Arquivo da tag: muçulmano

Raymond Ibrahim: o ódio por trás das lágrimas Muçulmanas indignadas

Fonte/Source: The Hate behind Muslim Tears and Outrage – Raymond Ibrahim


O ódio por trás das lágrimas Muçulmanas indignadas

 POR RAYMOND IBRAHIM

16 de Fevereiro de 2018

FrontPage Magazine

A sensação de supremacismo permeia tudo na vida do supremacista Muçulmano — mesmo aquelas coisas que os meios de comunicação Ocidentais retratam como louváveis, humanitárias ou compreensíveis.

Considere a violação e estrangulamento de Zainab Ansari, uma menina Muçulmana de oito anos, cujo corpo mutilado foi encontrado no lixo em Janeiro último no Paquistão. O trágico incidente provocou indignação em massa na nação Muçulmana. Celebridades famosas e dezenas de milhares de outros Paquistaneses “expressaram seu choque nas mídias sociais usando o hashtag ‘justiceforZainab‘”; multidões irritadas atacaram a polícia e os edifícios do governo, deixando pelo menos dois mortos e muitos feridos; clérigos Islâmicos alertaram as autoridades governamentais para apresentarem o assassino instantaneamente, demitirem-se — ou então. “Podemos pegar esse animal e puni-lo publicamente?” é a questão que “resumiu a exasperação de muitas pessoas por falta de progresso na busca do assassino.”

É desnecessário dizer que a indignação sentida pelos Paquistaneses quanto ao destino dessa menina desafortunada, e o desejo de ver a justiça concedida a seu estuprador assassino, é apreciável. O problema, no entanto, é que essa indignação se baseia inteiramente no fato de que ela era Muçulmana. Muitas jovens Cristãs foram e continuam sendo estupradas, mutiladas e assassinadas — entretanto os Paquistaneses respondem com um silêncio ensurdecedor.

Zainab Ansari

A seguir, uma breve lista (e longe de estar completa) dessas meninas Cristãs não lamentadas:

Nisha, 9, foi sequestrada por Muçulmanos, estuprada por uma gangue, assassinada por golpes repetidos em sua cabeça e depois jogada em um canal.

Lubna, 12 anos, foi sequestrada, estuprada por uma gangue e assassinada por um grupo de Muçulmanos.

Muqadas, 12, foi emboscada em um campo perto de sua casa; o post mortem revelou que ela tinha sido “violada em grupo e depois estrangulada por cinco homens.”

Shazia, de 12 anos, foi escravizada, estuprada e assassinada por Chaudhry Naeem, um rico advogado Muçulmano, que foi absolvido no tribunal.

“É vergonhoso”, explicou as fontes locais do Paquistão ao discutir a violação brutal de outra garota Cristã de 9 anos. “Tais incidentes ocorrem frequentemente. As meninas Cristãs são consideradas produtos para serem danificados no lazer. Abusar delas é um direito. De acordo com a mentalidade da comunidade [Muçulmana], isso nem sequer é um crime. Os Muçulmanos as consideram como espólios da guerra (ênfase adicionada).”

Nem os meninos Cristãos  tampouco são poupados. Enquanto estavam em um bairro Cristão no Paquistão, um grupo de homens Muçulmanos sequestrou um menino de 7 anos; revezaram-se durante o estupro, antes de estrangular o menino e jogaram o corpo em um campo — assim como Zainab. O corpo de outro menino Cristão, Samuel Yaqoob, de 11 anos, também foi encontrado perto de um esgoto… com marcas de torturas horrorosas, com a arma do crime perto. Seu nariz, lábios e barriga foram cortados, e sua família dificilmente pôde reconhecê-lo porque o corpo estava muito queimado. “A autópsia encontrou” 23 feridas por uma arma afiada “e indicações de “sodomia.”

Explicando tais incidentes, Wilson Chowdhry, presidente da Associação Cristã Paquistanesa Britânica, disse: “Partes da cultura Paquistanesa têm uma forte componente de pederastia homossexual, e os meninos minoritários Cristãos entre outros são especialmente suscetíveis a estupros e abusos por causa da impotência de sua comunidade e  o status desprezado deles” (ênfase adicionada).

E esse é o ponto. Como “infiéis”, os Cristãos no Paquistão são amplamente vistos como “intocáveis“, servindo apenas para recolher os “excrementos dos Muçulmanos“, portanto são regularmente tratados como animais. Excluindo as famílias das vítimas e as comunidades Cristãs vizinhas, praticamente ninguém — uma nação com 99% de maioria Muçulmana — se importa quando Cristãos e seus filhos são atacados selvagemente e assassinados, da mesma forma como a Muçulmana Zainab foi.

Nenhum dos assassinatos com estupro de crianças Cristãs mencionados acima gerou um escândalo nacional; nenhum deles foi seguido por tweets em massa e hashtags, celebridades ultrajadas, revoltas em massa, tumultos fatais ou ameaças aos funcionários e policiais. Nem ganharam sua própria página de Wikipédia, da maneira como fizeram com Zainab.

Não surpreende que enquanto o assassino de Zainab foi pego dias após o incidente, os assassinos dos filhos Cristãos acima mencionados nunca foram “encontrados.”

É devido precisamente a essa indiferença que estupradores e assassinos tendem a perseguir crianças Cristãs: se a sociedade não se importa, a polícia não incomodará, e assim eles escapam — quando não como heróis por prestarem um serviço ao Islã. Depois de explicar que “a conversão forçada ao Islamismo de mulheres de grupos minoritários religiosos através do estupro e sequestro atingiu um estágio alarmante” no Paquistão; a Comissão Asiática de Direitos Humanos elaborou este relatório de 2011:

A situação piora com a polícia que sempre acompanha os grupos Islâmicos e trata grupos minoritários como formas de vida humilde. O lado obscuro da conversão forçada ao Islã… envolve também os elementos criminosos envolvidos em estupro e sequestro que em seguida justificam seus crimes hediondos forçando as vítimas a se converterem ao Islã. Os fundamentalistas Muçulmanos oferecerem, com prazer, abrigo a esses criminosos e usam como desculpa a ideia de que estão prestando um ótimo serviço à causa sagrada para aumentar a população Muçulmana.

A polícia no Paquistão praticamente não só nada faz para combater essa “jihad”, como às vezes são os próprios culpados. Em um outro exemplo, um “menino Cristão foi sequestrado, estuprado, torturado e morto por um policial; seu corpo também foi despejado em um canal.”

Com frequência, no entanto, polícia e outras autoridades incluindo imams locais simplesmente se alinham com os assassinos sempre que as famílias das vítimas Cristãs fazem muito barulho exigindo “justiça” — isto é, quando os “dhimmis” ficam muito atrevidos, pois de acordo com a lei Islâmica os mesmos precisam “conhecer o seu lugar” e agradecer para que, como infiéis indesejáveis ​​e vulneráveis, sejam atribuídas qualquer medida de tolerância.

Por exemplo, outra menina Cristã de 12 anos, conhecida como “Anna” foi estuprada por uma gangue durante oito meses, forçada a se converter, e “casou-se” com o seu agressor Muçulmano, mas depois escapou. Em vez de ver a justiça sendo feita, ela e sua família Cristã foram relatadas pela última vez como “escondidas dos estupradores e da polícia.” Da mesma forma, depois que uma criança de 2 anos foi violentamente estuprada porque seu pai Cristão recusou a conversão ao Islã — deixando sua anatomia permanentemente desfigurada apesar de passar por cinco cirurgias — ela e sua família esconderam-se por terem feito um “grande estardalhaço” do incidente.

O viés Muçulmano sobre quem importa (colegas Muçulmanos) e quem não (todos os outros) é regularmente despercebido no Ocidente. Por exemplo, a obrigação Muçulmana de pagar o zakat (traduzido várias vezes como “caridade”) é sempre aclamada no Ocidente como um reflexo do lado “humanitário” do Islã — mesmo que a lei Islâmica dominante insista que tal “caridade” só vai ajudar os Muçulmanos, nunca o odiado infiel….

Mesmo quando Muçulmanos saem massacrando na América — como o bombardeiro do metrô de Nova York ou esfaqueador do Estado de Ohio, — a mídia corre para sugerir que tudo não passa de indignação com a situação dos Muçulmanos que sofrem (sempre os Rohinyas em Myanmar), levando esses homens ao limite em busca de “justiça” (não importando se suas vítimas Americanas tenham nada a ver com a política de Mianmar).

Uma explicação mais apropriada é que eles simplesmente odeiam infiéis, como se viu no fato de que a Somália, onde Abdul Raza, o esfaqueador do Estado de Ohio nasceu e cresceu, é considerada a segunda maior nação Muçulmana do mundo para ser Cristão (o que certamente é muito significativo, já que 40 das absolutas piores 50 nações são Muçulmanas). Embora os Cristãos possam ser essencialmente decapitados em público na Somália, tal “injustiça” contra seus próprios compatriotas nunca pareceu incomodar o suposto “coração sangrento” de Abdul.

O Islã é responsável por este viés: o Alcorão pede aos Muçulmanos que sejam “fortes contra os infiéis, misericordiosos entre eles [48:29]”; A doutrina Islâmica sustenta que os Muçulmanos são superiores aos não-Muçulmanos — que são comparados a cães e gado. Por isso, pouco se importam quando infiéis subumanos são estuprados e assassinados, ficam irritados ao ver as minorias infiéis agitando por igualdade com os Muçulmanos — e tornam-se completamente assassinos vendo infiéis realmente dominando os Muçulmanos.

Desse ponto, muitos poderão começar a entender a queixa Muçulmana máxima: Israel. Se as minorias Cristãs impotentes e oprimidas no mundo Muçulmano ainda são tratadas cruelmente, como os Muçulmanos devem se sentir sobre os Judeus — os descendentes de porcos e macacos, de acordo com o Alcorão — exercitando poder e autoridade sobre os demais Muçulmanos? Indignação absoluta.

É claro que, se as queixas contra Israel fossem realmente sobre justiça universal e Palestinos deslocados, os Muçulmanos ficariam ainda mais atormentados pelo fato de que milhões de Cristãos estão sendo deslocados em nome da jihad e geralmente tratados de tal maneira que faz com que ser Palestino pareça algo invejável.

Desnecessário dizer que eles não estão ressentidos — e não estarão tão cedo; porque os ressentimentos Muçulmanos se baseiam no que machuca os Muçulmanos, nunca no que machuca os infiéis — ao contrário.


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

 

Anúncios

Afeganistão: Jihadistas Islâmicos matam 63 e Ferem 151

Fonte/Source: Afghanistan: Islamic jihadis murder 63, wound 151 with bomb hidden in ambulance


Por Tiao Cazeiro

O ‘povo das necessidades especiais’ já declarou publicamente a meta de obter 20 milhões de novos fiéis Muçulmanos em 20 anos, para se tornar a terceira maior religião do Brasil.

Na introdução do artigo a seguir, Robert Spencer faz uma pergunta interessante e muito pertinente com relação ao Brasil: Quer saber como o Brasil será daqui a 20 anos? Assim.


Afeganistão: Jihadistas Islâmicos matam 63 e Ferem 151 Com Bomba Escondida Em Ambulância

POR ROBERT SPENCER

27 de Janeiro de 2018


Quer saber como a Europa será daqui a 20 anos? Assim.

Grande explosão deixa pelo menos 63 mortos e 151 feridos depois que uma bomba escondida em uma ambulância explodiu em Cabul“, de Toby Meyjes, Mirror, 27 de janeiro de 2018:

Uma poderosa explosão deixou pelo menos 63 mortos e 151 feridos depois que uma ambulância repleta de explosivos foi detonada perto de uma delegacia de polícia.

A explosão aconteceu pouco antes das 13 horas em Cabul, Afeganistão, numa área densamente povoada e que continha muitos edifícios administrativos, incluindo uma sede da polícia.

O Ministério da Saúde Pública confirmou que pelo menos 63 pessoas foram mortas e 151 feridas após o ataque terrorista.

O Taliban assumiu a responsabilidade pela explosão,  de acordo com a 1 TV. [sic]

De acordo com relatos, o motorista de uma ambulância passou por um posto de controle depois que dizer à polícia que estava carregando um paciente.

Mas a polícia suspeitou quando o veículo chegou ao segundo posto de controle, onde a bomba explodiu.

O Talibã reivindicou a responsabilidade pela explosão uma semana depois de reivindicar um ataque ao Hotel Intercontinental em Cabul, onde mais de 20 pessoas foram assassinadas.

“É um massacre”, disse Dejan Panic, coordenador no Afeganistão para o grupo de ajuda Italiano Emergency, que administra um hospital de traumatologia localizado nas proximidades.

Em uma mensagem no Twitter, o grupo disse que só para esse hospital foram levados mais de 50 feridos.

Mirwais Yasini, membro do parlamento que estava perto quando a explosão aconteceu, disse que uma ambulância aproximou-se do posto de controle, perto de um escritório do High Peace Council e várias embaixadas estrangeiras, e em seguida explodiu….


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

AULAS DE ÁRABE ULTRAPASSAM INGLÊS E FRANCÊS NA SUÉCIA

Fonte/Source: Arabic Classes Overtakes English and French in Sweden


Na Alemanha, um tradutor Árabe disse que os migrantes Muçulmanos “querem que a Alemanha seja Islamizada. Desprezam o nosso país e os nossos valores.”

Diante disso, os dhimmis Alemães agora partem para o aprendizado da língua Árabe.


AULAS DE ÁRABE ULTRAPASSAM INGLÊS E FRANCÊS NA SUÉCIA

Por CHRIS TOMLINSON

17 de Janeiro 2018

Aulas de língua Árabe para adultos estão se tornando cada vez mais populares na Suécia, como diz uma importante federação de educação de adultos:  estudantes estão aprendendo mais Árabe do que Inglês ou Francês.

Paula Bronstein/Getty Image

A associação educacional Sueca Folkuniversitetet, que se concentra em cursos de línguas para adultos e projetos com “ênfase internacional”, viu um aumento no número de adultos interessados ​​em aprender Árabe, relatou a Sveriges Radio.

Anas Idlibi, que ensina o Árabe nos campi em Kristianstad e Hässleholm, disse que o número de aulas de Árabe aumentou drasticamente desde que começou a ensinar na associação.

“Comecei há dois anos com apenas um curso e agora receberemos nove cursos no próximo semestre”, disse Idlibi.

De acordo com Idlibi, uma das razões para o aumento dos alunos veio de profissionais como assistentes sociais e outros que lidam com migrantes recém-chegados.

“Temos pessoas que trabalham com serviços de integração, sociais e de emprego. Eles podem precisar de Árabe para serem mais eficazes em seus empregos”, disse ele.

Cristina Boldrini Tisci, que também trabalha no Folkuniversitetet em Kristianstad no departamento de negócios, disse que pensou que o motivo do aumento foi o aumento de migrantes de países de língua Árabe que vieram para a Suécia nos últimos anos.

“Talvez devêssemos aprender mais sobre a cultura Árabe para poder socializar. Então, está ficando maior e há mais interesse”, disse ela.

No tuite acima: “Político Verde: é hora de aprender Árabe e parar de se preocupar com a migração.”


Durante o auge da crise dos migrantes na Alemanha, o político de esquerda do Partido Verde Volker Beck argumentou que os Alemães deveriam aprender o Árabe para ajudar os migrantes recém-chegados a se integrarem. Beck foi fortemente criticado por outros políticos por suas observações e foi criticado pelas mídias sociais.

Apesar da reação contra os comentários de Beck, a língua Árabe conseguiu encontrar um caminho na vida Alemã.

Na véspera de Ano Novo, a política de migração anti-massa para a Alemanha (AFD), Beatrix von Storch, foi temporariamente suspensa do Twitter depois de comentar sobre o policial de Colônia lançando mensagens em Árabe em sua conta no Twitter dizendo: “Que diabos está acontecendo nesse país? Por que um site oficial da polícia está tuitando em Árabe? Você acha que isso irá apaziguar as hordas bárbaras e violentas dos homens Muçulmanos? ”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

MIGRANTES OU INVASORES MUÇULMANOS?

MIGRANTES OU INVASORES MUÇULMANOS?

Por Tião Cazeiro

14 de Janeiro de 2018

Migrantes esgotados lutam para se manterem à tona enquanto esperam pela guarda costeira. Mais de 171 mil tentaram chegar a Europa no Mediterrâneo no ano passado –  GUARDA COSTEIRA – Mediterranean claims first migrants of 2018 https://buff.ly/2mC2l6x

Compartilhei este vídeo divulgado pela ‘Patota da Direita‘ em 5 de Janeiro de 2017, vale a pena assistir novamente, é impressionante.

Em 2015 traduzi dois artigos denunciando a “FARSA: 80% Dos Refugiados Da Devastada Síria Não São Da Síria ” e “A Invasão da Europa e da América“. Vale conferir.

Quando os ativistas começaram a denunciar que isso era uma invasão Muçulmana, foram logo carimbados de ISLAMOFÓBICOS, RACISTAS, EXTREMA-DIREITA etc., e isso nada mais é do que uma barreira para você não criticar o avanço Islâmico global.

Hoje, vários líderes Europeus como o corajoso Presidente da Hungria Viktor Orbán, declaram abertamente que SIM, é realmente uma invasão Muçulmana orquestrada, como no passado, para conquistar a Europa. Vide: HUNGRIA: Migrantes Na Europa Não São Refugiados, São Invasores Muçulmanos

Quem impulsiona essa gente toda, quem os obriga atravessar o Mediterrâneo, mesmo correndo risco de vida? Já pensou nisso?

“Imigração jihadista Hejira ou Hijra (jornada ou migração) — é a migração de Muhammad (Maomé) e seus seguidores, de Meca para Yathrib, mais tarde renomeada por ele como Medina, no ano 622 DC. Isso aconteceu após a hijrah, quando Muhammad, pela primeira vez se tornou não somente um pregador de ideias religiosas, mas um político e líder militar.” — A Invasão da Europa e da América

Os verdadeiros refugiados, aqueles que realmente precisam de ajuda como os Cristãos perseguidos pela crueldade Muçulmana, foram deixados de lado para favorecer os invasores, claro, Mulculmanos. Vide Barack Obama em “Cristianismo de Obama: Ferramenta Política Para Silenciar Cristãos”.

O Brasil vai mudar, os migrantes (ou invasores?) estão chegando enquanto o Islam avança com seus camelos, e com a maior cara de pau divulga a meta de obter 20 milhões de Muçulmanos em 20 anos, como anunciou o sheik de uma mesquita em São Paulo.

O sonho dessa turma é transformar a América Latina numa filial do Oriente Médio e para isso não falta apoio no Brasil. Caso não tenha lido este artigo, vale a pena conferir: BRASIL: 40.000 TERRORISTAS EM 20 ANOS.

A meta de obter 20 milhões de Muçulmanos é altamente significativa e só poderá ser alcançada com a ajuda luxuosa dos migrantes Muçulmanos (ou invasores?)

Um milhão de novos Muçulmanos por ano, durante 20 anos, para alcançar à meta de terceira maior religião do Brasil, sendo que o Islamismo tem a missão de converter a todos pela persuasão ou pela força (militar)? E por isso é conhecido como ‘um empreendimento paramilitar totalitário’. Você já pensou nisso?

Esse é o sonho do esquema globalista e como vimos acima, uma meta desse porte e com tanta convicção deixa a impressão de que já está tudo combinado.

Por último, vou dar a palavra ao professor Olavo de Carvalho:

“Em suma: o único lugar em que se nega a existência do esquema global de poder é a mídia brasileira. É evidente que o grau de incultura e de ignorância necessário para isto transcende as dimensões do próprio globo terrestre.” — Palestra de Olavo de Carvalho no encontro com Jair Bolsonaro e Jeffrey Nyquist em Nova Iorque – Mídia Sem Máscara


Centenas De Muçulmanos Invadem Igreja Copta no Egito

Fonte/Source: Hundreds of Muslims Storm ‘Unlicensed Church’, Smashing Contents and Assaulting Christians


Raymond Ibrahim faz a seguinte pergunta — “O que levou os não-Muçulmanos a se converterem ao Islã, levando à criação do mundo Islâmico” — no artigo que traduzi para este blog intitulado ‘Como o Mundo Islâmico foi Forjado: Um Exercício de Senso Comum‘.

Dois excertos do artigo:

“E para demonstrar, usarei o Egito,  uma das mais importantes nações Muçulmanas e minha terra ancestral — como paradigma. Vou demonstrar como um fato histórico, do qual apologistas Islâmicos habitualmente se gabam  de que ainda existem milhões de Cristãos no Egito (aproximadamente 10% da população)  não é prova de tolerância Islâmica, mas sim de intolerância.

“No século VII, no tempo em que o Islã estava sendo formulado, o Egito já era Cristão há séculos, [1] bem antes da Europa ter sido convertida. A Alexandria era um dos mais importantes centros eclesiásticos da antiga aprendizagem Cristã e junto com Roma e Antioquia, uma das três (Santa Sé) originais. [2]  Muitas evidências literárias e arqueológicas em andamento atestam para o fato de que o Cristianismo permeou todo o Egito.


Centenas De Muçulmanos Invadem ‘Igreja sem licença’, Devastando Objetos E Agredindo Cristãos

Por BREITBART LONDON

23 de Dezembro 2017

Coptic

CAIRO (AP) — Centenas de manifestantes Muçulmanos invadiram uma igreja sem licença ao sul do Cairo, disse uma diocese Egípcia Copta Cristã no Sábado, no último ataque a membros da minoria Copta do país.

O incidente ocorreu após as preces de Sexta-feira quando manifestantes se reuniram fora do prédio e o invadiram. Os manifestantes cantaram slogans hostis e pediram a demolição da igreja, disse a diocese em Atfih. Destruíram os objetos da igreja e agrediram os Cristãos antes que a segurança privada chegasse e dispersasse os agressores.

Os feridos foram transferidos para um hospital próximo, mas não avisaram a polícia.

A igreja em Gizé, a sudoeste do centro de Cairo, ainda não foi sancionada pelo estado, mas há 15 anos vem conduzindo orações. A diocese afirmou que tinha oficialmente procurado legalizar o status do edifício de acordo com uma lei de 2016 que estabelece as regras para a construção de igrejas.

As autoridades locais muitas vezes se recusam a emitir licenças para construção de novas igrejas, temendo protestos dos conservadores Muçulmanos. Isso faz com que os Cristãos construam igrejas ilegalmente ou criem igrejas em outros edifícios. Por outro lado, construir uma mesquita resulta em poucas restrições.

Os Cristãos constituem 10 por cento da população maioritariamente Muçulmana do Egito. A violência sectária ocasionalmente entra em erupção, principalmente nas comunidades rurais do sul.

A minoria Cristã do Egito tem sido frequentemente alvo de militantes Islâmicos numa série de ataques desde Dezembro de 2016, que deixaram mais de 100 mortos e feridos. O país está sob o estado de emergência desde Abril, depois que atentados suicidas atingiram duas igrejas Cristãs Coptas no Domingo de Ramos num ataque reivindicado pelo afiliado Egípcio do grupo do Estado Islâmico.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Comemorar Ano Novo E Cortar Bolo “Não é Legitimado Pelo Islam”

Fonte/Source: India: Muslim cleric says celebrating New Year and cutting cake is “not legitimate in Islam”


A cada dia que passa fica mais claro que a única coisa unânime e legítima no Islã é encher o saco dos outros. Tudo é proibido, menos a insanidade Islâmica coletiva e o hábito de enganar o Ocidente via taqqyia. Agora contam, infelizmente, com o apoio de alguns Hindus alucinados como vocês irão ver adiante. Sempre a mesma conversinha, proibir tudo para dominar tudo. É o “povinho das necessidades especiais.”— Tião Cazeiro


Índia: Muçulmano Diz Que Comemorar Ano Novo E Cortar Bolo “Não é Legitimado pelo Islã”

POR ROBERT SPENCER  

23 de dezembro de 2017

Um clérigo Hindu concorda: é um costume Inglês que não deve ser assimilado na Índia por uma questão de integridade cultural. Para Maulana Mufti Tariq Quasmi, no entanto, isso é parte do desdém por todas as atividades dos incrédulos, que são os “as piores criaturas!“.

Alcorão 98:6 
“Honestamente falando, aqueles que não creem 
(na religião Islâmica, no Alcorão 
e no Profeta Maomé) 
entre eles o Povo do Livro 
(primordialmente Judeus e Cristãos) 
e demais descrentes, 
terão que aceitar o Fogo do Inferno. 
Eles são as piores criaturas”.

“Cortar bolos não é Islâmico, diz o clérigo Muçulmano sobre a celebração do Ano Novo; o clérigo Hindu concorda”, por Rajat Rai, Índia Today 23 de Dezembro de 2017:

Raramente os líderes Hindus e Muçulmanos concordam. Desta vez, Deoband em Uttar Pradesh fez uma surpresa quando os clérigos Muçulmanos de Darul Uloom e um pandit (Hindu erudito) da mesma cidade expressaram sua preocupação com relação à comemoração de Ano Novo.

Cortar bolo, curtir e se alegrar faz parte da comemoração de Ano Novo. No entanto, Maulana Mufti Tariq Quasmi disse que a prática de cortar bolos não é Islâmica. “Isso não é legitimado pelo Islam”, disse ele.

Quasmi sente que Muçulmanos e aqueles que praticam devem ficar longe dessas tais práticas e respeitar as práticas do Islam.

“Nosso novo ano começa no mês de Moharram. Não temos objeção contra as pessoas de outras religiões que seguem essas práticas, mas os Muçulmanos, especialmente a juventude, devem evitar essas coisas”, acrescentou Quasmi.

Recentemente, o Darul Ulum em Deoband proibiu o uso de smartphones no campus. De acordo com os clérigos, os smartphones dificultam os estudos e tornam os alunos menos atentos…

Surpreendentemente, as observações e sugestões de Quasmi também foram apoiadas por sacerdotes Hindus na mesma área em Uttar Pradesh….

“Nossos jovens não devem seguir os costumes Ingleses cegamente. Eles devem ter conhecimento básico de sua religião”, acrescentou Sharma.

Nota: Não deixe de ler este artigo, imperdível: RAYMOND IBRAHIM: A HISTÓRIA DA ‘DEMONIZAÇÃO’ DE MUHAMMAD


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

‘SIM, ELES NOS ODEIAM. ISTO DEVE SER DITO’

 Fonte/Source: Fiqh-us-Sunnah, Volume 1: Purification


‘SIM, ELES NOS ODEIAM. ISTO DEVE SER DITO’

 Por Tião Cazeiro

23 de Dezembro de 2017

“O diabo mora nos detalhes”, diz um velho provérbio. 


Alcorão: 33.50
“Ó Profeta, em verdade, tornamos lícitas,
para ti as esposas que tenhas dotado,
assim como as que a tua mão direita possui (cativas),
que Alá tenha feito cair em tuas mãos,
as filhas de teus tios e tias paternas,
as filhas de teus tios e tias maternas,
que migraram contigo, bem como toda a mulher fiel
que se dedicar ao Profeta, por gosto,
e uma vez que o Profeta queira desposá-la;
este é um privilégio exclusivo teu,
vedado aos demais fiéis.
Bem sabemos o que lhes impusemos (aos demais),
em relação às suas esposas
e às que suas mãos direita possuem (cativas),
a fim de que não haja
inconveniente algum para ti.
E Alá é Indulgente, Misericordioso.” [Ênfase adicionada]

Nota: O versículo acima foi trasncrito — ipsis litteris, exceto a ênfase adicionada,—  do site da Comunidade Islâmica da Web. 

Leiam os hadiths abaixo e percebam outros detalhes

Tradução: ‘SIM, ELES NOS ODEIAM. ISTO DEVE SER DITO’

Esse texto foi transcrito do site Islambasics.com. 


A Sharia dividiu a água em quatro tipos:

-1- água mutlaq, [trad., absoluto, ilimitado, irrestrito]

-2- água usada (para purificação),

-3- água misturada com elementos puros e

-4- água misturada com elementos impuros. Devemos discutir cada um deles separadamente.


Volume 1, Página 6b: Tipos de impurezas

Najasah refere-se à substâncias impuras que o Muçulmano deve evitar e lavar em caso de contaminação de suas roupas, corpo e assim por diante. Diz Alá no Alcorão: “Purifique suas vestes” (alMudathar 4); e “Alá ama aqueles que se arrependem e se purificam” (al-Baqarah 222). O Mensageiro de Alá também disse: “A pureza é metade da fé”.

Volume 1, Página 9a: Vômitos de uma pessoa, urina e excremento

Há um consenso entre os estudiosos de que esses objetos são impuros. Mas, uma pequena quantidade de vômito (comumente entendido como uma pequena quantidade de líquido) e a urina de bebês do sexo masculino em fase de amamentação é negligenciada e perdoada. Basta apenas salpicar água sobre a urina de um bebê do sexo masculino em fase de amamentação. [Ênfase adicionada]

Isto é baseado no hadith de Umm Qais:

Ela veio ao Mensageiro de Alá com seu filho ainda não desmamado. Depois de um tempo, o bebê urinou no colo do Profeta. O Profeta, que a paz esteja com ele, pediu um pouco de água e salpicou sobre suas roupas, mas não as lavou completamente. [Ênfase adicionada]

Isto é mencionado por al-Bukhari e Muslim:

‘Ali narrou que o Mensageiro de Alá disse: “A urina de um bebê do sexo masculino deve ser salpicada com água. A urina de um bebê do sexo feminino deve ser lavada completamente“.

Diz Qatadah: “Isto se refere a um bebê do sexo masculino que ainda não começou a comer. Se ele já come, então a roupa deve ser lavada completamente”. [Ênfase adicionada]

Este hadith é mencionado por Ahmad, Abu Dawud, at-Tirmizhi e Ibn Majah. Em al-Fath, Ibn Hajr diz que segue sahih.

Basta salpicar desde que o menino ainda esteja amamentando. Se ele já come alimentos sólidos, sua urina deve ser lavada das roupas e do corpo. Não há desacordo sobre este último ponto. Talvez o motivo dessa isenção para a urina do bebê masculino seja porque as pessoas tendem a carregar seus bebês do sexo masculino a todos os lugares, e seria difícil limpar as roupas devido a urinação frequente. [Ênfase adicionada]

Volume 1, Página 11a: Urina e fezes de animais permitidos para serem ingeridos 

Ambos são considerados impuros. Ibn Mas’ud relatou que o Mensageiro de Alá, que a paz esteja com ele, foi responder o chamado da natureza. Ele pediu ‘Abdullah ibn Mas’ud para trazer três pedras. “Abdullah disse:” Eu não consegui encontrar três pedras, mas encontrei duas pedras e esterco animal e as trouxe para ele. Ele pegou as duas pedras e jogou fora o estrume dizendo: “É impuro”.

O hadith é mencionado por al-Bukhari, Ibn Majah e Ibn Khuzaimah. Em uma narração, afirma: “É impuro. É o estrume de um jumento”. No entanto, uma pequena quantidade disso é perdoada, pois é muito difícil se proteger completamente. Al-Waleed ibn Muslim diz: “Eu disse a al-Auza’i, ‘E sobre a urina dos animais cuja carne é imprópria, como a mula, o jumento e o cavalo?’ Ele disse que costumavam entrar em contato com esses durante suas batalhas, mas que não lavavam de seus corpos ou roupas. Quanto à urina e fezes de animais cuja carne é permitida, Malik, Ahmad e um grupo de Shaifiyyah dizem que são puros. Comentando sobre o assunto, Ibn Taimiyyah diz: “Nenhum dos companheiros considerou impuro. Na verdade, a afirmação de que é impuro é de origem recente e não das primeiras gerações dos companheiros”. [Ênfase adicionada]

Clique na imagem para ler o artigo “SAUDITAS FECHAM LOJA DE URINA DE CAMELO: PROPRIETÁRIO VENDIA SUA PRÓPRIA URINA”

Disse Anas: “Um grupo de pessoas das tribos de Ukul ou Uraina chegou a Medina e ficou doente do estômago. O Profeta ordenou-lhes que conseguissem leite de camelo fêmea e bebessem uma mistura de leite e urina”. Este hadith é mencionado por Ahmad, al-Bukhari e Muslim, e indica a urina de camelo como sendo pura. Portanto, por analogia, a urina de outros animais permitidos também podem ser consideradas puras. Diz Ibn al-Munzhir, “Aqueles que afirmam que isso só era permitido para essas pessoas estão incorretos. A especificação só é confirmada por algumas provas específicas”. Ele também diz: “Os estudiosos permitem, sem qualquer objeção, a venda de fezes de ovelhas e o uso da urina de camelo em seus remédios, tanto no passado como no presente, novamente sem qualquer objeção. Isso mostra que são considerados puros.” Diz ash-Shaukani: “Aparentemente, a urina e as fezes de todos os animais vivos permitidos para alimentação são puras.” Não há nada que prove o contrário. [Ênfase adicionada]


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Ataque Com Ácido e ‘No Go Zones’ em Londres

Fonte/Source: Acid Attack ‘No Go Zones’ in London, Admits Labour MP


O conluio da esquerda com o Islam não tem limite quanto à crueldade. A esquerda tanto no Reino Unido como no Brasil atua contra a população. Traduzi este artigo só para vocês verem a esquerda acusando a direita de inventar a existência de No Go Zones em Londres, consequentemente negando o envolvimento das gangues Islâmicas em ataques com ácido. Sim, existiu e ainda pode existir ataques com ácido perpetrados por outros demônios, mas quando se trata de formação de No Go Zones e um aumento de 500% em ataques com ácido a dúvida desaparece. A polícia de Londres tenta esconder para não sensibilizar ‘o povo das necessidades especiais’, assim como fizeram com as gangues muçulmanas de estupro que arruinaram a vida de mais de 1400 crianças inclusive através de drogas pesadas. Os nervos estão pinçados e isso pode levar a uma guerra civil violentíssima. —  Por Tião Cazeiro


Ataque Com Ácido e ‘No Go Zones’ em Londres

Por LIAM DEACON

21 de Dezembro 2017

police

A frequência de ataques com ácido em Londres transformou partes da capital Britânica em “No GO Zones”, disse um ex-ministro do Trabalho.

O Reino Unido tem “a maior taxa de ataques per capita” no mundo, afirmou Stephen Timms, parlamentar trabalhista do East Ham, em comentário aos colegas deputados relatado pelo Daily Mail.

Estimativas mostram que o número de ataques com ácido na Grã-Bretanha aumentou entre 2012 e 2016 em mais de 500 por cento. Havia apenas 73 ataques registrados em 2012, mas houve um aumento massivo chegando a 469 casos em 2016.

“O Reino Unido agora tem uma das maiores taxas de ataques de substâncias corrosivas per capita do mundo e esse número parece estar aumentando”, admitiu a Assistente Chefe Policial Rachel Kearton, o Conselho-Chefe da Polícia Nacional (NPCC) conduziu as investigações sobre ataques com ácido, no início deste mês.

Alguns esquerdistas argumentaram que as No Go Zones são uma invenção da direita, no entanto, elas foram extensivamente documentadas por jornalistas que investigaram o problema e as visitaram.

Políticos haviam debatido o problema do Reino Unido sobre ataques com ácido na Quarta-feira, e o Sr. Timms exigiu que o governo tomasse “ações significativas”.

Ele disse: “Eu tive uma série de discussões com representantes de motociclistas de entrega e eles disseram que agora existem regiões em Londres, onde seus motociclistas não estão dispostos a irem por causa do perigo de ataque.

“Eu acho que todos nós consideramos inaceitável que existam No Go Zones em partes de Londres e partes do Reino Unido. Eu acho que isso exige uma ação significativa para lidar com o problema”.

O crime em toda a Inglaterra e País de Gales cresceu 13 por cento no ano que terminou em Junho deste ano, com o crime violento disparando ainda mais acentuadamente. As infrações de violência contra a pessoa, por exemplo, aumentaram 19% em relação ao ano anterior.

A parlamentar trabalhista do West Ham Lyn Brown juntou-se ao Sr. Timms em seus apelos à ação durante o debate, exigindo uma regulamentação muito mais rigorosa.

Ela afirmou que os passos iniciais para combater os ataques com ácido “foram positivos”, acrescentando: “as mudanças foram feitas por lei em 2015 como parte da Lei de desregulamentação, queimando a burocracia.

“O Ato destruiu a obrigação de que vendedores de substâncias perigosas, inclusive ácidos, sejam registrados no conselho local.

“Isso aconteceu apesar da oposição dos especialistas médicos, bem como do próprio conselho consultivo do governo sobre substâncias perigosas. Temo que essas mudanças sejam parcialmente responsáveis ​​pelo aumento dos ataques com ácido”.

Em Agosto, a polícia de Londres disse que identificou “links emergindo” entre o crime violento de gangues na cidade e o aumento dos ataques com ácido e com motocicleta na área de Londres.

Gangs e grupos de crime organizado estavam utilizando cada vez mais líquidos corrosivos como arma, disse a Força Metropolitana de Londres.

O editor-chefe da Breitbart London, Raheem Kassam, escreveu um livro sobre No Go Zones, que pode ser encontrado aqui.

COMPRE AGORA

Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

BRASIL: 40.000 TERRORISTAS EM 20 ANOS

BRASIL: 40.00O TERRORISTAS EM 20 ANOS

Por Tião Cazeiro

16 de Dezembro de 2017

Na foto, a direita, vemos o Xeique Mohammad Al-Arifi, professor na Universidade Rei Saud e notório promotor da Jihad e do Wahabismo (e banido da Grã-Bretanha!). Este xeique visitou a Liga Juventude Islâmica Mesquita do Pari (LJIMP), localizada na cidade de São Paulo, fato este noticiado pela própria página do Facebook da LJIMP, dia 26 de Janeiro de 2016 (leia aqui e aqui). (Agradecimento à Lei Islâmica em Ação).

A famosa ativista Libanesa-Americana, Brigitte Gabriel, estima que mais de 20% dos Muçulmanos no mundo são radicais e que é praticamente impossível identificar esse grupo do restante da população Muçulmana.

De fato, a maioria dos experts não concordam com esse número. De qualquer forma, Raymond Ibrahim, autor do best seller Al Qaeda Reader entre outros, e expert em Oriente Médio e Islamismo, explica isso muito bem no vídeo inserido no final deste artigo.

Mas primeiro, vou adiantar aqui uma pequena parte do vídeo, para podermos raciocinar a partir de um detalhe importantíssimo que mostrarei mais adiante. Raymond diz o seguinte:

“Ninguém sabe ao certo, mas podemos fazer alguns cálculos conservadores. Há aproximadamente 1.5 bilhão de Muçulmanos no mundo. Mas quantos são Islamistas? (Radicais Islâmicos ou terroristas) …. Se apenas 10% forem Islamistas, e a porcentagem provavelmente é maior, temos então 150 milhões de pessoas. Entre elas, quantas estão dispostas a tomarem atitudes violentas parar avançar a causa Islâmica?

“Estamos falando aqui da Al Qaeda, Estado Islâmico, Talibã, Hamas, Hezbollah, Boko Haram, Al-Shabaad entre outros grupos que enviam homens-bomba aos mercados, explodem carros-bomba em funerais, jogam ácido no rosto de garotas que vão à escola, assassinam irmãs ou filhas que desafiam a vontade do pai ou do irmão ou lançam aviões sequestrados em edifícios etc.”

“Este é um número muito difícil de ser ignorado. Então vamos novamente ser cautelosos e estimar que a porcentagem seja apenas 2% sobre esses 150 milhões. Ainda assim são 3 milhões de pessoas, 3 milhões de terroristas em potencial organizados por uma ideologia em comum e apoiados por muitas outras. A boa notícia é que centenas de milhares de Muçulmanos não são Islamistas radicais.”

Nota: Alguns autores discordam do termo “Islamista”, porque consideram que o Alcorão per se já é radical. De qualquer forma ela ajuda aos que ainda não estão familiarizados com o Islã.

Estou citando isso tudo porque um detalhe passou despercebido por muitos no vídeo publicado pela Mesquita Brasil. Quando o presidente da SBM, Sociedade Beneficente Muçulmana do Brasil, Nasser Fares, anuncia os projetos do Islamismo para os próximos 20 anos, além das cinco escolas Islâmicas e outras mesquitas que pretende criar em São Paulo, e a ampliação da divulgação do Islã no Brasil, esse detalhe surge como uma bomba, a meta de conseguir 20 milhões de Muçulmanos nos próximos 20 anos. Assista ao vídeo.

Uma perguntinha ligeira, de onde vem o financiamento para montar esse exército? Arábia Saudita?

Se a princípio calcularmos 10% de Islamistas ou radicais, teremos 2 milhões deles no Brasil em 20 anos. Mesmo sendo cauteloso e estimando a porcentagem em 2% apenas sobre esses 2 milhões, teremos 40.000 terroristas no nosso Brasil em 20 anos, prontos para explodir não só shopping centers como um estágio de futebol através de drones como vários jornais da Europa já estão noticiando. E mais, é permitido que cada Muçulmano tenha 4 mulheres, e em alguns casos chegam a ter 20 filhos numa única ‘família e apoiados na previdência social, como acontece na Europa.

Resultado de imagem para drone used by terrorist

O que fazer diante desses números? Qual o caminho mais curto para resolver esse problema rapidamente? Por que a sociedade se comporta como um avestruz, enfiando a cabeça no buraco?

O Brasil é o segundo maior país Cristão do mundo e o Islã já assassinou mais de 60 milhões de Cristãos ao longo de treze séculos. Será que isso ainda não é o suficiente?

Robert Spencer, Diretor da Jihad Watch, provavelmente o scholar mais famoso do mundo hoje em dia, em seu vídeo “Por que o ISIS ameaçou decapitar o ‘Papa do Islã‘?” disse o seguinte:

“….. Agora o Estado Islâmico (ISIS) pediu a cabeça do papa. Se esse papa perdesse a cabeça alguém iria notar? Ele é uma desgraça para a igreja, para a civilização Judaico-Cristã e para o mundo o livre.”

Quem disse que a população Brasileira não tem o poder e o direito de rejeitar o Islã no Brasil? De fechar as mesquitas, de expulsar do país aquilo que o irá destruir, como está acontecendo na Europa por exemplo. Sim, existem muitos Muçulmanos pacíficos, mas o Islã Político é um problema, assim como o Nazismo entre outros.

Benjamin Netanyahu: 
“Nós Já Vimos Isso Antes. 
Há Uma Raça Superior; 
Agora Há Uma Fé Superior.”

Há mais de treze séculos o Islã persegue Cristãos e Judeus entre outros, impiedosamente. O Islã invadiu o Brasil e está impondo uma agenda que muitos classificam como um “empreendimento paramilitar totalitário” com vistas a transformar o Brasil numa ‘República Islâmica’ onde Cristãos e Judeus se não forem assassinados terão que submeter-se à Sharia e viver subjugados à dhimmitude. E aqueles que não acreditam nisso estão redondamente desinformados, não conhecem a história do Islã e sua missão universal de converter a todos pela persuasão ou pela força (militar).

O Islã não se integra às sociedades que os recebem; não existe Muçulmano Brasileiro e sim Muçulmano no Brasil. É uma invasão a longo prazo e irão tomar o poder custe o que custar e o tempo que levar. Até onde eu sei, ninguém conseguiu monitorar as mesquitas e o que é ensinado nelas. Tudo acontece nelas, é o quartel general.

Advogados, Juristas, Políticos, Filósofos, intelectuais, líderes religiosos etc. que percebem o que estou dizendo, aliás, o que o mundo todo está alertando, que o Islã está antagonizando o mundo inteiro, precisam ajudar o Brasil, precisam colaborar parar afastar de vez esse conluio da esquerda com o Islã, e assessorar o país para que as mesquitas e o ensino religioso Islâmico sejam proibidos de uma vez por todas no Brasil ou o futuro será o desastre.

Não podemos deixar para depois, para quando não tiver mais solução. Não vamos deixar a conta para as futuras gerações, elas com certeza irão julgar a nossa covardia.

 

TRUMP, ERDOGAN E A ONU

Fonte/Source: ERDOGAN: TURKEY SEEKING TO ANNUL TRUMP DECISION ON JERUSALEM AT UN


Por Tião Cazeiro

Recentemente traduzi dois artigos essenciais para a compreensão do conflito gerado pelo reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel:

  1. TRUMP, JERUSALÉM: UM DURO GOLPE NO TERROR
  2. Eurabia e a Traição à Israel: uma entrevista com Bat Ye’or

Um exemplo, um amigo Cristão escreveu hoje no Facebook que a decisão do Trump pode prejudicar os Cristãos, ou seja, a perseguição aos Cristãos pelos Muçulmanos aumentará por causa da decisão do Trump. Por vingança? Por causa de Jerusalém? Não acredito nisso. Ela acontecerá de qualquer forma porque já vem acontecendo há mais de treze séculos.

Esticando um pouco esse raciocínio, se mais de 50 países Islâmicos se levantaram contra Jerusalém ser reconhecida como a capital de Israel, —uma decisão que já tinha sido anunciada e prometida por Bill Clinton, Bush e Obama, mas não oficializada, — então isso mostra que a decisão do Trump está correta, até porque tudo que os “mais de 50” gostariam de ver é Israel varrida da face da terra junto com os EUA, mas como isso não vai acontecer…

“Não se trata de um “pedaço de terra aqui ou ali”, como esclarece o principal juiz da Sharia para a Autoridade Palestina (PA): é uma guerra religiosa.” — TRUMP, JERUSALÉM: UM DURO GOLPE NO TERROR

“Existe uma correlação direta entre a ignorância Ocidental da história e a ignorância Ocidental das doutrinas “problemáticas” do Islã. É essa conexão que permite aos apologistas do Islã escaparem com tantas distorções e mentiras definitivas destinadas a proteger o Islã.” — UMA ‘FOBIA’ DE 1.389 ANOS DE IDADE?

E o que dizer sobre o Irã, onde o regime do Aiatolá Khomeini obriga os seus cidadãos a cantar “Morte à América” toda Sexta-feira?

Não há outra alternativa ao mundo livre Ocidental que não seja enfrentar essa situação de uma vez por todas ou então seremos subjugados à supremacia Islâmica. O Islã decretou guerra ao Ocidente há muito tempo. Vide Erdogan, que se já se posiciona como um Califa.

Resultado de imagem para bowing to erdogan´s feet
Presidente da Turquia Tayyip Erdogan

ERDOGAN: TURQUIA PROCURA ANULAR NA ONU,  A DECISÃO DE TRUMP SOBRE JERUSALÉM 

Por REUTERS

15 DE DEZEMBRO DE 2017

“Trabalharemos para a anulação dessa decisão injusta primeiramente no Conselho de Segurança da ONU, e se um veto vier de lá, a Assembléia Geral”, disse o Presidente Turco, Tayyip Erdogan.

Demonstrators shout slogans during a protest against U.S. President Donald Trump's recognition of Je
Manifestantes Gritam Slogans Durante Protesto Contra O Reconhecimento Do Presidente Dos EUA Donald Trump De Jerusalém Como Capital De Israel, Em Istambul, Turquia, em 8 de Dezembro de 2017 (Photo credit: REUTERS/OSMAN ORSAL)

ANKARA – A Turquia lançou uma iniciativa nas Nações Unidas para anular a decisão dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, disse o Presidente Tayyip Erdogan nesta Sexta-feira.

Erdogan, dois dias após a reunião dos líderes Muçulmanos em Istambul, falou que condena a decisão do Presidente dos EUA, Donald Trump, e pediu ao mundo que respondesse reconhecendo Jerusalém Oriental como a capital da Palestina.

“Trabalharemos para a anulação dessa decisão injusta primeiramente no Conselho de Segurança da ONU, e se um veto vier de lá, a Assembléia Geral”, disse Erdogan às multidões reunidas em Anatólia, Konya, via teleconferência.

“EUA é um membro permanente do Conselho de Segurança com poderes de veto, o que significa que qualquer mudança para revogar a decisão de Washington no conselho certamente será bloqueada.

Jerusalém, reverenciada por Judeus, Cristãos e Muçulmanos, é o lar do terceiro lugar mais sagrado do Islã e tem estado no coração do conflito Israel-Palestino há décadas. Israel capturou o leste de Jerusalém em 1967 e depois o anexou numa ação não reconhecida internacionalmente.”

Erdogan da Turquia disse que os EUA são parceiros no derramamento de sangue com a decisão sobre Jerusalém, 11 de Dezembro de 2017.

A decisão de Trump rompeu com décadas de política dos EUA e com o consenso internacional de que o status da cidade deve ser deixado para as negociações Israel-Palestina, levando a severas críticas dos países Muçulmanos e dos aliados Europeus mais próximos de Israel, que também rejeitaram a decisão.

Um comunicado emitido após a reunião de cúpula dos mais de 50 países Muçulmanos, incluindo aliados dos EUA, disse que consideraram a mudança de Trump como uma declaração de que Washington estava se retirando do seu papel de “patrocinador da paz” no Oriente Médio.

Perguntado sobre a crítica durante uma entrevista ao jornal Israelense Makor Rishon, o Embaixador dos EUA em Israel disse que Donald Trump fez “o que é bom para a América”.

“O Presidente Trump … não pretende voltar atrás, apesar das várias condenações e declarações”, disse o embaixador David Friedman.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis