Arquivo da tag: Islamismo

O DESASTRE BRASILEIRO

O DESASTRE BRASILEIRO

Por Tiao Cazeiro

16 de Janeiro de 2018

Imagino que a próxima geração assistirá cenas como esta:

Duas amigas se encontram em pleno verão da República Islâmica Brasileira

— Como vai? Como está o seu filho?

— Estou bem obrigada. Ele está ótimo… tá lá com aquele blog falando sobre os muçulmanos, criticando a coisa toda. Estou muito orgulhosa dele. Os muçulmanos adoram ele, é muito querido pelos sheiks, principalmente os de São Paulo.


“Confiança dos países árabes no agronegócio brasileiro rendeu quase US$ 4 bilhões apenas em exportações de carne halal. Método segue os padrões da religião muçulmana” — Brasil é o ‘açougue’ preferido de países árabes mulçumanos https://buff.ly/2mLfNVz


BENJAMIM NETANYAHU: “NÓS JÁ VIMOS ISSO ANTES. HÁ UMA RAÇA SUPERIOR; AGORA HÁ UMA FÉ SUPERIOR.”


Tendo dito, antes que você critique o que vou dizer aqui, tenha em mente duas coisas. Primeiro, a vida é curta, e euzinho, não tenho tempo a perder. Segundo, se você duvidar do que estou dizendo é porque você é um mau caráter, e tipos como você, que querem proteger o indefensável, por interesse próprio, merecem os confins do inferno, e por lá ficar, até você deixar simplesmente de existir.

Não vou embora desse mundo sem dizer a verdade sobre a podridão que envolve o universo Islâmico e o seu falso profeta pedófilo. Ponto.

Alá (Allah) é uma outra história, e há quem diga que Ele matou Muhammad. A ideia de que uma Judia fez o serviço sujo já está descartada, essa história foi manipulada para acusar os Judeus. Ponto, sim, ponto de novo e ponto mais uma vez.

Portanto, o que vou dizer é fato, comprovado e um alerta ao meu querido país, para que os meus filhos e o seus tenham um futuro e não a escravidão sob um regime que na verdade é um tremento de um empreendimento paramilitar totalitário, sanguinário e ABSOLUTAMENTE INSANO, pura máfia e um bando de inconscientes que são e que irão apodrecer no inferno.

Sim, existem pessoas boas no Islam, mas me refiro ao Islam político, aos demônios por trás da global jihad e suas estratégias de controle mundial, e que moram nos textos sagrados do Islam.

Uma pergunta pertinente: não está na hora dessas “pessoas boas” abandonarem o Islam? Ou não são tão boas assim?

Este artigo publicado no site AgroNegócio, vide link, mostra o grau de comprometimento que o Brasil já possui e duvido que conseguirá se livrar disso senão através de uma guerra civil.

O mundo já sabe que as ‘associações certificadoras’ do sistema halal também financiam o terrorismo Islâmico mundial. A Austrália sabe muito bem disso, mas aqui no Brasil acaba em churrasco:

“Vamos participar em fevereiro da Gulfood, em Dubai, a maior feira de alimentos do Oriente Médio e a segunda do mundo”. Lá será promovido um churrasco, e posteriormente outro evento será realizado em Abu Dhabi, no Brazilian Festval.”

“Começamos [os abates halal] após uma demanda do Oriente Médio, então buscamos uma unidade certificadora, para atendermos aos requisitos tanto de religião quanto de rotulagem. Foi uma transição tranquila, sem muita burocracia. Uma das questões era a sangria ser voltada para Meca, o que exigiu uma adaptação do abatedouro. A cada três meses, recebemos um supervisor da certificadora, mas já tivemos visitas da Arábia Saudita e do Iraque, em missões veterinárias que verificam aspectos não só de religião, como de qualidade”, comenta Walter Jark Neto, gerente de qualidade, liberação e aprovação da Frangos Pioneiro. [Ênfase adicionada]

O mundo já sabe que tudo isso nada mais é do que forçar os ‘dhimmis a pagarem a conta’ para viabilizar o terrorismo internacional, a global jihad. Não adianta me processar por ter dito isso, já é dito na mídia internacional, a Austrália já criou leis para afastar esse tipo de abuso. Isso nunca existiu no Islam, é uma criação recente para arrecadar fundos para o TERRORISMO ISLÂMICO, com vistas a conquistar o mundo, MISSÃO MUÇULMANA. PONTO E PONTO.

“Os países árabes nunca deram tanto lucro ao Brasil como em 2017”

Frases como esta dão calafrios nas pessoas, como este que vos fala, pela inconsciência pública impulsionada pela mainstream mídia, de que o Islam é a solução, e a cultura Judaico-Cristã precisa ser enterrada definitivamente e para sempre.

Como podem ser tão arrogantes e insanos? Os agentes envolvidos, principalmente “o Ministério da Agricultura, as associações certificadoras, frigoríficos e câmaras de comércio” seriam processados se este país tivesse alguma consciência do perigo extremo que isso representa para milhões de Cristãos, ou melhor, para toda a população não-muçulmana brasileira.

Criminosos que são, bancados por políticos que afundaram este país, o universo árabe entre outros estão comprando por migalhas e oferecendo promessas estapafúrdias de um progresso de cooperação e diálogo inter-religioso, os quais são pura taqqyia, pura sandice.

O papa Francisco deu o aval necessário para que uma invasão Islâmica no Brasil aconteça, já que defende o Islam, e pasmem, com o auxílio luxuoso dos padres comunistas brasileiros. A apatia geral Cristã está diante do precipício, e não tem a mínima ideia do tamanho da tragédia que estão cavando.

Não sou Católico, fui batizado no Catolicismo, mas não frequento a igreja. Há anos participo de reuniões espíritas em prol da caridade num centro de Umbanda. Uma experiencia a mais na minha vida.

Tenho tudo para não gostar dos Cristãos porque discriminam o espiritismo. E no entanto, há anos defendo os Cristãos, alertando para o infortúnio que, — o Islam e o Comunismo, as ideologias mais nefasta do planeta, — destruirá o Brasil.

Quando a população Islâmica aumentar e atingir um percentual suficiente irá explodir com tudo pra cima da população até transformar este país na República Islâmica do Brasil. Isso acontece HOJE no Oriente Médio e em outras partes como o Canadá e o Reino Unido etc.

Os relatórios da Perseguição Muçulmana aos Cristão’ são a prova final de que o Islam é DESTRUTIVO, não se integra e vai destruir o Brasil custe o que custar.

A insanidade tem um preço, todavia, para os muçulmanos, explodir a si mesmos para entrar no paraíso, é fácil, pois já têm um “chip” implantando na sua cabeça de camarão inconsciente. Sem ofensas ao camarão, please.

Para o restante, os não-muçulmanos, restará a dor de ver as pessoas queridas, inocentes, sendo mortas, em nome de Alá e Muhammad, que casou com uma criança de 6 anos de idade, consumindo o casamento quando ela atingiu 9 anos, e ele com 54. Um pedófilo, e não tem desculpas.

O que vocês tem na cabeça além da insanidade? Quantas vidas vocês irão tirar para o Islam viver em paz?

Caso consigam dominar o mundo, ainda terão que espancar uns aos outros: Sunitas versus Xiitas, e depois? Bem, pode ser que um xiita gênio de São Paulo tenha alguma ideia brilhante, como beber mijo de camelo.

Vocês é que são as piores criaturas que a humanidade produziu e irão amargar eternamente na inconsciência, no fundo da terra, no UMBRAL.


Alcorão 98:6                          

“Honestamente falando,
aqueles que não creem
na religião Islâmica, no Alcorão
e no Profeta Muhammad/Maomé)
entre eles o
Povo do Livro (Judeus e Cristãos)
e demais infiéis,
terão que aceitar o
Fogo do Inferno.
Eles são as piores criaturas”.


 

Anúncios

Cristãos “Abatidos Como Frangos”

Fonte/Source: Christians ‘Slaughtered Like Chicken’: Muslim Persecution of Christians, July 2017 – Raymond Ibrahim


Cristãos “Abatidos Como Frangos”: Perseguição Muçulmana aos Cristãos

Por Raymond Ibrahim

18 de Dezembro de 2017

Gatestone Institute

Luc Ravel, o Arcebispo Católico Romano de Estrasburgo “foi contra o caráter dos líderes da Igreja na França, que permaneceram em grande parte politicamente corretos”, diz um relatório, porque criticou “a mudança demográfica na França, dizendo que os Muçulmanos estão tendo muito mais filhos que os nativos Franceses e criticou a “promoção” generalizada do aborto.” E disse mais: “Os fiéis Muçulmanos sabem muito bem que a sua natalidade é tal que hoje em dia, chamam isso de… a Grande Reposição, e falam de uma maneira muito calma e muito positiva, “um dia tudo isso, será nosso”.

Outro líder Cristão, enquanto discutia sobre o Sudão em particular, mencionou o que os Cristãos em todo o mundo Muçulmano estão enfrentando, e o motivo. “O governo no Sudão quer Islamizar toda a população e quer acabar com o Cristianismo e outras religiões no Sudão”, diz o Pastor Strong. “Nós temos que pressionar o governo para que os direitos das pessoas de praticarem a sua fé abertamente sejam dados a eles.” Para conseguir isso, precisam do apoio da “Igreja global”, acrescentou, porque “estão envolvidos em provações, perseguição, fome — um monte de problemas. E, no entanto, no meio de tudo isso, eles se alegram. Estão sempre prontos para morrer, e testemunhar sua fé em todas as circunstâncias. Estão dispostos a servir, não importa o que tenham ou possam vir a perder.”

A reunião de Julho sobre a perseguição Muçulmana aos Cristãos em todo o mundo inclui, mas não se limita às seguintes informações:

Massacre Muçulmano de Cristãos

Paquistão: Em dia 24 de Julho, um homem-bomba Islâmico se explodiu numa área fortemente povoada por Cristãos. Pelo menos 26 pessoas foram mortas. De acordo com Bruce Allen, um ativista de direitos humanos, “O que a mainstream mídia não relata é que essa é a segunda maior colônia Cristã no Paquistão, onde a explosão ocorreu”, apenas dois quilômetros e meio aproximadamente de onde os “pastores do Paquistão se reúnem mensalmente, onde recebem apoio financeiro mensal, onde se reúnem para compartilhar os pedidos de oração, onde tem alguns centros de treinamento contínuos e coisas assim. “Depois de explicar quantos ataques terroristas suicidas atingem os Cristãos, contou como essa atividade constante de terror “coloca os Cristãos nesse estado de alerta elevado, e já vem acontecendo há algum tempo. Nós lembramos da última Páscoa, uma época de grande celebração, e aí acontece um ataque contra os Cristãos nos parques. E é com isso que vivem constantemente… Nós conversamos sobre o transtorno de estresse pós-traumático com pessoas em combate. Bem, aqui você tem uma população inteira de pessoas que tem a sua vida constituída disso: combate. E assim você tem o desgaste psicológico, espiritual e emocional.”

Separadamente, um “mestre” Muçulmano atormentou e depois matou seu “escravo” Cristão. Javed Masih, 32, o Cristão estava, de acordo com o relatório, “reembolsando uma dívida que sua família havia contraído há três anos…” Na realidade, ele era um escravo. “Depois que foi acusado de roubar uma bicicleta motorizada”, o Cristão foi repetidamente espancado com bastões e outros objetos. Ele foi levado ao hospital e morreu por conta da tortura. “A família procurou a justiça abriu um processo na polícia, mas como de costume, a polícia se recusou a aceitar o caso e o culpado e seus aliados ameaçaram a família Cristã para retirar a acusação. Como o irmão mais velho do morto explica: “Queremos justiça. Somos pobres e, portanto a polícia se recusa a nos ouvir e a registrar a queixa. Os grandes proprietários de terras estão ameaçando sérias consequências porque nos opomos a qualquer compromisso. Tudo isso é porque somos Cristãos e pobres. “O assassino disse que o morto cometeu suicídio, uma reivindicação que a família rejeita fortemente.

Egito: outro soldado Cristão foi morto por soldados (Muçulmanos) quando souberam que ele era Cristão. Joseph Reda Helmy acabara de completar seu treinamento militar quando foi transferido para Al-Salaam (“paz”), uma unidade de forças especiais, onde três oficiais o mataram. Ele é pelo menos o sexto soldado Cristão morto por sua fé nos últimos anos. De acordo com o pai do morto, “seu grande e forte filho chegou ao acampamento às 14 horas e às 20 horas já estava morto. “Seu primo, que buscou o corpo, disse que seu primo morto” tinha hematomas na cabeça, ombros, pescoço, costas e genitais, com as piores feridas ocorrendo em suas costas.” Ele também aprendeu com as testemunhas oculares que “os três oficiais começaram a assediar Helmy por causa de sua fé Cristã e que as marcas em seu corpo indicam que o chutaram com as botas e o bateram com instrumentos pesados.” Como em todos os casos anteriores em que soldados Cristãos foram mortos por seus colegas Islâmicos, o exército Egípcio disse aos parentes que os mortos haviam morrido de outra coisa, neste caso, de “ataque epiléptico”. Mas mesmo o “médico que examinou o corpo recusou-se a se curvar à pressão daqueles que o trouxeram e relataram que o a causa mortis não era natural.”

Além disso, sobre a matança jihadista de Cristãos viajando para um mosteiro do deserto no final de Maio de 2017, surgiram mais detalhes. Falando da cama do hospital, um dos sobreviventes do massacre, Mariam Adel, uma jovem mãe cujo marido e nove de seus parentes foram mortos no ataque, disseram que depois que os jihadistas abriram fogo no ônibus, foram a bordo e “ordenaram que saíssem do ônibus e disseram a todos para se converterem ao Islã.” “Renunciar a nossa fé? Claro que não”, Mariam falou sobre a reação coletiva das mulheres. “Se tivéssemos, poderiam ter nos deixado fora do ônibus e nos tratado bem. Mas nós só queremos Jesus e estamos confiantes de que ele não nos deixará.” Os militantes responderam roubando as mulheres da posse deles, o que justificaram como “espólios de guerra” devidamente recebido. Um menino de 10 anos cujo pai foi assassinado disse que “eles pediram ao meu pai para se identificar e depois lhe pediram que recitasse a profissão de fé Muçulmana. Ele recusou, disse que era Cristão. Eles atiraram nele e em todos os outros que estavam no carro. Toda vez que atiravam em alguém, gritavam: “Deus é grande”, ou mais, literalmente, “Alá é maior.”


Para mais informações (em Inglês) sobre os países envolvidos com a perseguição Muçulmana aos Cristãos acesse este link: Raymond Ibrahim.  O site disponibiliza um relatório sobre os casos de perseguição mundial desde Julho de 2011.

A perseguição aos Cristãos no mundo Islâmico tornou-se endêmica. Por conseguinte, o relatório sobre a “perseguição Muçulmana aos Cristãos” foi desenvolvido para reunir alguns — de modo algum todos — os casos de perseguição que se emergem a cada mês, cem dois propósitos:

  1. Documentar o que a grande mídia não faz: a perseguição habitual, senão crônica, aos Cristãos.
  2. Mostrar que tal perseguição não é “aleatória”, mas sistemática e inter-relacionada — e  que está enraizada em uma visão de mundo inspirada na Sharia Islâmica.

Para mais informações (em Inglês) sobre os países envolvidos com a perseguição Muçulmana aos Cristãos acesse este link: Raymond Ibrahim.  O site disponibiliza um relatório sobre os casos de perseguição mundial desde Julho de 2011.

A perseguição aos Cristãos no mundo Islâmico tornou-se endêmica. Por conseguinte, o relatório sobre a “perseguição Muçulmana aos Cristãos” foi desenvolvido para reunir alguns — de modo algum todos — os casos de perseguição que se emergem a cada mês, cem dois propósitos:

  1. Documentar o que a grande mídia não faz: a perseguição habitual, senão crônica, aos Cristãos.
  2. Mostrar que tal perseguição não é “aleatória”, mas sistemática e inter-relacionada — e  que está enraizada em uma visão de mundo inspirada na Sharia Islâmica.

    Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

 

“LIMPE O NOSSO EXCREMENTO TODOS OS DIAS OU MORRA”

“LIMPE O NOSSO EXCREMENTO TODOS OS DIAS OU MORRA”: PERSEGUIÇÃO MUÇULMANA AOS CRISTÃOS — AGOSTO DE 2017”

Por Raymond Ibrahim

16 de Janeiro de 2018

Gatestone Institute

Um documento elaborado por membros da comunidade Cristã global que se reuniu no 3º Fórum Internacional Cristão realizado em Moscou, detalhou como nos últimos 10 anos a população Cristã do Oriente Médio diminuiu em 80% e advertiu que, a menos que as tendências atuais sejam revertidas, o Cristianismo “desaparecerá” de suas antigas terras em alguns anos. Por volta do ano 2000, havia 1,5 milhão de Cristãos no Iraque, enquanto hoje há apenas 100 mil, aproximadamente uma queda de 93%, observa o documento. Na Síria, as maiores cidades “perderam quase toda a população Cristã.”

Outros ativistas e especialistas ofereceram estatísticas igualmente sombrias. O Centro para o Estudo do Cristianismo Global no Seminário Teológico de Gordon-Conwell em Hamilton, Massachusetts, já tinha previsto anteriormente que, até 2025, a porcentagem de Cristãos no Oriente Médio — que em 1910 era 13,6 por cento — poderia diminuir em torno de três por cento.

Os Cristãos que procuram retornar às áreas do Iraque e da Síria liberadas do Estado Islâmico (ISIS) continuam enfrentando desafios e discriminação das comunidades locais Muçulmanas e Curdas. Andrew White, também conhecido como o “pastor de Bagdá”, disse anteriormente que “A hora derradeira chegou, não sobrará nenhum Cristão. Alguns dizem que os Cristãos devem permanecer para manter sua presença histórica, mas tornou-se muito difícil. O futuro da comunidade é muito limitado.”

Outros, como o ex-Republicado Frank Wolf (R-Va.), são mais otimistas: “Agora é a hora. Temos uma administração que está aberta para fazer alguma coisa”, disse em referência ao governo Trump.

Enquanto isso, o ISIS continuou alimentando grandes esperanças. Em um vídeo lançado pela organização terrorista em Agosto, um extremista destruiu uma foto do Papa Francisco e do Papa Emérito Papa Bento XVI, enquanto dizia: “Lembre-se disso, você é um kuffar (“infiéis” ou “não-Muçulmanos”) — nós chegaremos à Roma, inshallah [se Alá quiser].” O narrador do vídeo também prometeu que “Depois de todos os seus esforços, a religião da cruz será destruída. A inimizade dos cruzados em relação aos Muçulmanos só serviu para encorajar uma geração de jovens”. Quando indagado sobre isso, o alto assessor de Francisco disse: “O Papa Francisco não alterou nada em sua agenda, nem irá mudar. Além disso, continuará a fomentar o diálogo, criando pontes, defendendo a paz. Com Muçulmanos e Cristãos.”

O levantamento de Agosto sobre a perseguição Muçulmana aos Cristãos em todo o mundo inclui, mas não está limitado, às seguintes informações:

Massacre Muçulmano de Cristãos 

PAQUISTÃO: Javid Masih, um Cristão que se vendeu à escravidão para uma família Muçulmana por dois anos porque queria comprar uma casa para a sua família, foi regularmente abusado, impedido de ir à igreja e finalmente assassinado em Agosto. Quando o contrato de dois anos estava prestes a acabar e Javid já havia dito a um parente que estava ansioso para se casar, foi informado que: “Não há como você ser ver livre de nós e deixar este lugar.” Quando seu mandato terminou e ele pediu por sua liberdade, foi severamente reprimido pelos filhos da família:

“Você é um Chura imundo [palavra depreciativa que significa coisa sem valor], como ousa pedir sua liberdade. Sua vida é nossa. Você vai limpar nossos excrementos todos os dias de sua vida a partir de agora ou você e sua família irão morrer.”

Em seguida, “foi agarrado pelos irmãos, amarrado, espancado e cuspido por um dia inteiro. Ele nunca contou a sua família sobre isso, porque estava com vergonha e tinha medo das repercussões sobre sua família caso se envolvessem. Outros funcionários tiverem que assistir a tortura brutal de Javed para inculcar a sensação de medo entre eles.

“Continuou escravizado, mas sua produtividade caiu, e a família Muçulmana decidiu acabar com ele. Envenenaram e o deixaram na frente da casa de sua família; quando sua mãe viúva implorou para que o levassem ao hospital, cuspiram nela. Ele morreu; e a polícia relatou a morte como “suicídio”.

Wilson Chowdhry, Presidente da Associação Cristã Paquistanesa Britânica, disse: “Apesar das leis contra a escravidão no Paquistão, o trabalho servido prolifera e está destruindo a vida de muitos Cristãos. A Lei do Trabalho Forçado (Abolição) Decreto 1992 não vale a pena o papel em que está escrito e a apatia dos governos para impor a lei ilustra o baixo valor atribuído aos Cristãos e outras minorias… Há uma taxa de suicídio muito pequena no Paquistão de cerca de 300 vítimas ao longo de dois anos, os Paquistaneses são resistentes. É inconcebível que Javed tenha cometido suicídio quando não expressou tal desejo a qualquer um que conhecesse e permaneceu estóico por dois anos, apesar da dor que lhe foi infligida.”

Outro homem Cristão, um prisioneiro que tentaram convertê-lo, mas rejeitou o Islã, foi encontrado morto “sob circunstâncias misteriosas sob custódia policial”, diz um relatório. Indaryas Ghulam, 38, estava entre os 42 Cristãos presos pelo linchamento de dois Muçulmanos associados a um ataque na igreja em 2015 que matou quase 20 Cristãos e feriu 70. Indaryas negou envolvimento no linchamento e era um dos prisioneiros prometidos de “liberação em troca da renúncia ao Cristo. Ele poderia ter salvado sua vida, mas decidiu testemunhar sua fé até a morte… A administração da prisão atribuiu sua morte à má saúde; tinha tuberculose. Mas sua esposa Shabana e sua filha Shumir, que viram o corpo, disseram que tinha queimaduras e cortes em todos os lugares, sinais claros de tortura e da brutalidade a que havia sido submetido. Além disso, acrescentam que, embora estivesse gravemente doente, nunca recebeu cuidados médicos adequados atrás das grades.”

Ataques Muçulmanos À Liberdade Cristã

IRÃ: Cerca de quinhentos Muçulmanos convertidos ao Cristianismo enfrentaram perseguição e fugiram do Irã para a Turquia em busca de asilo, revela o relatório de Agosto. Um jovem converso que disse que não poderia ser quem ele queria ser se permanecesse Muçulmano, acrescentou que agora está se sentindo “confortável” como um Cristão. Outro disse: “Eu mudei de religião porque não vi nada no Islã. Tudo que vi estava errado. É fato que o governo do Irã é Islâmico, contudo nossa juventude está sendo executada. No Iraque, a mesma coisa… Lá está o ISIS matando pessoas em nome do Islã, e as pessoas vulneráveis ​​estão sendo decapitadas. Fugiram para a Turquia e nós viemos para a Turquia. É por isso que não vi nada de bom no Islã. “A Open Doors USA, que monitora a perseguição Cristã em todo o mundo, confirma que “os convertidos ao Cristianismo vindo do Islã constituem o maior grupo de Cristãos e experimentam a maior perseguição.”


Para mais informações (em Inglês) sobre os países envolvidos com a perseguição Muçulmana aos Cristãos acesse este link: Raymond Ibrahim.  O site disponibiliza um relatório sobre os casos de perseguição mundial desde Julho de 2011.

A perseguição aos Cristãos no mundo Islâmico tornou-se endêmica. Por conseguinte, o relatório sobre a “perseguição Muçulmana aos Cristãos” foi desenvolvido para reunir alguns — de modo algum todos — os casos de perseguição que se emergem a cada mês, cem dois propósitos:

  1. Documentar o que a grande mídia não faz: a perseguição habitual, senão crônica, aos Cristãos.
  2. Mostrar que tal perseguição não é “aleatória”, mas sistemática e inter-relacionada — e  que está enraizada em uma visão de mundo inspirada na Sharia Islâmica.

Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

A EUROPA ESTÁ SE MATANDO 

 A EUROPA ESTÁ SE MATANDO 

Por PAT CONDELL

15 de Janeiro de 2018


Este vídeo está censurado e indisponível na Alemanha.
Você pode encontrar todos os vídeos do Pat Condell sem censura no BitChute e noYouTube.

Pat Condell Website: GODLESS COMEDY

Quando se trata de Pat Condell a melhor coisa a fazer é ficar calado e ouvir o que ele tem a dizer.

Absolutamente genial.

Nota: Não consegui localizar o nome do tradutor deste vídeo para dar o devido crédito.

TV Alemã: ‘Mulher Ensina Menino a Rezar para Alá’

Fonte/Source: German state TV series features woman teaching boy how to pray to Allah


Diante do que vem acontecendo no Brasil este artigo até que não diz muita coisa, e se acontecer o mesmo por aqui será em horário nobre, numa dessas novelas de grande audiência da Globo. Claro, nada a ver com o Islam.


Série De TV Estatal Alemã Apresenta Mulher Ensinando Menino Como Rezar para Alá

POR ROBERT SPENCER

15 de Janeiro de 2018

Quando foi a última vez que uma série de TV estatal Alemã apresentou instruções sobre a oração Cristã? Minha aposta é nunca. Multiculturalismo = Supremacismo Islâmico. A TV estatal Alemã está trabalhando para preparar o povo Alemão para o seu futuro.

Para os não versados na língua Inglesa, por favor, leia a tradução a seguir antes de assistir ao vídeo.

Tradução do vídeo:

— Paul, eu tenho que te dizer uma coisa muito importante. Eu já falei pra você sobre Deus, que vive no céu, e sempre nos observa. Mas existe um outro Deus, e ele se chama Alá (ou Allah), diz isso, Alá.
— Alá.
— E a partir de hoje eu quero que Deus… a partir de hoje vamos dizer “Alá” …que Alá se torne muito mais importante em nossas vidas, que a gente reze para Alá e sejamos gratos por tudo que temos e por sermos afortunados e tudo o mais, você compreende isso?
E nós temos que seguir as regras.
Há muitos anos, Alá falou com um homem na terra e disse a ele como as pessoas têm que viver na terra para serem felizes. Esse homem foi chamado de Muhammad. Ele escreveu tudo num livro, e esse livro se chama Alcorão. Eu sei que neste momento você não está entendendo tudo porque você ainda é uma criança. Mas é exatamente por você ainda ser uma criança que você é Muçulmano. Toda criança é Muçulmana. Sim, cada criança é um Muçulmano. Mas eu ainda não sou uma Muçulmana. Agora isso é muito importante…

A partir desse ponto, ela recita um testemundo em Árabe, a seguir:

O testemunho de fé (Shahada): Eu testemunho “La ilaha illa Allah, Muhammad rasoolu Allah.”

— Você quer saber o que eu acabei de dizer?
Paul balança a cabeça confirmando que sim.
— “Eu testemunho que não existe deus além de Alá e eu testemunho que Muhammad e o Mensageiro (Profeta) de Alá.”
Você vai entender isso mais tarde. Agora eu vou tomar um banho porque preciso fazer isso, porque agora eu sou uma Muçulmana (Muslima).


“Será que é isso mesmo? Propaganda Brutal do Estado Alemão para encorajar as crianças a serem Muçulmanas?”, por Eeyore, Vlad Tepes, 13 de Janeiro de 2018 (Agradecimento à The Religion of Peace):

Enquanto estamos aguardando uma resposta sobre isso, o que está abaixo é definitivamente uma propaganda da TV estatal para que os Muçulmanos ilegais se tornem vítimas de alguma forma, depois que assassinam os Alemães.

UPDATE: De Oz-Rita:

E não, não é uma sátira!

Série da TV estatal Alemã: “Lindenstraße” Episode 1084 “Islã”

Murat (Erkan Gündüz fica surpreso com o empenho de Lisa (Santje Peplow) defendendo o Islã.

Esse pequeno vídeo schmaltzy foi uma cena de uma série da TV estatal Alemã, transmitida em 2006, um ano após Angela Merkel se tornar chanceler, e quando ainda fingia para a Alemanha que era uma “Conservadora”. Em seguida ela conheceu Sorros [sic] (George Soros), Erdogan, Obama etc. … e o resto, como dizem, é história. O número de Muçulmanos na Alemanha era de cerca de 3,3 milhões. Embora as estatísticas exatas hoje sejam pouco confiáveis, uma estimativa conservadora de mais de 4,7 milhões de Muçulmanos a partir de 2015 é considerada conservadora.

A série foi chamada de “Lindenstrasse” e a jovem que se “converteu” — ou “reverteu” como dizem os Muçulmanos — desempenhou o papel de uma jovem mãe, Lisa, noiva de um Muçulmano Turco, Murat, que estava trabalhando muito para ganhar o dinheiro para bancar o casamento. Eu assisti aquele episódio e alguns que se seguiram, até chegar perto de uma overdose de sacarina. Você tem uma amostra disso no vídeo acima.


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

MIGRANTES OU INVASORES MUÇULMANOS?

MIGRANTES OU INVASORES MUÇULMANOS?

Por Tião Cazeiro

14 de Janeiro de 2018

Migrantes esgotados lutam para se manterem à tona enquanto esperam pela guarda costeira. Mais de 171 mil tentaram chegar a Europa no Mediterrâneo no ano passado –  GUARDA COSTEIRA – Mediterranean claims first migrants of 2018 https://buff.ly/2mC2l6x

Compartilhei este vídeo divulgado pela ‘Patota da Direita‘ em 5 de Janeiro de 2017, vale a pena assistir novamente, é impressionante.

Em 2015 traduzi dois artigos denunciando a “FARSA: 80% Dos Refugiados Da Devastada Síria Não São Da Síria ” e “A Invasão da Europa e da América“. Vale conferir.

Quando os ativistas começaram a denunciar que isso era uma invasão Muçulmana, foram logo carimbados de ISLAMOFÓBICOS, RACISTAS, EXTREMA-DIREITA etc., e isso nada mais é do que uma barreira para você não criticar o avanço Islâmico global.

Hoje, vários líderes Europeus como o corajoso Presidente da Hungria Viktor Orbán, declaram abertamente que SIM, é realmente uma invasão Muçulmana orquestrada, como no passado, para conquistar a Europa. Vide: HUNGRIA: Migrantes Na Europa Não São Refugiados, São Invasores Muçulmanos

Quem impulsiona essa gente toda, quem os obriga atravessar o Mediterrâneo, mesmo correndo risco de vida? Já pensou nisso?

“Imigração jihadista Hejira ou Hijra (jornada ou migração) — é a migração de Muhammad (Maomé) e seus seguidores, de Meca para Yathrib, mais tarde renomeada por ele como Medina, no ano 622 DC. Isso aconteceu após a hijrah, quando Muhammad, pela primeira vez se tornou não somente um pregador de ideias religiosas, mas um político e líder militar.” — A Invasão da Europa e da América

Os verdadeiros refugiados, aqueles que realmente precisam de ajuda como os Cristãos perseguidos pela crueldade Muçulmana, foram deixados de lado para favorecer os invasores, claro, Mulculmanos. Vide Barack Obama em “Cristianismo de Obama: Ferramenta Política Para Silenciar Cristãos”.

O Brasil vai mudar, os migrantes (ou invasores?) estão chegando enquanto o Islam avança com seus camelos, e com a maior cara de pau divulga a meta de obter 20 milhões de Muçulmanos em 20 anos, como anunciou o sheik de uma mesquita em São Paulo.

O sonho dessa turma é transformar a América Latina numa filial do Oriente Médio e para isso não falta apoio no Brasil. Caso não tenha lido este artigo, vale a pena conferir: BRASIL: 40.000 TERRORISTAS EM 20 ANOS.

A meta de obter 20 milhões de Muçulmanos é altamente significativa e só poderá ser alcançada com a ajuda luxuosa dos migrantes Muçulmanos (ou invasores?)

Um milhão de novos Muçulmanos por ano, durante 20 anos, para alcançar à meta de terceira maior religião do Brasil, sendo que o Islamismo tem a missão de converter a todos pela persuasão ou pela força (militar)? E por isso é conhecido como ‘um empreendimento paramilitar totalitário’. Você já pensou nisso?

Esse é o sonho do esquema globalista e como vimos acima, uma meta desse porte e com tanta convicção deixa a impressão de que já está tudo combinado.

Por último, vou dar a palavra ao professor Olavo de Carvalho:

“Em suma: o único lugar em que se nega a existência do esquema global de poder é a mídia brasileira. É evidente que o grau de incultura e de ignorância necessário para isto transcende as dimensões do próprio globo terrestre.” — Palestra de Olavo de Carvalho no encontro com Jair Bolsonaro e Jeffrey Nyquist em Nova Iorque – Mídia Sem Máscara


POR QUE PROFESSAR CRISTO ESTÁ SE TORNANDO UM “CRIME DE ODIO” NO OCIDENTE

Fonte/Source: Why Professing Christ Is Becoming a ‘Hate Crime’ in the West – Raymond Ibrahim


POR QUE PROFESSAR CRISTO ESTÁ SE TORNANDO “CRIME DE ODIO” NO OCIDENTE

Por Raymond Ibrahim

12 de Janeiro de 2018

FrontPage Magazine

Qual é a fonte do dhimmitude — que em muitos aspectos paralisa as respostas ao Islam — no Ocidente?

Primeira definição: “dhimmitude”, que foi cunhada pelo falecido presidente Cristão do Líbano, Bashir Gemayel, e popularizada pela escritora Bat Ye’or, é um neologismo baseado na palavra Árabe, dhimmi, ou seja, um não-Muçulmano (geralmente um Cristão ou Judeu) que cai sob o domínio Islâmico e, como um preço para manter sua religião, aceita uma posição social inferior. Simplificando, o dhimmi deve conhecer seu lugar e nunca balançar o barco, inclusive buscando direitos iguais aos Muçulmanos.

Embora isto seja a manifestação clássica e original da dhimmitude, uma nova forma e sem precedentes surgiu no Ocidente: no mundo Muçulmano, onde o poder faz o que quer sem ser contestado, as maiorias Muçulmanas impõem um status inferior às minorias não-Muçulmanas; mas no Ocidente, é o próprio Ocidente — ou pelo menos elementos domésticos — que, em determinadas áreas, impõe um status inferior a uma maioria não-Muçulmana.

Eis a questão, por quê? Por que uma civilização mais forte impõe estipulações injustas e supremacistas de uma civilização mais fraca e hostil sobre si mesma e desse modo paralisa a si mesma diante dessa mesma civilização hostil?

A resposta é evidente nas palavras de uma estratégia antiga: “O inimigo do meu inimigo é meu amigo”. Os elementos Ocidentais que protegem e fortalecem incessantemente o Islam e que operam sob vários nomes — “Liberais”, “Esquerdistas”, “Marxistas”, “Progressistas”, “Guerreiros da Justiça Social”, etc. — fundamentalmente, pouco se importa com o Islamismo; em vez disso, o Islã é para eles uma ferramenta para combater seu inimigo real e muito mais próximo: o Cristianismo, os costumes e a civilização nascida dele e culminando no Ocidente.

Isto é evidente em todos os lugares e em uma miríade de formas. Mais recentemente, o governo Britânico se recusou a responder se alguém contar às pessoas sobre a fé Cristã poderia ser considerado um crime de ódio.” Lord Pearson de Rannoch, um colega do UKIP, perguntou à Câmara dos Lordes se poderiam “confirmar inequivocamente que um Cristão que diz que Jesus é o único filho do único e verdadeiro Deus não pode ser preso por crime de ódio ou qualquer outra ofensa, por mais que possa ofender um Muçulmano ou qualquer outra religião? “A porta-voz do governo Baronesa Vere de Norbiton respondeu equivocadamente, dizendo que a definição legal de “crime de ódio” tem sido a mesma durante os últimos 10 anos.

Entretanto, como Pearson explicou em uma entrevista posterior, a definição atual de “crime de ódio” é subjetiva e depende se a “vítima” se sente ofendida — deixando assim a porta aberta para acusar aqueles que proclamam Cristo e a Trindade de cometerem crime de ódio, especialmente vis-à-vis Muçulmanos, que se opõem veementemente à reivindicação, como o próprio Pearson reconheceu: “Certamente, os Muçulmanos mais estritos se sentem ofendidos pelo Cristianismo e a nossa crença em Jesus sendo o único Filho do único verdadeiro Deus.”

Pearson também apontou um duplo padrão em como os “crimes de ódio” são aplicados: “Você pode dizer o que você quiser sobre o nascimento da Virgem, os milagres e a ressurreição de Jesus Cristo, mas assim que você disser ‘vamos lá, será que o Islam é realmente a religião de paz que afirma ser’, o inferno se explode.”

De fato, e há uma razão para isso: ao contrário do Islam — do qual muitas elites Ocidentais não sentem nenhuma conexão (direta) e, portanto, nenhuma ameaça proveniente dele — o Cristianismo é a fé de seus antepassados; está sempre presente em suas sociedades, julgando-os e eles o odeiam por isso. Mas ao invés de procurar suprimir abertamente, operam indiretamente, inclusive apoiando os sempre bravos e facilmente “ofendidos” Muçulmanos contra o Cristianismo, enquanto desempenham o papel de pessoa “imparcial” secularista ou progressista — pessoas se obrigarão (ou seja, os outros, notadamente os Cristãos) a caminhar sobre cascas de ovos com medo de que os “sentimentos” do “outro” seja ferido.

A partir desse ponto, entende-se por que liberais e progressistas que sempre reclamam contra qualquer vestígio do Cristianismo tradicional (“opressivo”) habitualmente se alinham com o Islam — apesar das qualidades verdadeiramente opressivas do último. As feministas denunciam o “patriarcado” Cristão — mas dizem pouco contra o tratamento Muçulmano às mulheres como uma possessão pessoal; homossexuais denunciam padarias Cristãs — mas dizem pouco contra a execução Muçulmana de homossexuais; multiculturalistas denunciam Cristãos que se recusam a reprimir sua fé, inclusive proibindo frases e imagens de Natal, para acomodar a sensibilidade religiosa das minorias Muçulmanas —, mas dizem pouco contra a perseguição Muçulmana entrincheirada e aberta aos Cristãos.

Desse ponto, entende-se a razão última pela qual os elementos dominantes do Ocidente estão impondo os efeitos injustos e sufocantes da dhimmitude e tornando o Oeste fraco e vulnerável: “O inimigo [Islam] do meu inimigo [Cristianismo] é meu amigo.” Como este exemplo recente no Reino Unido mostra, Muçulmanos agora estão até mesmo sendo usados ​​para fazer a reivindicação central do Cristianismo — que a elite progressiva especialmente despreza ouvir porque condena o seu estilo de vida sem Deus — um “crime de ódio”.


Tradução: Tiao Cazeiro  — Muhammad e os Sufis

Prefeito de Londres Sadiq Khan: ‘Parar E Revistar’

Fonte/Source: London Mayor Flips on ‘Stop and Search’ After Breitbart Exposé of Capital Crime Epidemic


Segundo Robert Spencer, o prefeito Muçulmano de Londres participou de uma conferência com o seu amigo jihadista Sajeel Shahid de Londres, que treinou um dos terroristas suicidas do bombardeio de 7 July 2005 em Londres. — London’s Muslim mayor shared platform with London jihadi’s friend who trained 7/7 jihad bombers

“O Sr. Khan falou em uma conferência em 2003 ao lado de Yasser al-Sirri, que havia sido condenado à morte no Egito por uma tentativa de assassinato político, enquanto outro palestrante era Sajeel Abu Ibrahim, mais conhecido como Sajeel Shahid. Shahid comandou ataques contra as tropas Britânicas e dirigiu um campo de treinamento no Paquistão, onde terroristas conhecidos aprenderam a fazer bombas e a disparar granadas propulsionadas por foguete.”

“Um porta-voz de Sadiq Khan disse que: “Essa é uma história antiga.“”

Esse é o prefeitindo Muçulmano de Londres. Vamos ao artigo…


Prefeito De Londres Resgata ‘Parar E Revistar’ Após Breitbart Expor Epidemia de Crime Capital

Por LIAM DEACON

11 de Janeiro de 2018

O Prefeito de Londres, Sadiq Khan, fez uma reviravolta na sua promessa de campanha para acabar com o “parar e revistar”, afirmando que sua Polícia Metropolitana “aumentará significativamente” seu uso dos poderes para tentar reprimir o problema crescente de ataques com faca na cidade.

Antes de ser eleito em 2015, Khan prometeu “fazer tudo o que estiver ao meu alcance para proibir o ‘parar e revistar’” caso se torne Prefeito. Na Quinta-feira, no entanto, admitiu que era uma “ferramenta vital para a polícia manter nossas comunidades seguras.”

A mudança de tom ocorre pouco mais de uma semana depois que os dados revelaram níveis crescentes de crimes violentos em Londres no ano passado — homicídios cresceram 27,1%, com homicídios juvenis em 70% e violência séria juvenil em 19%.

Os assaltos também aumentaram 33,4 por cento e os arrombamentos em 18,7 por cento sob a guarda de Khan em 2016/7.

Parte do problema remonta a 2014, quando Theresa May, Secretária do Interior, prometeu reduzir o uso do ‘parar e revistar’, alegando que a prática enfraqueceu as relações com as comunidades minoritárias.

O Prefeito esteve sob pressão adicional desde a Véspera de Ano Novo, quando quatro jovens foram esfaqueados na capital em incidentes não relacionados numa única noite.

Escrevendo ao Evening Standard nesta Quinta-feira, o Khan reconheceu a “tendência preocupante do aumento de crime violento em toda a Grã-Bretanha”, acrescentando:

“Eu e a Comissária do Met, Cressida Dick, estamos totalmente de acordo de que o Met deve continuar trabalhando para impedir os crimes violentos.”

“Os Londrinos verão uma dura repressão ao longo de 2018. Isso incluirá um aumento significativo no uso do ‘parar e revistar’ pela polícia em toda a nossa cidade.”

Continuou: “Eu sei, por experiência pessoal, que quando mal praticado, o ‘parar e revistar’ pode causar tensões comunitárias. Mas, quando baseado em informações de inteligência, geograficamente focada e realizada profissionalmente, é uma ferramenta vital para a polícia manter nossas comunidades seguras.

“Nunca devemos esquecer que são comunidades étnicas negras, Asiáticas (geralmente Muçulmanas) e minoritárias (BAME) que mais sofrem com os ataques com facas — quase seis em cada 10 jovens vítimas masculinas pertencem a essas comunidades.”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhamamd e os Sufis

Confirmado: Os EUA são o Principal Facilitador da Perseguição aos Cristãos

Fonte/Source: Confirmed: U.S. Chief Facilitator of Christian Persecution – Raymond Ibrahim


Este artigo foi traduzido por Dionei Vieira. É uma ótima tradução, fiz alguns ajustes e editei.

O artigo foi escrito em 7 de Agosto de 2014. Estou publicando porque muitos desconhecem o estrago que o governo Obama fez durante o período que esteve no poder. O artigo irá também surpreender aqueles que não estão informados sobre o alcance destrutivo do Islamismo quando maioria.


Confirmado: Os EUA São O Principal Facilitador Da Perseguição Aos Cristãos

Por Raymond Ibrahim

7 de Agosto de 2014

National Review Online

Senador John McCain encontra-se com “rebeldes Sírios”, muitos dos quais não são Sírios, e um dos quais é um sequestrador conhecido (L – Muhammad Nour)

Indicadores proeminentes confirmam que os EUA são o principal facilitador da perseguição aos Cristãos em todo o mundo hoje.

De acordo com a recém-lançada 2014 World Watch List, que classifica os 50 países onde os Cristãos são mais perseguidos, a Síria é o terceiro pior país do mundo para ser um Cristão, o Iraque é o quarto, o Afeganistão é o quinto e a Líbia é o décimo-terceiro. Todos os quatro países recebem a designação mais forte, de “extrema perseguição” (outras designações são perseguição de nível: ‘grave’, ‘moderado’ e ‘escasso’).

Além de estarem tão juntas e serem duramente classificadas, essas quatro nações têm outra coisa em comum: um grande envolvimento dos EUA. Três delas (Iraque, Afeganistão e Líbia) foram “libertadas” graças às forças armadas Americanas, enquanto que na quarta, a Síria, os EUA estão patrocinando ativamente os “guerreiros da liberdade” contra o governo Sírio, muitos dos quais merecem o rótulo de “terroristas”.

Só a situação da Síria é suficiente para incriminar a política externa Americana. De acordo com a agência de notícias Reuters:

A organização Portas Abertas, um grupo não-denominacional que apoia os Cristãos perseguidos em todo o mundo, disse nesta Quarta-feira que documentou 2.123 assassinatos de Cristãos que foram vítimas de martírio, em comparação com 1.201 que ocorreram em 2012. Só na Síria, foram 1.213 desses assassinatos no ano passado. “Essa é uma contagem mínima, com base no que foi divulgado na mídia e nós podemos confirmar”, disse Frans Veerman, chefe de pesquisa de Portas Abertas. Estimativas de outras organizações Cristãs colocam a estatística anual em patamares maiores que chegam a 8.000.

Enquanto a maioria dos Americanos estão protegidos contra a verdadeira natureza da guerra devido à relutância da mídia Americana em noticiar sobre isso, mídia, sites e ativistas de língua Árabe diariamente noticiam e documentam atrocidade após atrocidade, decapitações e ataques de bomba a igrejas, Cristãos sendo massacrados por se recusarem a se converter ao Islamismo e incontáveis sequestros com o propósito de resgate ou estupros, tudo isso pelas mãos daqueles que os EUA apoiam.

É suficiente destacar que “o maior massacre de Cristãos na Síria,” para citar um importante líder religioso, ficou totalmente sem cobertura jornalística de todas as grandes redes de notícias dos EUA.

De qualquer forma, as estatísticas falam por si: a Síria costumava ser tolerante com as religiões, mas depois que os Estados Unidos começaram seus esforços de levar “democracia” a esse país, a Síria é hoje é terceiro pior país do mundo em termos de “extrema perseguição” aos Cristãos.

A agência de notícias Blaze informa que o Dr. David Curry, presidente de Portas Abertas,

acusou o governo Obama por ter, essencialmente, se recusado a fazer da proteção das minorias religiosas uma prioridade… “Há muitos casos em que o vácuo de liderança e representatividade criaram um problema real,” disse o líder dos direitos humanos. “Eu diria que todos os dados significativos apontados neste ano da Lista de Vigilância de 2014 são piores — e eu acho que um fator que contribuiu é a falta de liderança dos governos Ocidentais, incluindo… os EUA em termos de liberdade religiosa.”

Mas é pior que isso. Longe de tomar qualquer ação ou mostrar liderança, ou simplesmente parar de apoiar os terroristas responsáveis — o governo Obama recentemente tentou entrar em guerra com a Síria em favor dos “guerreiros da liberdade” e, pasmem, em nome dos “direitos humanos”. (Ao que tudo indica, o boato infundado de que Assad massacrou pessoas é o suficiente para os EUA irem à guerra, mas os massacres bem documentados de Cristãos e outros civis que estão ocorrendo nas mãos da oposição não é suficiente para que os EUA parem de apoiá-los.)

O que é pior, mesmo os mais desinformados Americanos que assistem ao noticiário da mídia em geral, hoje em dia sabem que a chamada “Primavera Árabe” que foi usada para justificar o apoio dos EUA aos “rebeldes” de todas as espécies — no Egito, a Irmandade Muçulmana (que meses atrás destruiu cerca de 80 igrejas); na Líbia, a al-Qaeda, que se transformou em uma zona de terror em Benghazi; e agora os “guerreiros da liberdade” na Síria — não é exatamente aquilo que estava sendo elogiado.

Em outras palavras, neste momento, sempre que os EUA intervêm em uma nação Islâmica, os Islâmitas chegam ao poder. Isso está muito bem comprovado nas outras três nações em que os EUA trouxeram a “democracia” e onde as minorias Cristãs sofrem “perseguição extrema”:

Certamente um tema comum emerge aqui: Onde os EUA trabalham para derrubar os autocratas seculares, a qualidade de vida dos Cristãos entre outras minorias leva um grande tombo. Sob Saddam, Kadafi e Assad, os Cristãos e suas igrejas eram amplamente protegidos.

Além disso, enquanto George W. Bush foi o responsável pelo Afeganistão e o Iraque, pode-se argumentar que, naquela época (2001 e 2003), esse padrão de radicalização Islâmica que irrompe uma vez que os autocratas caem, era bem menos conhecido do que é hoje. Não havia muitos precedentes.

Por outro lado, o governo de Obama teve o Afeganistão e o Iraque para aprender — e ainda assim ele apoia os Islamistas e jihadistas. Mas agora, o que acontece quando assumem o poder — perseguição religiosa, terror e opressão — já não é um segredo.

A propósito, aqueles que pouco se importam com o destino dos Cristãos ou de outras minorias no mundo Islâmico fariam bem em lembrar de uma simples obviedade: Sempre que elementos anticristãos chegam ao poder, as forças antiamericanas chegam ao poder. Os dois são sinônimos.

Dito de outro modo, a perseguição Muçulmana aos Cristãos é o teste decisivo de quão radical uma sociedade Islâmica pode se tornar. Em todos esses países Muçulmanos que os EUA interferiram — Afeganistão, Iraque, Líbia, Egito (até que os Egípcios se rebelaram, para castigo dos EUA), e agora a Síria — o aumento da intolerância religiosa é um reflexo do fortalecimento das forças hostis à civilização Ocidental.

Muitas vezes me perguntam, “Como podemos ajudar os Cristãos perseguidos?” Neste ponto, deve-se responder:

“Que tal começar fazendo com que o governo dos EUA deixe de ser o principal facilitador da perseguição Cristã?” Deixando o altruísmo de lado, seria do interesse de todos os que prezam a liberdade, religiosos ou não — e, especialmente, seus descendentes.


 

Khamenei: Trump “Precisa Realizar Que Esses Episódios Extremos E Psicóticos Não Ficarão Sem Resposta”

Fonte/Source: Iran’s top dog: Trump “must realize that these extreme and psychotic​ ​episodes won’t be left without a response​”


Khamenei: Trump “Precisa Realizar Que Esses Episódios Extremos E Psicóticos Não Ficarão Sem Resposta”

POR ROBERT SPENCER

10 de Janeiro de 2018

A liderança Iraniana, como a al-Qaeda e outros grupos jihadistas, sempre mostraram habilidade sagaz jogando com os pontos de discussão da extrema esquerda para tentar influenciar a opinião pública nos EUA. Agora, com a esquerda obcecada com preocupações espúrias sobre a estabilidade mental do Presidente Trump, o Aiatolá Khamenei adverte que haverá uma resposta aos “episódios psicóticos” de Trump. Essa é uma maneira eficaz para Khamenei trazer o Partido Democrata a bordo, como se já não o tivesse feito (claro, o mesmo também pode ser dito sobre o establishment Republicano).

“Líder Iraniano promete uma resposta aos ‘episódios psicóticos’ de Trump”, por Mark Moore, New York Post, 9 de Janeiro de 2018:

O líder Iraniano criticou um “instável” Presidente Trump, por ter dado apoio aos manifestantes que se reuniram contra o governo durante os dias de agitação que abalaram a República Islâmica.

“Esse homem que comanda a Casa Branca — embora pareça ser um homem muito instável — deve realizar que esses episódios extremos e psicóticos não serão deixados sem resposta”, tuitou Aiatolá Ali Khamenei na Terça-feira, de acordo com a Reuters.

Trump expressou sua solidariedade aos manifestantes anti-governo após os comícios contra os altos preços dos alimentos transformados em manifestações contra os líderes clericais não eleitos.

“O povo do Irã está finalmente agindo contra o brutal e corrupto regime Iraniano”, afirmou Trump num Twitter na semana passada. “… As pessoas têm pouca comida, grande inflação e sem direitos humanos. Os EUA estão assistindo!”

O líder Iraniano em seus comentários pareceu estar usando expressões de um best-seller sobre Trump e a Casa Branca, caracterizando o presidente e sua administração como “um idiota cercado por palhaços.”

Trump aproveitou o Twitter no fim de semana para se orgulhar de seu intelecto.

“Na verdade, ao longo da minha vida, meus dois maiores recursos foram a estabilidade mental e sendo, de fato, realmente inteligente”, escreveu no site de mensagens sociais no Sábado. “Fui de homem de negócios bem sucedido, a um top T.V. Star…..  e a Presidente dos Estados Unidos (na minha primeira tentativa). Qualificaria isso como, não inteligente, mas um gênio… e um gênio muito estável nisso!”

Khamenei culpou os Estados Unidos, Grã-Bretanha e Israel por instigar os protestos num esforço para derrubar o governo — um esforço que diz ter sido frustrado.

“Mais uma vez, a nação diz aos EUA, Grã-Bretanha e aqueles que procuram derrubar a República Islâmica do Irã a partir do exterior que ‘você falhou, e você também falhará no futuro'”, Khamenei tuitou.

A poderosa Guarda Revolucionária declarou no Domingo que suas forças haviam liquidado com os protestos que duraram mais de uma semana e resultaram na morte de 22 pessoas e nas prisões de centenas.

Khamenei disse que os manifestantes estavam “brincando com fogos de artifício”, mas admitiu que os cidadãos têm o direito de transmitir suas preocupações — uma afirmação surpreendente de um líder que geralmente adota uma abordagem de linha dura para com a dissidência….


Nota do blog: De acordo com a líder da resistência Iraniana Maryam Rajavi, “a Guarda Revolucionária Iraniana (IRCG) matou pelo menos 50 pessoas, feriu centenas e pelo menos 3.000 foram presas, de acordo com as nossas fontes no país.”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis