Arquivo da categoria: Oriente Médio

Confirmado: Os EUA são o Principal Facilitador da Perseguição aos Cristãos

Fonte/Source: Confirmed: U.S. Chief Facilitator of Christian Persecution – Raymond Ibrahim


Este artigo foi traduzido por Dionei Vieira. É uma ótima tradução, fiz alguns ajustes e editei.

O artigo foi escrito em 7 de Agosto de 2014. Estou publicando porque muitos desconhecem o estrago que o governo Obama fez durante o período que esteve no poder. O artigo irá também surpreender aqueles que não estão informados sobre o alcance destrutivo do Islamismo quando maioria.


Confirmado: Os EUA São O Principal Facilitador Da Perseguição Aos Cristãos

Por Raymond Ibrahim

7 de Agosto de 2014

National Review Online

Senador John McCain encontra-se com “rebeldes Sírios”, muitos dos quais não são Sírios, e um dos quais é um sequestrador conhecido (L – Muhammad Nour)

Indicadores proeminentes confirmam que os EUA são o principal facilitador da perseguição aos Cristãos em todo o mundo hoje.

De acordo com a recém-lançada 2014 World Watch List, que classifica os 50 países onde os Cristãos são mais perseguidos, a Síria é o terceiro pior país do mundo para ser um Cristão, o Iraque é o quarto, o Afeganistão é o quinto e a Líbia é o décimo-terceiro. Todos os quatro países recebem a designação mais forte, de “extrema perseguição” (outras designações são perseguição de nível: ‘grave’, ‘moderado’ e ‘escasso’).

Além de estarem tão juntas e serem duramente classificadas, essas quatro nações têm outra coisa em comum: um grande envolvimento dos EUA. Três delas (Iraque, Afeganistão e Líbia) foram “libertadas” graças às forças armadas Americanas, enquanto que na quarta, a Síria, os EUA estão patrocinando ativamente os “guerreiros da liberdade” contra o governo Sírio, muitos dos quais merecem o rótulo de “terroristas”.

Só a situação da Síria é suficiente para incriminar a política externa Americana. De acordo com a agência de notícias Reuters:

A organização Portas Abertas, um grupo não-denominacional que apoia os Cristãos perseguidos em todo o mundo, disse nesta Quarta-feira que documentou 2.123 assassinatos de Cristãos que foram vítimas de martírio, em comparação com 1.201 que ocorreram em 2012. Só na Síria, foram 1.213 desses assassinatos no ano passado. “Essa é uma contagem mínima, com base no que foi divulgado na mídia e nós podemos confirmar”, disse Frans Veerman, chefe de pesquisa de Portas Abertas. Estimativas de outras organizações Cristãs colocam a estatística anual em patamares maiores que chegam a 8.000.

Enquanto a maioria dos Americanos estão protegidos contra a verdadeira natureza da guerra devido à relutância da mídia Americana em noticiar sobre isso, mídia, sites e ativistas de língua Árabe diariamente noticiam e documentam atrocidade após atrocidade, decapitações e ataques de bomba a igrejas, Cristãos sendo massacrados por se recusarem a se converter ao Islamismo e incontáveis sequestros com o propósito de resgate ou estupros, tudo isso pelas mãos daqueles que os EUA apoiam.

É suficiente destacar que “o maior massacre de Cristãos na Síria,” para citar um importante líder religioso, ficou totalmente sem cobertura jornalística de todas as grandes redes de notícias dos EUA.

De qualquer forma, as estatísticas falam por si: a Síria costumava ser tolerante com as religiões, mas depois que os Estados Unidos começaram seus esforços de levar “democracia” a esse país, a Síria é hoje é terceiro pior país do mundo em termos de “extrema perseguição” aos Cristãos.

A agência de notícias Blaze informa que o Dr. David Curry, presidente de Portas Abertas,

acusou o governo Obama por ter, essencialmente, se recusado a fazer da proteção das minorias religiosas uma prioridade… “Há muitos casos em que o vácuo de liderança e representatividade criaram um problema real,” disse o líder dos direitos humanos. “Eu diria que todos os dados significativos apontados neste ano da Lista de Vigilância de 2014 são piores — e eu acho que um fator que contribuiu é a falta de liderança dos governos Ocidentais, incluindo… os EUA em termos de liberdade religiosa.”

Mas é pior que isso. Longe de tomar qualquer ação ou mostrar liderança, ou simplesmente parar de apoiar os terroristas responsáveis — o governo Obama recentemente tentou entrar em guerra com a Síria em favor dos “guerreiros da liberdade” e, pasmem, em nome dos “direitos humanos”. (Ao que tudo indica, o boato infundado de que Assad massacrou pessoas é o suficiente para os EUA irem à guerra, mas os massacres bem documentados de Cristãos e outros civis que estão ocorrendo nas mãos da oposição não é suficiente para que os EUA parem de apoiá-los.)

O que é pior, mesmo os mais desinformados Americanos que assistem ao noticiário da mídia em geral, hoje em dia sabem que a chamada “Primavera Árabe” que foi usada para justificar o apoio dos EUA aos “rebeldes” de todas as espécies — no Egito, a Irmandade Muçulmana (que meses atrás destruiu cerca de 80 igrejas); na Líbia, a al-Qaeda, que se transformou em uma zona de terror em Benghazi; e agora os “guerreiros da liberdade” na Síria — não é exatamente aquilo que estava sendo elogiado.

Em outras palavras, neste momento, sempre que os EUA intervêm em uma nação Islâmica, os Islâmitas chegam ao poder. Isso está muito bem comprovado nas outras três nações em que os EUA trouxeram a “democracia” e onde as minorias Cristãs sofrem “perseguição extrema”:

Certamente um tema comum emerge aqui: Onde os EUA trabalham para derrubar os autocratas seculares, a qualidade de vida dos Cristãos entre outras minorias leva um grande tombo. Sob Saddam, Kadafi e Assad, os Cristãos e suas igrejas eram amplamente protegidos.

Além disso, enquanto George W. Bush foi o responsável pelo Afeganistão e o Iraque, pode-se argumentar que, naquela época (2001 e 2003), esse padrão de radicalização Islâmica que irrompe uma vez que os autocratas caem, era bem menos conhecido do que é hoje. Não havia muitos precedentes.

Por outro lado, o governo de Obama teve o Afeganistão e o Iraque para aprender — e ainda assim ele apoia os Islamistas e jihadistas. Mas agora, o que acontece quando assumem o poder — perseguição religiosa, terror e opressão — já não é um segredo.

A propósito, aqueles que pouco se importam com o destino dos Cristãos ou de outras minorias no mundo Islâmico fariam bem em lembrar de uma simples obviedade: Sempre que elementos anticristãos chegam ao poder, as forças antiamericanas chegam ao poder. Os dois são sinônimos.

Dito de outro modo, a perseguição Muçulmana aos Cristãos é o teste decisivo de quão radical uma sociedade Islâmica pode se tornar. Em todos esses países Muçulmanos que os EUA interferiram — Afeganistão, Iraque, Líbia, Egito (até que os Egípcios se rebelaram, para castigo dos EUA), e agora a Síria — o aumento da intolerância religiosa é um reflexo do fortalecimento das forças hostis à civilização Ocidental.

Muitas vezes me perguntam, “Como podemos ajudar os Cristãos perseguidos?” Neste ponto, deve-se responder:

“Que tal começar fazendo com que o governo dos EUA deixe de ser o principal facilitador da perseguição Cristã?” Deixando o altruísmo de lado, seria do interesse de todos os que prezam a liberdade, religiosos ou não — e, especialmente, seus descendentes.


 

Anúncios

‘SIM, ELES NOS ODEIAM. ISTO DEVE SER DITO’

 Fonte/Source: Fiqh-us-Sunnah, Volume 1: Purification


‘SIM, ELES NOS ODEIAM. ISTO DEVE SER DITO’

 Por Tião Cazeiro

23 de Dezembro de 2017

“O diabo mora nos detalhes”, diz um velho provérbio. 


Alcorão: 33.50
“Ó Profeta, em verdade, tornamos lícitas,
para ti as esposas que tenhas dotado,
assim como as que a tua mão direita possui (cativas),
que Alá tenha feito cair em tuas mãos,
as filhas de teus tios e tias paternas,
as filhas de teus tios e tias maternas,
que migraram contigo, bem como toda a mulher fiel
que se dedicar ao Profeta, por gosto,
e uma vez que o Profeta queira desposá-la;
este é um privilégio exclusivo teu,
vedado aos demais fiéis.
Bem sabemos o que lhes impusemos (aos demais),
em relação às suas esposas
e às que suas mãos direita possuem (cativas),
a fim de que não haja
inconveniente algum para ti.
E Alá é Indulgente, Misericordioso.” [Ênfase adicionada]

Nota: O versículo acima foi trasncrito — ipsis litteris, exceto a ênfase adicionada,—  do site da Comunidade Islâmica da Web. 

Leiam os hadiths abaixo e percebam outros detalhes

Tradução: ‘SIM, ELES NOS ODEIAM. ISTO DEVE SER DITO’

Esse texto foi transcrito do site Islambasics.com. 


A Sharia dividiu a água em quatro tipos:

-1- água mutlaq, [trad., absoluto, ilimitado, irrestrito]

-2- água usada (para purificação),

-3- água misturada com elementos puros e

-4- água misturada com elementos impuros. Devemos discutir cada um deles separadamente.


Volume 1, Página 6b: Tipos de impurezas

Najasah refere-se à substâncias impuras que o Muçulmano deve evitar e lavar em caso de contaminação de suas roupas, corpo e assim por diante. Diz Alá no Alcorão: “Purifique suas vestes” (alMudathar 4); e “Alá ama aqueles que se arrependem e se purificam” (al-Baqarah 222). O Mensageiro de Alá também disse: “A pureza é metade da fé”.

Volume 1, Página 9a: Vômitos de uma pessoa, urina e excremento

Há um consenso entre os estudiosos de que esses objetos são impuros. Mas, uma pequena quantidade de vômito (comumente entendido como uma pequena quantidade de líquido) e a urina de bebês do sexo masculino em fase de amamentação é negligenciada e perdoada. Basta apenas salpicar água sobre a urina de um bebê do sexo masculino em fase de amamentação. [Ênfase adicionada]

Isto é baseado no hadith de Umm Qais:

Ela veio ao Mensageiro de Alá com seu filho ainda não desmamado. Depois de um tempo, o bebê urinou no colo do Profeta. O Profeta, que a paz esteja com ele, pediu um pouco de água e salpicou sobre suas roupas, mas não as lavou completamente. [Ênfase adicionada]

Isto é mencionado por al-Bukhari e Muslim:

‘Ali narrou que o Mensageiro de Alá disse: “A urina de um bebê do sexo masculino deve ser salpicada com água. A urina de um bebê do sexo feminino deve ser lavada completamente“.

Diz Qatadah: “Isto se refere a um bebê do sexo masculino que ainda não começou a comer. Se ele já come, então a roupa deve ser lavada completamente”. [Ênfase adicionada]

Este hadith é mencionado por Ahmad, Abu Dawud, at-Tirmizhi e Ibn Majah. Em al-Fath, Ibn Hajr diz que segue sahih.

Basta salpicar desde que o menino ainda esteja amamentando. Se ele já come alimentos sólidos, sua urina deve ser lavada das roupas e do corpo. Não há desacordo sobre este último ponto. Talvez o motivo dessa isenção para a urina do bebê masculino seja porque as pessoas tendem a carregar seus bebês do sexo masculino a todos os lugares, e seria difícil limpar as roupas devido a urinação frequente. [Ênfase adicionada]

Volume 1, Página 11a: Urina e fezes de animais permitidos para serem ingeridos 

Ambos são considerados impuros. Ibn Mas’ud relatou que o Mensageiro de Alá, que a paz esteja com ele, foi responder o chamado da natureza. Ele pediu ‘Abdullah ibn Mas’ud para trazer três pedras. “Abdullah disse:” Eu não consegui encontrar três pedras, mas encontrei duas pedras e esterco animal e as trouxe para ele. Ele pegou as duas pedras e jogou fora o estrume dizendo: “É impuro”.

O hadith é mencionado por al-Bukhari, Ibn Majah e Ibn Khuzaimah. Em uma narração, afirma: “É impuro. É o estrume de um jumento”. No entanto, uma pequena quantidade disso é perdoada, pois é muito difícil se proteger completamente. Al-Waleed ibn Muslim diz: “Eu disse a al-Auza’i, ‘E sobre a urina dos animais cuja carne é imprópria, como a mula, o jumento e o cavalo?’ Ele disse que costumavam entrar em contato com esses durante suas batalhas, mas que não lavavam de seus corpos ou roupas. Quanto à urina e fezes de animais cuja carne é permitida, Malik, Ahmad e um grupo de Shaifiyyah dizem que são puros. Comentando sobre o assunto, Ibn Taimiyyah diz: “Nenhum dos companheiros considerou impuro. Na verdade, a afirmação de que é impuro é de origem recente e não das primeiras gerações dos companheiros”. [Ênfase adicionada]

Clique na imagem para ler o artigo “SAUDITAS FECHAM LOJA DE URINA DE CAMELO: PROPRIETÁRIO VENDIA SUA PRÓPRIA URINA”

Disse Anas: “Um grupo de pessoas das tribos de Ukul ou Uraina chegou a Medina e ficou doente do estômago. O Profeta ordenou-lhes que conseguissem leite de camelo fêmea e bebessem uma mistura de leite e urina”. Este hadith é mencionado por Ahmad, al-Bukhari e Muslim, e indica a urina de camelo como sendo pura. Portanto, por analogia, a urina de outros animais permitidos também podem ser consideradas puras. Diz Ibn al-Munzhir, “Aqueles que afirmam que isso só era permitido para essas pessoas estão incorretos. A especificação só é confirmada por algumas provas específicas”. Ele também diz: “Os estudiosos permitem, sem qualquer objeção, a venda de fezes de ovelhas e o uso da urina de camelo em seus remédios, tanto no passado como no presente, novamente sem qualquer objeção. Isso mostra que são considerados puros.” Diz ash-Shaukani: “Aparentemente, a urina e as fezes de todos os animais vivos permitidos para alimentação são puras.” Não há nada que prove o contrário. [Ênfase adicionada]


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

QUANDO E POR QUE O OCIDENTE COMEÇOU A ‘DEMONIZAR’ MUHAMMAD

Fonte/Source: When and Why the West Began to ‘Demonize’ Muhammad


QUANDO E POR QUE O OCIDENTE COMEÇOU A ‘DEMONIZAR’ MUHAMMAD

Por Raymond Ibrahim

22 de Janeiro de 2017

PJ Media

Para entender qualquer fenômeno, deve-se primeiro compreender suas raízes. Infelizmente, não só todas as discussões sobre o conflito entre o Islã e o Ocidente tendem a limitar-se à era moderna, como também quando o passado e as origens são aludidas a antítese da realidade é apresentada: ouvimos que o Ocidente — um anacronismo para a Europa, ou melhor ainda, a Cristandade — começou o conflito, demonizando intencionalmente os Muçulmanos pacíficos e tolerantes e seu profeta para justificar suas aspirações “coloniais” no Oriente, que supostamente começaram com as Cruzadas.

O autor mais vendido sobre o Islam e o Cristianismo, Karen Armstrong, resume a visão padrão:

“Desde as Cruzadas, as pessoas no Ocidente veem o profeta Muhammad como uma figura sinistra… Os monges eruditos da Europa estigmatizaram Muhammad como um líder guerreiro cruel que estabeleceu a falsa religião do Islã pela espada. Eles também, com inveja mal disfarçada, o repreendeu como ganancioso e pervertido sexual numa época em que os papas tentavam impor celibato ao clero relutante.”

Que nada poderia estar mais longe da verdade é um eufemismo. Desde as primeiras referências Cristãs aos Muçulmanos no século VII, ao apelo do Papa Urbano à Primeira Cruzada, mais de quatro séculos depois, os “Sarracenos” e seu profeta foram consistentemente abominados.

Assim, escrevendo por volta de 650, John de Nikiu, Egito, disse que os “Muçulmanos” — o Copta é, aparentemente, o primeiro não-Muçulmano a registrar essa palavra — não eram apenas “inimigos de Deus”, mas adeptos da “detestável doutrina da besta”, isto é, Mohammad [sic]”[i] O pergaminho mais antigo que alude a um profeta guerreiro foi escrito em 634 — apenas dois anos após a morte de Muhammad. Ele descreve um homem perguntando a um culto escriba Judeu o que ele sabe sobre “o profeta que apareceu entre os Sarracenos”. O homem idoso, “com muitos gemidos”, respondeu: “Ele está iludindo. Para que os profetas chegam com espadas e carruagens? De fato, esses eventos de hoje são obras da confusão… Você encontrará nada de verdadeiro no dito profeta, exceto o derramamento de sangue humano.”[ii] Outros confirmaram que “não havia verdade para ser encontrada no profeta, apenas o derramamento do sangue dos homens. Ele diz também que tem as chaves do paraíso, o que é incrível.”[iii]

Muhammad é pela primeira vez mencionado pelo nome em um fragmento Siríaco, também escrito em torno de 634; embora apenas as frases dispersas são inteligíveis, todas giram em torno do derramamento de sangue: “muitas aldeias [em Homs] foram devastadas pela matança [dos seguidores] de Muhammad e muitas pessoas foram assassinadas e [levadas] como prisioneiras de Galiléia a Beth… “Cerca de dez mil” pessoas foram massacradas nas “proximidades de Damasco…”[iv] Escrevendo por volta de 640, Thomas Presbyter menciona Muhammad:

“houve uma batalha [Adjnadyn?] entre os Romanos e os Árabes de Muhammad na Palestina, doze milhas a leste de Gaza. Os Romanos fugiram… Cerca de 4.000 aldeões pobres da Palestina foram mortos no local… Os Árabes devastaram toda a região”; eles até “escalaram a montanha de Mardin e mataram muitos monges lá nos mosteiros de Qedar e Bnata”.

Uma homilia Copta, também escrita por volta de 640, aparentemente é o primeiro registro associando os invasores com uma (embora hipócrita) religiosidade. Ela aconselha aos Cristãos a jejuarem, mas não “como os opressores Sarracenos, que se entregam à prostituição, ao massacre e levam ao cativeiro os filhos dos homens, dizendo: “nós dois jejuamos e rezamos”. [V]

Ao final do sétimo e início do século VIII, Cristãos cultos começaram a examinar as reivindicações teológicas do Islamismo. A imagem dos Muçulmanos foi de mal a pior. O Alcorão — aquele “pequeno livro mais desprezível e mais inepto do Árabe Muhammad” — visto como “cheio de blasfêmias contra o Altíssimo, com toda a sua feia e vulgar imundície”, particularmente a pretensão de que o céu equivale a um “bordel sexual” [sic], citando Nicetas Byzantinos, do século VIII, que possuía e estudou de perto uma cópia dele. Alá foi denunciado como uma divindade impostora, para ser específico, Satanás: “Eu anatematizo (excomungo) o Deus de Muhammad”, observa um rito canônico bizantino. [Vi]

Porém foi o próprio Muhammad — a fonte do Islam — que especialmente escandalizou os Cristãos: “O caráter e a história do Profeta genuinamente chocou a todos; ficaram indignados por ser aceito como uma figura venerada.”[vii] De tempos em tempos, nada é tão condenado, Muhammad aos olhos dos Cristãos, quanto a sua própria biografia, escrita e venerada pelos Muçulmanos. Por exemplo, depois de proclamar que Alá permitiu aos Muçulmanos quatro esposas e concubinas ilimitadas (Alcorão 4:3), declarou mais tarde que Alá tinha entregado uma nova revelação (Alcorão 33: 50-52) oferecendo a ele, apenas ao profeta, uma dispensa para dormir e se casar com tantas mulheres quanto quisesse. Em resposta, ninguém menos que sua esposa favorita, Aisha, a “Mãe dos Fiéis”, fez um comentário espirituoso: “Eu sinto que o teu Senhor se apressa em cumprir suas vontades e desejos.” [Viii]

Com base, nessa época, em fontes Muçulmanas, os primeiros escritores Cristãos de origem Semítica — entre eles principalmente São João de Damasco (c. 676) — articulou vários argumentos contra Muhammad que permanecem no cerne de todas as polêmicas Cristãs contra o Islam até hoje. [ix] O único milagre que Muhammad realizou, argumentaram, foi invadir, matar e escravizar aqueles que se recusaram a submeter-se a ele — um “milagre que até assaltantes comuns e bandidos da estrada podem realizar”. O profeta claramente colocou qualquer palavra que melhor lhe servisse na boca de Deus, assim “simulando uma revelação para justificar sua própria indulgência sexual” [x]; tornou sua religião atraente e justificou seu próprio comportamento, aliviando os códigos sexuais e morais dos Árabes e fundindo a noção de obediência a Deus com a guerra para engrandecer a si mesmo com saque e escravos.

Talvez o mais importante seja a negação e a guerra de Muhammad sobre todas as coisas distintamente Cristãs — a Trindade, a ressurreição e a “cruz, que eles abominam” — provou aos Cristãos que ele era o agente de Satanás. Em suma, “o falso profeta”, “o hipócrita”, “o mentiroso”, “o adúltero”, “o precursor do Anticristo” e “a Besta”, tornaram-se epítetos tradicionais para Muhammad entre os Cristãos por mais de mil anos, começando no final do século VII. [xi] Na verdade, para pessoas politicamente corretas ou excessivamente sensíveis que consideram qualquer crítica ao Islamismo “Islamofobia”, a grande quantidade e o conteúdo cáustico de mais de um milênio de escritos Ocidentais sobre Muhammad pode ser muito extraordinário para ser acreditado.

Até os historiadores modernos beneficentes, como o Norman Daniel de Oxford — que de forma cavalheira deixa as palavras mais severas contra Muhammad em seu latim original na sua pesquisa sobre as atitudes Cristãs primitivas para com o Islã — deixa isso claro: “Os dois aspectos mais importantes da vida de Muhammad, acreditavam os Cristãos, eram sua licença sexual e o uso da força para estabelecer sua religião”; para os Cristãos, a fraude foi o montante da vida de Muhammad… Muhammad foi o grande blasfemo, porque fez a religião justificar o pecado e a fraqueza”; devido a tudo isso, “não pode haver dúvida sobre a extensão do ódio Cristão e a desconfiança de Muçulmanos.”

Mesmo as reivindicações teológicas por trás da jihad foram examinadas e ridicularizadas. Em sua entrada por volta de 629/630, Theophanes o Confessor, escreveu:

“Ele [Muhammad] ensinou aos seus súditos que aquele que mata um inimigo ou é morto por um inimigo vai para o Paraíso [Alcorão 9:111]; e disse que nesse paraíso era permitido comer e beber e ter relações sexuais com mulheres, e tinha um rio de vinho, mel e leite e que as mulheres não eram como as daqui, mas diferentes, e que a relação sexual era de longa duração e o prazer contínuo; e outras coisas cheias de libertinagem e estupidez”. [xii]

Da mesma forma, em uma correspondência com um associado Muçulmano, o Bispo Theodore Abu Qurra (c.750), um Cristão Árabe, ironizou:

“Já que você diz que todos aqueles que morrem na guerra santa [jihad] contra os infiéis vão para o céu, você deve agradecer aos Romanos por matarem tantos de seus irmãos”. [xiii]

Em suma, a narrativa generalizada de que as visões Europeias de Muhammad como uma “figura sinistra”, um “cruel senhor da guerra” e um “ganancioso e pervertido sexual” começaram como pretexto para justificar a cruzada do século XI, que é a fonte de todas as desgraças entre o Islam e o Ocidente — é uma absoluta mentira. Quanto mais cedo, mais pessoas no Ocidente entenderem isso — compreenderão as raízes da animosidade — mais cedo a verdadeira natureza do conflito atual (ou melhor, em andamento) se tornará clara.

———————–

[i] Donner, Fred (ed), The Expansion of the Early Islamic State, 2008, 122.

[ii] Ibid., 115

[iii] Hoyland, Robert G, Seeing Islam as Others Saw It, 1997, 57.

[iv] Ibid., 117.

[v] Ibid., 119-121.

[vi] Bonner, Michael (ed), Arab-Byzantine Relations in Early Islamic Times, 2004, 217-226; see also John Tolan, Saracens, 2002, 44.

[vii] Daniel, Norman,  Islam and the West: The Making of an Image, 1962, 67.

[viii] Sahih Bukhari 6:60:311.

[ix] Muitos acadêmicos modernos retratam esse fato — que as polêmicas feitas pela primeira vez contra o Islam continuaram sendo feitas com pouca variação séculos mais tarde — como prova de que os Cristãos medievais copiaram e imitaram os primeiros argumentos contra o Islam sem muita reflexão. Pelo contrário, porque essas polêmicas anteriores eram tão abrangentes e bem pensadas, continuam a ser citadas até hoje por ex-Muçulmanos como motivo para apostatar. [Daniel, 4.

[xi] All quotes from John of Damascus, in Bonner, 217-226.

[xii] The Chronicle of Theophanes, trans. Cyril Mango, 1997, 465.

[xiii] Bonner, 223


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

ESTADO ISLÂMICO JURA MASSACRAR CRISTÃOS: “ALÁ DEU ORDENS PARA MATAR TODOS OS INFIÉIS”

Fonte/Source:  Islamic State vows to massacre Christians: “Allah gave orders to kill every infidel”


Nota do blog: Estou revendo alguns artigos “antigos” interessantes e reeditando. Alguns são impressionantes, como este…


ESTADO ISLÂMICO JURA MASSACRAR CRISTÃOS: 
"ALÁ DEU ORDENS PARA MATAR TODOS OS INFIÉIS"

Por Robert SPencer

22 de Fevereiro de 2017

“O narrador continuou dizendo que os Cristãos não eram mais considerados  ‘Dhimmis’ — um termo usado no Islã referente aos não-Muçulmanos que gozam de um grau de proteção estatal. Em vez disso, o grupo descreve os Cristãos Egípcios como “infiéis que estão capacitando o Ocidente contra nações Muçulmanas”.

Essa é a lei Islâmica: os Cristãos, entre outras “Pessoas do Livro” podem gozar da “proteção” do Estado Islâmico caso se submetam, paguem a jizya e aceitem outras regulamentações humilhantes e discriminatórias projetadas para garantir que se “sintam subjugados” (Qur’an 9:29).

Mas, se violarem esse contrato de “proteção”, se tornarão kuffar harbi, infiéis em guerra com o Islã, e suas vidas são confiscadas.

Mas será que Alá deu ordens para matar todos os infiéis? Variações sobre a declaração “mate-os onde quer que os encontre” estão no Alcorão: 2: 191, 4:89 e 9: 5.

“’Alá deu ordens para matar todos os infiéis’, ISIS promete massacrar os Cristãos em vídeo arrepiante”, por Sofia Petkar, Express, 21 de Fevereiro de 2017:

“Os militantes do ISIS no Egito ameaçaram aumentar os ataques contra os Cristãos no país, prometendo “libertar” o Cairo, em um novo vídeo assustador….

No clipe de 20 minutos, o grupo escolheu proeminentes Cristãos Egípcios, identificando o Papa Copta e um número de empresários ricos como “presas preferidas” do grupo.

A filmagem apresenta um jihadista mascarado, identificado como Abu Abdallah al-Masri, que promete ver a libertação dos Islâmicos presos quando o grupo tomar o controle da capital.

Al-Masri — que significa “O Egípcio” — foi o nome de guerra que o ISIS deu ao militante por trás do atentado suicida na Catedral de São Marcos.

No vídeo, o militante é visto agarrado a um rifle de assalto num campo de trigo.

Ele diz: “Finalmente, aos meus irmãos em cativeiro: alegre-se, você que acredita, não hesite ou lamente. Juro por Alá que em breve libertaremos o Cairo e o libertaremos do cativeiro.”

“Vamos chegar com explosivos, juro que vamos, por isso, você que acredita, alegre-se.”

O narrador continua dizendo que os Cristãos não são mais “Dhimmis” — um termo usado no Islã em referência aos não-Muçulmanos que gozam de um grau de proteção do Estado.

Em vez disso, o grupo descreve os Cristãos Egípcios como “infiéis que estão capacitando o Ocidente contra nações Muçulmanas”.

Um dos militantes, portando um rifle de assalto AK-47, diz no vídeo: “Alá deu ordens para matar todos os infiéis.”

“Oh, adoradores da cruz, os soldados do estado estão observando você”, diz outro militante mascarado — identificado como Abu Zubair al-Masri.

O vídeo também contém o novo logotipo do grupo — “Estado Islâmico no Egito” — em oposição à “Província do Sinai”, o nome original para a presença do ISIS no país.”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

XIITA VERSUS SUNITA

Fonte/Source: Shia vs. Sunni: The Schism Western Politicians Don’t Understand and Won’t Discuss


Arte final da batalha de Chaldiran (1514)
XIITA VERSUS SUNITA:
O CISMA QUE OS POLÍTICOS OCIDENTAIS
NÃO COMPREENDEM E NÃO DISCUTIRÃO

Por JOHN HAYWARD

Publicado originalmente pela Breitbart News em 25 Maio 2017


Os políticos Ocidentais raramente reconhecem o cisma entre o Islamismo Xiita e Sunita. Não há nada remotamente comparável a este cisma em qualquer outra religião no mundo moderno.

O conflito Sunita-Xiita define a estrutura política do Oriente Médio, da rivalidade internacional entre o Irã e a Arábia Saudita à política interna das nações Muçulmanas. No entanto, os políticos Ocidentais, ansiosos por retratar o Islã como uma “religião de paz”, falam dos Muçulmanos como homogêneos.

No cerne do politicamente correto, o Islã é tratado mais como uma raça do que uma religião, um bloco étnico monolítico como “Hispânicos” ou “Asiáticos”. Ambos os grupos são, por sua vez, populações diversas absurdamente espremidas em monólitos para a conveniência dos estrategistas políticos de esquerda.

Na verdade, existem Muçulmanos Xiitas que pensam que os Sunitas não contam como Muçulmanos, e vice-versa. Adeptos das seitas mais extremas dentro das escolas Sunitas e Xiitas consideram os seguidores moderados da mesma tradição basica como apóstatas.

A divisão Sunita-Xiita

Poucos políticos Ocidentais sabem alguma coisa sobre o conflito Sunita-Xiita, que brota de uma disputa doutrinária que pode parecer trivial aos alienígenas modernos. Quando Muhammad morreu, no Século 7, houve um profundo desacordo entre os primeiros seguidores do Islã sobre quem deveria suceder-lhe como líder.

O coração do conflito Sunita-Xiita revela que os Sunitas pensavam que o novo líder ou “califa”, Abu Bakr, deveria ser eleito e escolhido por ter sido amigo íntimo de Muhammad (Maomé). O líder do Estado Islâmico (ISIS), que se intitula “califa” ou governante de todos os verdadeiros Muçulmanos, chama-se “Abu Bakr al-Baghdadi” em homenagem ao primeiro califa. Seu nome verdadeiro é Ibrahim Awwad Ibrahim al-Badri.

O grupo dissidente que agora conhecemos como Xiitas insistiu que apenas um parente de sangue de Muhammad estava apto a liderar, apoiando assim Ali bin Abu Talib, que era primo de Muhammad e genro. Ali realmente assumiu como califa depois que Abu Bakr morreu, logo seria mais exato dizer que a rixa duradoura dentro de Islã foi causada pela aprovação da liderança de Ali e o argumento sobre seu sucessor.

Uma grande parte da política tribal do século VII girou em torno deste conflito, tornando-o mais complexo que qualquer breve resumo pudesse capturar. Entre outros fatores, houve o desenvolvimento do Islã numa religião guerreira, levando à rivalidade de clãs e argumentos viciosos sobre espoliação. As lealdades pessoais a Ali ou a seus rivais também desempenharam um papel.

Mas isso é um cisma religioso, não uma questão para estimular o debate entre historiadores. Os Xiitas acreditam que roubar a liderança dos descendentes de Muhammad/Maomé configurou apostasia, um pecado contra a verdadeira fé.

Ali foi assassinado, esfaqueado na testa com uma espada venenosa enquanto rezava. Os Xiitas modernos ainda fazem uma peregrinação à mesquita onde acreditam que ele morreu e está enterrado, localizado no que é agora o Iraque. A cidade onde está localizado, Najaf, tem sido palco de muito derramamento de sangue sectário. O governo Sunita do ditador Iraquiano Saddam Hussein enfureceu uma geração de Xiitas por abusar da mesquita Imam Ali.

Ali sequer ganhou o título de “califa” numa eleição. Abu Bakr só reinou por alguns anos antes de morrer. Ali conseguiu o cargo depois que o segundo sucessor de Abu Bakr, o califa Uthman, foi morto por suas próprias tropas na cidade sagrada Muçulmana de Medina. Uma razão pela qual a divisão Sunita-Xiita é tão amarga deve-se ao fato de que os Sunitas da época estavam furiosos com Ali por aceitar o título de califa em vez de punir os assassinos de Uthman.

Seguidores de Uthman pensaram que Ali cometeu atos de blasfêmia e arrogância contra o verdadeiro Islã, e os seguidores de Ali sentiram o mesmo sobre a elite Sunita. Um ponto importante da disputa, e permanece, era se Ali jurou e quebrou o juramento obrigatório de lealdade à hierarquia Sunita e aos califas que vieram antes dele.

Não se trata aqui de uma pequena disputa sobre a vida e os tempos de um personagem histórico morto há muito tempo, mas uma questão profunda de legitimidade religiosa.

O Irã ainda acredita que sua teocracia tem autoridade legítima sobre o Islã de linhagem Xiita que descende de Muhammad/Maomé, por exemplo. Um dos candidatos na recente eleição presidencial Iraniana, o clérigo Ebrahim Raisi, usa um turbante preto para significar que ele é um sayed, um descendente de Muhammad. Raisi escolheu o verde como a cor da campanha porque queria trazer de volta a cor dos manifestantes seculares do “Movimento Verde” e restaurar seu “verdadeiro significado” como a cor dos “netos revolucionários do Profeta”. Estes netos tentaram uma revolução contra o Primeiros califas Sunitas. Eles não morreram de velhice.

Sunitas e Xiitas compartilham muitas crenças essenciais, mas mesmo suas crenças compartilhadas podem ser fontes de tensão. Tanto Sunitas como Xiitas fazem peregrinações às cidades santas da Arábia Saudita. O Irã frequentemente castiga os Sunitas Sauditas pela gestão da peregrinação anual a Meca (Hajj), alegando discriminação contra os Xiitas além do pobre gerenciamento do evento.

A família real da Jordânia é vista por alguns analistas como chave para unir a divisão Sunita-Xiita, porque a dinastia reinante Hachemita da Jordânia Sunita reivindica a descendência direta da família de Muhammad, satisfazendo o critério Xiita para a liderança autêntica do Islã. Infelizmente, isso também significa que o regime Jordaniano consegue desfrutar do ódio violento de extremistas Sunitas e Xiitas. O Estado Islâmico Sunita infamemente queimou vivo numa gaiola um piloto Jordaniano capturado e espalhou a imagem através da Internet como um de seus vídeos favoritos de propaganda. Funcionários Jordanianos, no entanto, disseram que consideram a República Islâmica do Irã como uma ameaça maior à sua segurança do que ISIS ou outros extremistas Sunitas.

Minorias não-Sunitas

O ditador da Síria, Bashar Assad, é membro da minoria Alauíta, uma subseção do Islã Xiita. Os Alauítas só representam cerca de dez por cento da população da Síria, mas o regime de Assad, sob o governo de Bashar e seu pai Hafez, consolidou o poder ao nomear Alauítas para altos cargos governamentais. A grande maioria da população Síria não é Alauíta, nem mesmo Xiita, mas Sunita. Bashar Assad responde frequentemente à crítica por sua brutalidade, apontando para sua história de proteção às minorias religiosas Sírias, incluindo Cristãos, e observando que ele pertence a uma minoria.

Qual é a diferença entre um Alauíta e um Xiita? Há muitas diferenças pequenas no costume e na tradição, mas a diferença principal diz respeito ao Imam Ali. Lembre-se que os Xiitas reverenciam Ali como o líder legítimo do Islã que deveria ter sucedido Muhammad/Maomé, e foi divinamente martirizado na morte, enquanto os Sunitas o consideram como um traidor. Os Alauítas acreditam que ele era Deus encarnado. Alguns líderes religiosos Sunitas os consideram “piores infiéis do que Cristãos e Judeus”, como disse um proeminente clérigo da Irmandade Muçulmana Sunita em 2013 quando pedia uma jihad Sunita contra eles.

Outra ramificação do Islã que muitas vezes sofre discriminação e violência de outros Muçulmanos é a seita Sufi. Os Sufis não são Sunitas nem Xiitas — ou podem dizer que são ambos, uma vez que tanto o Islã Sunita quanto o Xiita possuem ramificações Sufis. Isso os torna uma minoria maltratada em ambas as nações Xiitas como o Irã e países Sunitas como o Egito.

O Sufismo é mais definido por sua abordagem do que por doutrinas específicas, ao contrário do modo como os Sunitas e Xiitas ou Xiitas e Alauítas são distinguidos. Os Sufi modernos têm uma reputação de mansidão e moderação, embora fossem uma força militar formidável no passado. Os famosos “dervixes dançantes”, espadachins da antiguidade, foram uma invenção Sufi. Dervishes continuam girando, mas agora a prática é vista como performance art ou uma forma de meditação em movimento, como o tai chi.

Os Sufis são geralmente menos interessados em interpretações estritas do Alcorão e Sharia, a lei Islâmica, o que os torna desprezados pelas seitas hardcore Islâmicas. Às vezes são acusados de diluir o puro Islã com mumbo-jumbo místico, (Nota do tradutor: palavras ou atividades que parecem complicadas ou misteriosas, mas que não têm significado místico real), ou de servir como agentes para as potências Ocidentais, buscando subverter e “domesticar” o verdadeiro Islã como parte de uma agenda imperialista Ocidental.

Nenhuma dessas ramificações do Islã são em si homogêneas. Existem dezenas de diferentes ordens Sufis, por exemplo. Algumas delas são de natureza militante ou política, contrariamente à impressão geral dos Sufis como místicos pacíficos.

Minorias Sunitas

Uma escola do Islã Sunita que se tornou cada vez mais importante para a política Americana e Européia é o Hizmet, um grupo altamente organizado fundado e liderado por um Imam chamado Fethullah Gulen. O governo da Turquia vê Hizmet como algo muito organizado, processando-o (literalmente) como uma vasta conspiração criminosa que tentou derrubar o presidente Recep Tayyip Erdogan no ano passado. O governo Turco refere-se ao Hizmet como “FETO”, uma acrônimo para “Fethullah Terrorist Organization”. As relações diplomáticas da Turquia com a Europa e os Estados Unidos foram abaladas pela perseguição ao Hizmet e Gulen, que vive na Pensilvânia.

O Islã Sunita também inclui um movimento conhecido como Salafi, os fundamentalistas Islâmicos. Os Salafistas acreditam que Muhammad/Maomé e, em menor grau, suas duas primeiras gerações de descendentes, eram seres humanos perfeitos que deveriam ser imitados em todos os aspectos, incluindo roupagem e  higiene pessoal. O Salafismo inclui suas próprias subseções, ainda mais primitivas e regressivas, incluindo o Islamismo Wahabbi promovido pela Arábia Saudita e o sistema de crenças apocalípticas do Estado Islâmico (ISIS).

“Primitivo” não é um termo pejorativo — os Muçulmanos Wahabbi literalmente abraçam o estilo de vida primitivo do sétimo século, época em que Maomé viveu. Sua hostilidade à modernidade é um de seus atributos determinantes. Outra é a sua hostilidade a todas as outras variações do Islã, incluindo definitivamente os Xiitas.

A rápida disseminação das crenças Salafistas por meio de redes bem financiadas, abertas e secretas  — madrassas Salafistas e agentes de influência enviados para se infiltrarem nas escolas Islâmicas mais moderadas — é uma das principais preocupações de segurança da nossa era, para aqueles analistas e oficiais que não ficaram intimidados com a discussão.

O Islã e o Ocidente

Isso nos leva de volta ao problema de esterilizar o Islã tratando-o como homogêneo. A Irmandade Muçulmana Sunita foi considerada como uma organização terrorista pelo governo dos EUA, mas seus defensores dizem que nem mesmo a Irmandade é uma entidade única. Eles insistem que existem muitas ramificações, muitas das quais não podem ser consideradas como extremistas ou terroristas.

Com certeza, nem todos os Muçulmanos sentem essa animosidade doutrinária. Seria um jogo de tolo dizer que “a maioria faz” ou “a maioria não”, dado o tamanho da população Muçulmana global, as diferenças entre Muçulmanos de diferentes nacionalidades e origens étnicas e os efeitos da emigração e assimilação.

Em seu discurso na Arábia Saudita, o presidente Trump observou que os Muçulmanos são muitas vezes vítimas do terrorismo Islâmico:

Em números absolutos,  o maior número de vítimas foi exigido das pessoas inocentes das nações Árabes, Muçulmanas e do Oriente Médio. Eles têm suportado o peso das mortes e o pior da destruição dessa onda de violência fanática. Algumas estimativas sustentam que mais de 95% das vítimas do terrorismo são Muçulmanas.

Isso é verdade, mas também uma imagem incompleta do problema. Os Muçulmanos abusam e se matam uns aos outros por causa de conflitos doutrinários numa escala horrível. A maior parte dessa violência e opressão não é “terrorismo”. Ela vem de conflitos militares e de medidas de repressão do governo contra minorias religiosas.

As contendas sectárias são uma das razões pelas quais tantos grupos rebeldes Sírios vistos favoravelmente pelo Ocidente estão dispostos a se aliarem com a Al-Qaeda e outras organizações terroristas. No Iraque, há Sunitas que vivem em território capturado pelo ISIS que abertamente acolheu seus macabros conquistadores, ou pelo menos estavam relutantes de trabalhar com o governo Iraquiano, porque desconfiavam do mesmo, — agora dominado por Xiitas, — e estavam aterrorizados com as milícias Xiitas apoiadas pelo Irã operando na região.

No Bahrein, o governo está sob fogo para reprimir a maioria Xiita de sua população, com cinco mortos numa recente investida policial contra uma comunidade Xiita. A monarquia Bahreinita, por sua vez, acusa com razão o Irã de tentar desestabilizar o país exacerbando tensões Sunitas-Xiitas. Os Sunitas do Bahrein temem ser brutalizados numa escala épica caso os Xiitas derrubem o governo.

Tudo isso se reverte em problema para os Estados Unidos porque nossos interesses nacionais no Oriente Médio estão emaranhados inexoravelmente com o cisma Sunita-Xiita. Bahrein, por exemplo, é a casa estrategicamente vital para a 5 ª frota dos EUA. Os Xiitas se ressentem da América por apoiarem a monarquia Sunita. Os estrategistas militares Americanos estão compreensivelmente nervosos com a perspectiva de alugar uma base para a 5ª Frota de um Bahrein pós-revolucionário que seria um satélite Xiita do Irã, para não falar do efeito em cascata que uma guerra religiosa teria sobre outros aliados Sunitas na região.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Israel Não Está No Oriente Médio

Fonte/Source: Israel Isn’t in the Middle East


Israel Não Está No Oriente Médio

Por Daniel Greenfield

23 de Maio de 2017

FrontPage Magazine

A mídia fake news decidiu cobrir a visita do Presidente Trump exclusivamente em termos de…

  1.  A mão de Melania

  2. Trump afirmando que voltou do Oriente Médio enquanto estava em Israel

As questões envolvendo Arábia Saudita e Israel não importam. Só o sarcasmo superficial é que vale. Todos “sabem” que Israel está no Oriente Médio, desde os anfitriões de talk shows noturnos até os seus colegas de mídia igualmente bem informados.

Exceto que em sua definição original, Israel não está no Oriente Médio. O termo tem sido usado para incluir vários grupos de países. Num extremo, englobaria o Afeganistão. No outro, um território muito menor perto da Índia.

A mídia irônica, na expectativa de mostrar a ignorância do Presidente Trump, só consegue exibir a si mesma.

Mas o presidente Trump estava falando emocionalmente e culturalmente. Israel não está no mesmo espaço cultural da Arábia Saudita. O grande líder Sionista Jabotinsky falou do Sionismo como um movimento para “expandir as fronteiras da Europa até o Eufrates”.

Isso é um pouco simplista. Mas Israel é fundamentalmente diferente de grande parte de uma região em que a civilização foi invadida e destruída por ondas de invasores Muçulmanos. Israel tem uma posição geográfica. Mas culturalmente é a única nação que ainda engloba uma civilização baseada em sua população nativa, ao invés dos invasores Muçulmanos Árabes que destruíram a civilização em todo o Oriente Médio.

Israel é o que o Oriente Médio deveria ser. A Arábia Saudita, de onde Trump tinha chegado, é o que o Oriente Médio é muitas vezes.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Breitbart News Daily: Pamela Geller Analisa A Visita Do Presidente Trump Ao Oriente Médio – Geller Report

Fonte/Source: Breitbart News Daily: Pamela Geller Reviews President Trump’s Visit to MidEast – Geller Report


Breitbart News Daily: Pamela Geller Analisa A Visita Do Presidente Trump Ao Oriente Médio – Geller Report

Por Pamela Geller

22 de Maio de 2017

Minha conversa hoje pela manhã com  Alex Marlow na rádio Breibart pode ser ouvida aqui (em Inglês).


Entendo muito bem que o Presidente Trump estava em uma missão diplomática, mas ele não precisava ir tão longe a ponto de dizer: “Toda vez que um terrorista assassina uma pessoa inocente e invoca falsamente o nome de Deus” e “Isso não é uma batalha entre diferentes crenças, diferentes seitas ou diferentes civilizações“. Isso está descaradamente errado


Eis aqui a transcrição feita pela Breitbart:

PAMELA GELLER: TRUMP RECEBE NOTA MÁXIMA PELO DISCURSO EM RIYADH, MAS ERRA AO DIZER QUE TERRORISTAS NÃO ESTÃO INVOCANDO O ALCORÃO

Por John Hayward, Breitbart News, 22 de Maio de 2017

Pamela Geller, Diretora da American Freedom Defense Initiative, comentou a visita do Presidente Donald Trump ao Oriente Médio com o apresentador Alex Marlow da SIRIUSXM no programa da Breitbart News Daily.

“Foi um bom discurso”, disse Geller sobre as declarações do Presidente Trump em Riyadh na Arábia Saudita durante o fim de semana. “O presidente Obama tinha colocado uma marca tão baixa que apenas a menção do terror Islâmico já é motivo de júbilo. Isto mostra o quão ruim a situação está.” [Ênfase feita pela Breitbart em todos os excertos a seguir]

“Foi uma mistura heterogênea. Espero que ele siga em muitas dessas iniciativas. Esses novos centros para combater a ideologia extremista — de novo, o medo de não nomear o motivo, de uma ideologia sem um motivo, é profundamente preocupante”, disse Geller.

“É claro que as declarações do Rei Salman foram tão fortes e reveladoras quanto as do Presidente Trump”, acrescentou. “A ideia de que ele não fala sobre os ensinamentos e textos Islâmicos que incitam a jihad, e não fala sobre a doutrina jihadista. Ele passa o tempo todo nos dizendo, pregando para nós, que o Islã é uma religião de paz e que tem uma história de coexistência. Não sei de que período está falando porque durante 1400 anos, os infiéis, Cristãos e Judeus, foram forçados a viverem em dimmitude sob a negação dos direitos humanos básicos”.

“E, é claro, o Rei Salam cita aquela famosa frase do Alcorão que o CAIR cita, que o Presidente Obama cita, que se você salvar uma vida você salva o mundo inteiro — quando, na verdade, isso é um verso Talmúdico que foi plagiado pela religião Islâmica, e é realmente uma ameaça implícita ao povo Judeu. Nós não temos que entrar em detalhes, mas todo o discurso do Rei Salman foi uma engodo,” acusou Geller. (CAIR é o Conselho sobre Relações Americano-Islâmicas, uma organização política nos Estados Unidos).

Estou muito feliz pelo Presidente Trump ter falado sobre a luta contra o ISIS, porque de acordo com os e-mails vazados de Hillary Clinton, os Sauditas e o Qatar estavam abastecendo o ISIS. Eles não podem continuar jogando em ambos os lados, o que os Sauditas fizeram brilhantemente por décadas“, disse Geller.

Então, quando o Presidente Trump diz: Expulse-os das mesquitas’, isto é complicado, porque como os países que vivem sob o domínio Muçulmano vão expulsar os mais devotos das mesquitas? É aí que eu acho que o Presidente Trump entendeu errado, quando disse que os terroristas invocavam falsamente o nome de Deus. Não, eles não estão. Eles estão citando capítulo e verso do Alcorão. Essa foi uma informação enganosa“, disse Geller.

“Isso é puro Islã. É o Islã autêntico”, ela insistiu. “quero dizer, quando ele diz que os terroristas não adoram Deus; eles adoram a morte — isso não é verdade. Eles estão morrendo pela causa de Alá. Eles não estão gritando ‘Morte akbar’ eles estão gritando ‘Allahu akbar.’ Eles rezam cinco vezes ao dia. Se você olhar os vídeos do ISIS, eles rezam depois de matarem pela causa do Islã”.

“Abu Bakr al-Baghdadi, o Califa do Estado Islâmico, tem um Ph.D. e um mestrado em teologia Islâmica da universidade líder mundial Islâmica “, afirmou. “Os líderes Ocidentais presumem que sabem mais do que ele sobre o Islã?”

Geller continuou dizendo “enfaticamente que a batalha entre o bem e o mal era uma declaração extraordinária, maravilhosa” no discurso de Trump em Riyadh.

“Mesmo que a Casa Branca tenha divulgado o texto chamando isso de” extremismo Islamista”, ele disse “extremismo Islâmico”. Este é um ponto importante porque a palavra “Islamista” é uma palavra ridícula. Não significa nada, exceto que a pessoa que o usa não quer ofender o Islã falando verdades indesejáveis ​​sobre a natureza política dessa religião”, ela argumentou.

Em suma, foi um ‘A’, classificou assim o discurso de Trump.

Marlow observou que o Trump surpreendentemente removeu o qualificador do terrorismo Islâmico “radical” e se referiu simplesmente ao “terrorismo Islâmico” diretamente.

“Foi brilhante”, disse Geller, zombando de como os meios de comunicação adversários criticaram Trump por se recusar a denunciar o “terrorismo Islâmico radical” como se estivesse se afastando de sua retórica de campanha, quando, de fato, o que ele disse no discurso de Riyadh foi ainda mais contundente e direto.

Ela também zombou de um destaque da CNN que levou Trump a se explicar por supostamente falhar em discutir os direitos humanos na Arábia Saudita.

“Oh, meu Deus — exclamou ela. “Você tinha o Presidente Obama, que estava ajudando e estimulando os assassinos em massa, que nunca pronunciou a palavra, que deu bilhões para um dos piores violadores dos direitos humanos no planeta, o Irã — e essa foi a principal notícia na CNN — tipo desprezaram os direitos humanos nos países Muçulmanos! É extraordinário. A cobertura é quase kafkiana. “

Geller disse que era “absolutamente agradável” assistir a luta da mídia para chegar a falar de pontos que retratam a viagem de Trump ao Oriente Médio como um fracasso.

“Ele acabou de entregar aos Sauditas a maior negociação de armamentos, — e claro, sabemos que é realmente por causa do Irã. O Irã está lutando contra os Sauditas no Iêmen”, observou. “O Presidente Barack Obama iria insistir muito nisso, que as maiores vítimas desse extremismo são os próprios Muçulmanos. Essa é uma falsa narrativa porque os Sunitas versus Xiitas — você viu isso com o ISIS quando alinhavam suas vítimas e faziam perguntas específicas sobre o Islã. Os Sunitas não pensam que os Xiitas são Muçulmanos, e os Xiitas não pensam que os Sunitas são Muçulmanos. Eles estão lutando para provar quem é o verdadeiro Muçulmano. Quando o Ocidente diz: “Oh, eles estão matando Muçulmanos” — mais uma vez, isso está em sua mente, mas não na mente dos Sunitas e não na mente dos Xiitas.”

“Estou preocupada com essa negociação de armamentos”, acrescentou. “O inimigo comum do Irã e dos Sauditas, claro, é Israel. Agora, os Sauditas precisam de Israel porque o Irã foi recentemente encorajado, recém-enriquecido e recém armado, graças ao Presidente Obama. Isso é muito assustador. Onde estarão as leis das consequências não intencionais?”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Professor de Georgetown, Jonathan Brown, Promove “Discriminação Religiosa” Contra Judeus

Fonte/Source: Georgetown professor Jonathan Brown promotes “religious discrimination” against Jews


Professor de Georgetown, Jonathan Brown, Promove  “Discriminação Religiosa” Contra Judeus

Por PAMELA GELLER

18 de Maio de 2017

A radicalização dos colégios e universidades da nossa nação continua em ritmo acelerado. A propaganda antissemita, de extrema esquerda, já está institucionalizada no meio acadêmico. A retórica mais repulsiva está sancionada sob a aparência de “liberdade de expressão”, enquanto vozes corajosas pela liberdade estão na lista negra. Eu e meus colegas fomos proibidos de falar, na maior parte. E nos raros momentos em que somos convidados, surge um pandemônio violento e cruel. Robert Spencer na Universidade de Buffalo, Milo em Berkeley ou a minha palestra no Brooklyn College demonstram o que enfrentamos. E, no entanto, Linda Sarsour, uma ativista terrorista pró-jihad e cruelmente antissemita, foi convidada para discursar na inauguração da CUNY (Universidade da Cidade de New York), onde estaremos protestando no dia 25 de Maio.

Professor Jonathan Brown é publicamente conhecido pelo seu ódio aos Judeus, com uma longa história de agitação antissemita. Sua esposa é filha do líder Palestino da Jihad Islâmica Sami al-Arian.

“Professor de Georgetown, Jonathan Brown, promove amplo comício pela ‘discriminação religiosa’ contra os Judeus”, Canary Mission, 18 de Maio de 2017:

Jonathan Brown [Jonathan A.C. Brown] demonizou os Judeus Israelenses e o Judaísmo. Sugeriu que o conflito Palestino-Israelense poderia ser resolvido se os “Judeus em Israel” apenas fossem informados de que “não estão autorizados a tomar as coisas que não lhes pertencem”.

Em Fevereiro de 2017, Brown se viu envolvido em controvérsias depois de ser acusado de apoiar o sexo não-consensual e a escravidão nos primórdios do Islã. O incidente é detalhado mais adiante neste perfil.

Brown endossou ataques ao movimento de Boicote, Desinvestimento, Sanções (BDS) contra Israel, sob o disfarce de apoio aos “direitos humanos”.

Brown é titular e Professor Associado de Civilização Islâmica na Georgetown University (Georgetown), e Presidente da Alwaleed bin Talal de Civilização Islâmica da Escola de Georgetown de Serviço Exterior (SFS). Brown é também Diretor do Centro Príncipe Alwaleed bin Talal para a Compreensão MuçulmanoCristã da Universidade de Georgetown (CMCU), parte integrante da SFS. O CMCU é conhecido por suas ligações com o governo Saudita.

Brown é genro de Sami Al-Arian, ex-Professor da Universidade do Sul da Flórida (USF), que foi revelado em 2006 como líder da Jihad Islâmica Palestina (PIJ), uma organização terrorista especialmente designada. O governo dos Estados Unidos deportou Al-Arian para a Turquia em 2015. A esposa de Brown, Laila Al-Arian, é produtora sênior da Al-Jazeera.

Demonizando Judeus Israelenses

Em 26 de Fevereiro de 2015, num simpósio multi-denominacional produzido pela Organização de Estudos de Política (PSO) intitulado: “Política Religiosa No Oriente Médio: A Dimensão Religiosa Do Conflito Israel-Palestina” — Brown disse: “O problema é que a criatura político Israelense, o establishment político Israelense, não disse aos Judeus em Israel que eles não têm permissão para tomar as coisas que não lhes pertencem e isto é, eu acho, um problema fundamental… se você puder dizer às pessoas que a sua crença religiosa não lhe dá o direito de tomar as posses de outra pessoa. Ok? Então, se isso fosse estabelecido, acho que mudaria completamente, você sabe, a realidade em 180 graus.”

Promovendo A Segregação Baseada Na Fé

Em 26 de Fevereiro de 2015, no simpósio acima mencionado, Brown sugeriu que os Americanos teriam que superar sua “alergia à idéia de discriminação religiosa” se quisessem prever um fim realista para o conflito entre Israelenses e Palestinos. Brown continuou dizendo que, mesmo no contexto de um Estado democrático totalmente secular, seria “absolutamente desastroso” para os Muçulmanos Palestinos ou Cristãos Palestinos se “um Judeu tivesse permissão” para entrar nos lugares sagrados de outras religiões “e começar a orar no local”. Brown disse que “precisamos aceitar que” Jerusalém pode ter que se tornar uma “cidade muito dividida sob algum tipo de controle internacional ou… externo”.

Mais tarde, Brown destacou a percepção Palestina de estar sendo “invadida” pelos Judeus Israelenses e assumiu como fato que uma “noção clara de fronteiras e separações estáveis” levaria a uma “atmosfera cosmopolita” e ajudaria a “construir confiança”.

No início do simpósio, Brown disse: “não quero dizer que não se trata de uma questão religiosa, porque penso que isso está muito claro — especialmente da perspectiva Judaica e Cristã, — Mas acho que, na verdade, do ponto de vista Árabe/Muçulmano nem tanto.”

Brown argumentou que “se você pudesse simplesmente apagar a religião da mente dos Palestinos, ainda teriam todos os problemas que têm agora” e “o problema ainda não seria resolvido”. Brown também afirmou que a disposição dos fundamentalistas Islâmicos para lutar ao lado dos Árabes seculares contra Israel mostrou que os fundamentos do conflito não eram religiosos.

Brown mais tarde afirmou: Acho que a religião é a superestrutura e as questões não resolvidas sobre controle e usurpação de direitos e terra e poder e direitos— esses são os verdadeiros problemas”.

Apresentando BDS Como Um Dever Muçulmano

Em 4 de Novembro de 2016, num podcast intitulado Congruência Difusa: A Experiência Americana Muçulmana“, Brown insinuou que os Muçulmanos têm a responsabilidade religiosa de promover o BDS. Depois de listar as várias afiliações religiosas, culturais e profissionais de algumas pessoas que apóiam o BDS — destacando especialmente alguns Judeus, — Brown prosseguiu dizendo: “Quem são os que estão indo contra o BDS e o enfraquecendo agora? São os jovens Muçulmanos. Pense nessa desgraça.” (7:20).

Brown fez esses comentários com o intuito de acabar com o projeto de diálogo Judeu-Muçulmano conhecido como a Iniciativa de Liderança Muçulmana (MLI), que foi fundada pelo Imam Abdullah Antepli, o primeiro capelão Muçulmano da Universidade Duke. MLI é um programa educativo para Muçulmanos Americanos para “entenderem por que os Judeus acreditam no que acreditam, como os Judeus vêem sua história, por que os Judeus são tão apegados a esta disputa de terra (Israel) — e assim se envolver melhor com os Judeus Americanos”. Para Antepli, “MLI tem como objetivo colocar os principais Judeus Americanos em conversa com seus homólogos Muçulmanos”.

Brown disse não ter nenhum problema com os jovens Muçulmanos “dialogando” com Judeus ou Sionistas “em qualquer lugar”. No entanto, disse que, uma vez que os organizadores “insistiram” que o programa fosse realizado em Israel, “deveria revelar qual é o verdadeiro objetivo… interromper o boicote, já que estão lá.”

Exigindo Que Israel Entregue o “Poder”

No mesmo podcast, após argumentar que a segregação religiosa é um pré-requisito necessário para confiar na construção, Brown argumentou que a base para o conflito Árabe-Israelense é realmente política, causada por um desequilíbrio de poder e recursos.

Brown argumentou que se um grupo tem “poder armado … recursos e poder internacional” e outro grupo não, então “até que esse desequilíbrio seja corrigido, de alguma forma, não haverá uma solução.” Brown disse que “não pode haver relações pacíficas ou resolver um conflito antiquíssimo a menos que o partido que está no poder se renda — até que você tenha algum tipo de distribuição equitativa.”

Em suas observações de encerramento, Brown respondeu a um pedido em relação à sua solução para a divisão religiosa-psicológica entre as partes. Brown hipotetizou que “teoricamente para um Islamista”, como “alguém da Jihad Islâmica Palestina (PIJ)“, afirmará que seus objetivos religiosos poderiam ser o de “estabelecer um estado Islâmico aqui” e “implementar a Lei Sharia” e “conduzir todos os Judeus para o fundo do mar.”

Desafiando “Liberdade” e “Consentimento”

Em 7 de Fevereiro de 2017, os comentários de Brown numa palestra intitulada “O Islã e o Problema da Escravidão” foram manchetes nacionais. Múltiplos meios de comunicação acusaram Brown de falar a favor da escravidão e do estupro — um afirmação que Brown negou. A controvérsia começou com um post no blog do escritor freelance Umar Lee, que participou da palestra de Brown.

Em 8 de Fevereiro de 2017, foi relatado que Brown tinha ejetado o jornalista conservador Andrew Harrod da sala de aula, antes do início das observações formais de Brown. Brown referenciou a ejeção no início de sua palestra — e ridicularizou publicamente o repórter ejetado.

Abaixo, uma seleção das declarações controversas feitas por Brown durante a palestra e o período de perguntas e respostas que se seguiram:

Em resposta a um questionador que caracterizou a escravidão imposta como um “erro”, Brown disse: “Se você é Muçulmano, o profeta de Deus [sic]… teve escravos. Ele tinha escravos. Não há como negar isso. Você é mais moralmente maduro do que o profeta de Deus? Não, você não é.”

Brown também disse: “A escravidão não pode ser tratada como um mal moral em si mesma, porque ‘escravidão’ não significa nada. O mal moral são formas extremas de privação de direitos e formas extremas de controle e formas extremas de exploração. Eu não acho que seja moralmente mau possuir alguém, porque nós possuímos muitas pessoas ao nosso redor e somos possuídos por pessoas”.

Em 9 de Agosto de 2015 — de acordo com uma captura de tela de 11 de Fevereiro de 2017 no Twitter — Brown disse no Facebook: “Acho que as pessoas têm um monte de coisas misturadas em suas mentes, formando uma espécie de sopa de indignação com a qual não conseguem lidar. Acho que é preciso proceder de maneira ordenada. 1) A escravidão é, em geral, permitida pela lei Islâmica. 2) É muito possível (e de fato aconteceu) declarar que a escravidão não é mais permissível seja devido as falhas consistentes no tratamento de escravos ou da decisão dos governos para o bem comum da comunidade Muçulmana. 3) Mas não é possível dizer que a escravidão seja inerentemente, absolutamente, categoricamente imoral em todos os tempos e lugares, uma vez que foi permitido pelo Alcorão e pelo Profeta. 4) As mulheres escravas não têm uma agência que controle o acesso sexual, para que seu dono possa fazer sexo com elas.”

Explicando Sexo Não Consensual

Durante sua palestra em 7 de Fevereiro de 2017, Brown desafiou os padrões modernos de moralidade que definem os seres humanos como “agentes autônomos” e ditam que “a condição sine qua non do sexo moralmente correto é o consentimento”.

Brown continuou dizendo: “Durante a maior parte da história humana, os seres humanos não pensaram no consentimento como a característica essencial da atividade sexual moralmente correta. E em segundo lugar, nós fetichizamos a ideia de autonomia na medida em que nos esquecemos —novamente, quem é realmente livre? Somos realmente pessoas autônomas? O que significa autonomia?”

Brown então continuou: “Temos essa obsessão com a ideia de autonomia” — e procedemos equiparando a servidão daqueles pressionados à escravidão sexual ou servindo como concubinas aos indivíduos sujeitos à obrigações familiares voluntariamente assumidas, decorrentes do casamento.

Retornando às Declarações Controversas

Em 17 de Fevereiro de 2017, Brown defendeu suas declarações, no Washington Post, afirmando: “Essas pessoas que me criticam não sabem a diferença entre o passado e o presente. A conversa que fiz foi uma descrição histórica.”

Em 16 de Fevereiro de 2017, Brown escreveu um artigo para a revista online Muslim Matters, onde explicou suas declarações. Lá, Brown escreveu: “Como Muçulmano, hoje posso dizer enfaticamente que a escravidão é errada e que o Islã proíbe isso… é fácil para mim dizer isso olhando para trás sobre a escravidão na história Americana, porque nossa escravidão Americana foi uma manifestação de absoluta dominação de um ser humano sobre outro que é, na minha opinião, um erro universal no tempo e no espaço”.

Em 11 de Fevereiro de 2017, Brown tuitou: “O Islã como uma fé e eu como uma pessoa condenamos escravidão, estupro e concubinato”.

BDS

O movimento BDS foi fundado em 2005 por Omar Barghouti e afirma que “trabalha para acabar com o apoio internacional à opressão de Israel contra os Palestinos e pressionar Israel a cumprir o direito internacional”.

As iniciativas do BDS incluem forçar instituições e indivíduos a se desfazerem de empresas afiliadas a Israel, boicotes acadêmicos, manifestações anti-Israel e protestos.

A realização mais notável do movimento foi a infiltração nos campus universitários através de lobby visando as “resoluções do BDS”. Nestes casos, com apoio das filiais universitárias anti-Israel, os governos estudantis se reuniram para votar em alguma forma de boicote — ou desinvestimento em — Israel e entidades afiliadas a Israel. Estas resoluções, embora não obrigatórias, foram aprovadas pelos governos estudantis em vários campus Americanos.

A atividade de BDS é frequentemente agressiva e disruptiva. Observou-se que as universidades que aprovam as resoluções do BDS vêem um aumento acentuado de incidentes antissemitas nos campus. Em 2013, quando o governo estudantil da Universidade da Califórnia Santa Barbara (UCSB) debateram uma resolução do BDS, relatórios emergiram relatando ameaças violentas e gente cuspindo em estudante vestindo um colar com a estrela de David. Como resultado, o governo estudantil optou pela “votação secreta”, a fim de garantir a sua própria segurança.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Crianças Assassinas: MEIO MILHÃO De Crianças Recrutadas Pelo ISIS

nte/Source: KILLER KIDS: HALF A MILLION children recruited by ISIS – Geller Report

Crianças Assassinas: MEIO MILHÃO De Crianças Recrutadas Pelo ISIS

Por Pamela Geller

14 de Maio de 2017

O que é tão perturbador é que isso será deixado para os nossos filhos resolverem – e a esquerda nos meios de comunicação, as universidades e a cultura os desarmaram completamente no espaço da batalha de informação. São ovelhas indo para o abate.

Meio milhão. E haverá outros milhões.


TERROR ADICIONADO: PURO HORROR — EXPERTS REVELAM QUE MEIO MILHÃO DE CRIANÇAS FORAM RECRUTADAS PELO ISIS

O ESTADO ISLÂMICO CONSEGUIU RADICALIZAR MEIO MILHÃO DE CRIANÇAS, EXPERTS DIVULGARAM UMA INFORMAÇÃO CHOCANTE SOBRE O TAMANHO DA AMEAÇA TERRORISTA.

Por Zoie O’Brien, 13 de Maio de 2017:

Especialistas em terrorismo, psicólogos e analistas estão correndo para avaliar como a ameaça de centenas de milhares de crianças que serviram ao ISIS pode ser combatida. A nova descoberta representa uma ameaça mortal para países como a França, Reino Unido e EUA, os quais foram ameaçados com derramamento de sangue em massa nas ruas.

Anna Speckhard, Professora Adjunta de Psiquiatria na Universidade de Georgetown, viajou para o Iraque para ajudar a lidar com a crise que o país enfrenta. O expert do Centro Internacional para o Estudo do Extremismo Violento (ICSVE) esteve também cara a cara com as crianças do califado. Ela disse ao Express.co.uk: “Havia muita discussão sobre o número de jovens envolvidos — de 250 a 500 mil.

“O ISIS proibiu os livros das escolas e os substituiu com seu próprio currículo e material, incentivando o ódio e a brutalidade, muitos dos quais foram mostrados a nós numa exposição.

“Há raiva e preocupação sobre como reagrupar diante da destruição do ISIS e preocupação sobre se a ideologia continuará vivendo nos corações e mentes dos Sunitas que viveram sob o ISIS e reemergir”.

CRIANÇAS DO CALIFADO: Cerca de 500.000 crianças podem ter sido radicalizadas.

Crianças do ISIS decapitam prisioneiros depois de terem sido treinadas em campos terroristas.

Jihadistas infiltraram-se nas salas de aula, destruíram bibliotecas e forçaram professores a distribuir um programa de ódio em áreas conquistadas pelo ISIS. O Primeiro-Ministro Iraquiano abriu a conferência de Educação no Iraque Pós-Daesh (ISIS) em Abril, onde os experts foram informados da verdadeira extensão do problema. Antes das invasões das cidades no Iraque, um grupo chamado de ISIS “Emni” colocou militantes radicais para prepararem o terreno. Aprenderam sobre as queixas das pessoas locais e jogaram com isso para recrutar famílias.

GETTY

Crianças do Estado Islâmico (ISIS): Professores foram forçados a abandonar o currículo e pregar para o ISIS.

Acredita-se que a elite ‘Emni’, — formada por ex-Baathistas Iraquianos que serviram sob o regime de Sadaam, — esteja ligada aos ataques terroristas em Paris, Bruxelas e Tunísia. Os programas sob os quais as crianças foram doutrinadas foram extremamente bem-sucedidos. O testemunhos dos jovens soldados revelou que viveram para servir os jihadistas mais velhos, os quais enviaram para a morte meninos tão jovens quanto cinco anos de idade.

Professor Speckhard disse: “Alguns dos jovens foram realmente recrutados para os Filhotes do Califado, e alguns foram ensinados a decapitar.” Da mesma forma alguns professores foram obrigados a ensinar nas escolas do ISIS e o que fazer com eles.

Em uma série de entrevistas com os jihadistas do Daesh (ISIS), o professor Speckhard, juntamente com o professor Ahmet Yayla, ex-chefe de polícia de contraterrorismo, demonstrou como os jovens são recrutados.

Seu livro, intitulado “ISIS Defectors: Inside Stories of the Terrorist Caliphate “, revelou como o ISIS se propôs a radicalizar as crianças numa tentativa de reforçar suas próprias fileiras em 2015.

Em poucos meses, tinham centenas em seus livros.

Professor Speckhard disse: “Uma criança nos falou sobre os meninos sendo enganados e colocados em veículos suicidas, mesmo sem saber que iriam ser explodidos, e um ISIS emir (dirigente) verificou se as crianças foram enviadas em veículos e usando coletes”. Eles choram quando são retirados da lista.”

Um menino chamado Ibn Omar revelou como os campos de treinamento e enormes facas eram nomeados segundo os líderes da Al-Qaeda.

Ele disse aos professores: “Não. Se você não aderir ao ad-Dawlah e prometer sua lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi você é um infiel.

“Alguns dos combatentes locais [ISIS] disseram que agora sabiam que seu pai era um infiel, e que assim que pudessem pediriam licença e iriam matá-lo”


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Novo Líder Do Hamas Elogiou Bin Laden Como “Guerreiro Santo”, A BBC O Chama De “Pragmático”

Fonte: New Hamas top dog praised bin Laden as “holy warrior,” BBC calls him “pragmatic”


Novo Líder Do Hamas Elogiou Bin Laden Como “Guerreiro Santo”, A BBC O Chama De “Pragmático”

Por ROBERT SPENCER

6 de Maio de 2017

A BBC: sem noção ou cúmplice? A essa altura, que diferença faz?

“Hamas escolhe Ismail Haniya como novo líder”, BBC, 6 de Maio de 2017 (Agradecimentos a Fjordman):

O grupo militante Palestino Hamas anunciou que Ismail Haniya foi escolhido como seu novo líder global.

Ele sucede Khaled Meshaal, que serviu o máximo de dois mandatos no cargo.

Sr. Haniya, 54, vive em Gaza, governada pelo Hamas desde 2007, ao contrário de Meshaal, que vive no Qatar.

Sr. Haniya é visto como um pragmatista que tentará aliviar o isolamento internacional do Hamas. O grupo publicou um novo documento político esta semana, considerado como uma tentativa de suavizar a sua imagem….

Declara pela primeira vez uma disposição para aceitar um estado Palestino provisório dentro das fronteiras pré-1967, sem reconhecer Israel.

Também diz que a luta do Hamas não é com os Judeus, mas com os “agressores ocupantes Sionistas”. A carta de 1988 foi condenada por sua linguagem anti-Judáica.

Sr. Barhoum disse: “O documento nos dá uma chance de conexão com o mundo exterior.”

Um porta-voz do Primeiro-Ministro Israelense Benjamin Netanyahu disse que o Hamas estava “tentando enganar o mundo, mas não terá sucesso”….

Mas com certeza vai enganar a BBC.

“O Hamas elogia Osama bin Laden como guerreiro santo”, de Conal Urquhart, Guardian, 2 de Maio de 2011 (Agradecimentos a Fjordman):

O grupo Islâmico Palestino Hamas elogiou Osama bin Laden como um “guerreiro santo Árabe” e condenou sua morte pelas forças Americanas no Paquistão….

Ismail Haniyeh, chefe do governo do Hamas na Faixa de Gaza, disse aos repórteres que o Hamas considerou o assassinato de Bin Laden como “uma continuação da política Americana baseada na opressão e no derramamento de sangue Muçulmano e Árabe”.

Observou diferenças doutrinárias entre a al-Qaeda de Bin Laden e o Hamas, que vê a sim mesmo como um movimento nacionalista em vez de um movimento internacional. Haniyeh acrescentou: “Nós condenamos o assassinato e o assassinato de um guerreiro sagrado Árabe. Pedimos a Deus que lhe dê misericórdia com os verdadeiros fiéis e os mártires.”….


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis