte dos anti-Islamofóbicos…
Essa é a mentalidade de merda da esquerda em Londres, e em toda parte, melhor dizendo.
O atentado de hoje em Westminster não vai mudar em nada, não irão desistir dessa insanidade.

Este vídeo, ainda sem legenda em Português diz muito. Assista, não se preocupe com o Inglês. Eis aqui um resumo só para dar uma ideia. As imagens dizem muito mais…

Tommy Robinson diz que no ano passado foram desarticulados pela polícia 12 atentados em Londres envolvendo supermercado, boate, avião etc., do mesmo porte que esse que aconteceu hoje em Westminster. Acusa o atentado de hoje como autoria do Estado Islâmico (ISIS)…

Tommy Robinson vem alertando a Inglaterra sobre este terrorista, Abu Izzadeen, por mais de uma década.

Nota: Até o momento em que escrevi este artigo a imprensa mundial dizia que Abu Izzadeen era o autor do atentado em Westminster. O blog Lei Islâmica em Ação colaborou com este artigo atualizando o nome do terrorista: Masood, 52anos, nascido em Kent, Inglaterra. Veja a reação dele no fim do vídeo….

 

No Sábado passado, Tommy Robinson participou da passeata anti-Islamofobia em Londres e olha no que deu…

A polícia o retirou da passeata… ele só queria entrevistar o público.

Estou mostrando isto a vocês porque vai acontecer aqui em breve. O padrão Muçulmano é o mesmo e não existe outra alternativa.

O Brasil vai pagar pela estupidez. A velocidade com que estão orquestrando a penetração Islâmica no Brasil não deixa dúvida, quando o país acordar será tarde demais.

175 milhões de Cristãos (Católicos, Evangélicos etc.) e nenhuma reação realmente significativa. Por quê?

Não é bola de cristal, é pura lógica, estudo e common sense.

Já cruzamos a linha vermelha. Infelizmente!


E por último, leia isto…

Reino Unido: terrorista “Asiático” atropela pedestres com  carro antes de correr para o Parlamento com uma faca. — UK: “Asian” attacker crashed into pedestrians in his car before running into Parliament with knife

“Asiático” é o eufemismo da mídia Britânica para Muçulmano.

O “Moderado” Fatah pediu tais ataques. E o Estado Islâmico emitiu esse apelo em Setembro de 2014:

“Então, ó muwahhid, não deixe que essa batalha passe por onde quer que você esteja. Você deve atacar os soldados, patronos e soldados do tawaghit. Golpeie seus membros da polícia, da segurança, e da inteligência, assim como seus agentes traiçoeiros. Destrua suas camas. Amargure a vida deles e ocupe-os com eles mesmos. Se você pode matar um Americano ou um Europeu incrédulo — especialmente o Francês rancoroso e sujo — ou um Australiano, ou um Canadense, ou qualquer outro descrente dos descrentes que fazem a guerra, incluindo os cidadãos dos países que entraram numa coalizão contra o Estado Islâmico, então confie em Alá e mate-os de qualquer jeito ou maneira, no entanto, pode ser… se você não for capaz de encontrar um IED ou uma bala, então escolha um Americano descrente, um Francês, ou qualquer um dos seus aliados. Golpeie a cabeça dele com uma pedra, ou mate-o com uma faca, ou o atropele com o seu carro, ou jogue-o de um lugar alto, ou sufoque, envenene…”


IRÃ: AUMENTO ALARMANTE DE ATAQUES COM ÁCIDO CONTRA MULHERES QUE NÃO ESTÃO ADEQUADAMENTE VESTIDAS COM VÉU

Fonte/Source Iran: Alarming rise in acid attacks against women who are not properly veiled


IRÃ: AUMENTO ALARMANTE DE ATAQUES COM ÁCIDO CONTRA MULHERES QUE NÃO ESTÃO ADEQUADAMENTE VESTIDAS COM VÉU

Por ROBERT SPENCER

20 de Março de 2017

Mulheres que não estão usando o véu/hijab adequadamente: uma indignação, uma provocação.

Encharcando mulheres com ácido por não estarem usando o véu/hijab devidamente: agradando Alá.


Taxas Alarmantes De Ataques Com Ácido No Irã Estão Em Ascensão”, Al Arabiya, 20 de Março de 2017:

Depois de quase um ano de calma, o encharque de pessoas com ácido abrasivo retornou ao Irã, onde uma família de quatro pessoas foi atacada no Sábado em Sharada, na província de Isfahan, o principal destino turístico do Irã.

No mês passado, pessoas não identificadas também atacaram duas mulheres em Maashour, dentro da província de Ahwaz, de acordo com agências de notícias Iranianas.

O Investigador Chefe de Polícia de Isfahan, Sitar Khasraoui, disse em nota à imprensa que as famílias foram levadas ao hospital para o trato de queimaduras. A família composta por pai, 53, mãe, 48, filho, 23, e a filha, 20. Ambos os pais estão em condição crítica…

Relatos nas redes sociais alegaram que as vítimas foram encharcadas no rosto e no corpo porque não estavam devidamente cobertas com o véu/hijab. Foram alvo de assaltantes em motocicletas.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis