Arquivo da categoria: Robert Spencer

O “Moderno” Líder Sufi Tabandeh

Fonte/Source: Sufismo Sem Camuflagem (Muito Além de Stephen Schwartz)


O “Moderno” Líder Sufi Tabandeh

Por Tiao Cazeiro

Evitei propositadamente comentar o artigo “Xiismo, Sufismo e Gnosticismo”, traduzido e publicado recentemente neste blog, para que todos pudessem refletir sem nenhuma influência.

A maioria das pessoas tem opinões a respeito de muita coisa, entretanto o que diferencia uma das outras são as camadas sedimentadas de interpretações prévias que atuam sem que a gente se dê conta disso. De qualquer forma, o importante é identificar esses pensamentos sedimentados, e ter coragem de enfrentar os fatos, a dura realidade, como num xeque-mate.

O próprio Sufi Tabandeh, um moderno líder Sufi Iraniano, um homem extremamente culto, — com Ph.D em Direito pela Universidade de Paris (1957), — venerado e chamado de, se estou correto, His Holiness Hajj (Sua Santidade Peregrino), descreve os estágios gnósticos (‘irfani) no artigo “XIISMO, SUFISMO E GNOSTICISMO”. Eis aqui um pequeno trecho:

“Ele só sabe que é um ponto preto, na medida em que sabe apenas que há algo lá. Quando se aproxima mais um pouco, vê que esse ponto preto se torna uma linha reta. Então ele reconhece, isto é, adquire a gnose, de que aquela coisa longe é um corpo longo.”

Em outras palavras, diante da crise atual no Irã, observar a famosa comunidade Dervish Gonabadi, como o ponto preto, — que está mais uma vez sob pressão total do regime opressor Iraniano e literalmente em guerra nas ruas para proteger o seu símbolo maior, o famoso Sufi Tabandeh, com 90 anos, — desperta simpatia pelos Sufis e o desejo sincero de que consigam orientar o povo Iraniano diante de tanta opressão e tristeza.

Por outro lado, como nos estágios gnósticos, quanto mais avançamos e mais próximos ficamos dos Sufis, percebemos que aquele ponto preto é uma linha reta, e que aquela coisa longe nada mais é do que um corpo longo e cheio de ódio contra os não-Muçulmanos, e isto, infelizmente, derruba de vez a ideia de que o Sufismo é a “tradição pluralista e tolerante do Islã”.

Em “O Lado Sinistro do Sufismo” vimos que

“Durante séculos o credo e a música Sufi vêm repercutindo como grandes símbolos de espiritualismo, promoção de paz e harmonia entre os Hindus e os Muçulmanos. O conceito inteligentemente marketeado da espiritualidade Sufi tem sido inquestionavelmente aceito como marca da unidade Hindu-Muçulmana. Mas como acontece com a maioria dos mitos, a história se torna a primeira vítima.” —  Ram Ohri – IndiaFacts (Truth Be Told)

O excerto a seguir, retirado do brilhante artigo escrito por Robert Spencer intitulado “SUFISMO SEM CAMUFLAGEM (MUITO ALÉM DE STEPHEN SCHWARTZ)”, traduzido e publicado neste blog, mostra claramente o lado sinistro da Sua Santidade Peregrino Dr. Nour Ali Tabandeh. Infelizmente, e com todo respeito, o Sufismo está longe da “gnose” que as pessoas imaginam ou gostariam de ver.

É pertinente perceber que enquanto uma revolução acontece no Irã, matando e torturando dezenas de pessoas, podendo chegar a centenas, o mundo apoia o população Iraniana, principalmente as mulheres, enquanto as lideranças Muçulmanas e parte da população despejam ódio contra os não-Muçulmanos.


SUFISMO SEM CAMUFLAGEM
(MUITO ALÉM DE STEPHEN SCHWARTZ)

Por Robert Spencer – Jihad Watch

Tabandeh — His Holiness Hajj Dr Nour Ali Tabandeh (Majzoob Ali Shah)

Este moderno líder Sufi escreveu um tratado inteiro contra vários elementos da Declaração Universal dos Direitos Humanos por estarem em desacordo com a Lei Islâmica: uma “Perspectiva Islâmica“, na Declaração Universal dos Direitos Humanos [3]. Segundo o Professor Eliz Sanasarian da Universidade de Southern California, que analisou a situação das minorias religiosas da República Islâmica, o prospecto de Tabandeh se tornou “o núcleo do trabalho ideológico sobre o qual o governo Iraniano… baseou a sua política aos não-Muçulmanos.” [4] Suas visões sobre os não-Muçulmanos, diz Sanasarian, foram postas em práticas “quase que literalmente na República Islâmica do Irã.” [5]

Tabandeh inicia sua discussão louvando o Shah Ismail I (1502-1524), o fanático, repressor e fundador [6] da dinastia Safavid, como um campeão “dos oprimidos.” [7] Ele reafirma a inferioridade tradicional dos não-Muçulmanos em relação aos Muçulmanos como sacralizada pela Sharia:

Assim, se [um] muçulmano comete adultério, sua punição é: 100 chicotadas, raspar a cabeça, e um ano de exílio. Mas, se o homem não for Muçulmano e comete adultério com uma mulher Muçulmana à grande penalidade é a execução… Da mesma forma, se um Muçulmano deliberadamente assassinar outro Muçulmano ele cai sob a lei de retaliação e deve por lei ser condenado à morte pelo parente mais próximo. Mas, se um não-Muçulmano morrer nas mãos de um Muçulmano e que por hábito, ao longo da vida, foi um não-Muçulmano, a pena de morte não é válida. Em vez disso o assassino Muçulmano deve pagar uma multa e ser punido com o chicote. [8]

Como o Islã considera os não-Muçulmanos em um nível mais baixo de crença e convicção, se um Muçulmano matar um não-muçulmano…  então sua punição não deve ser a morte retaliatória, uma vez que a fé e a convicção de que possui é mais elevada do que a do homem morto…  Mais uma vez, as punições ao culpado não-Muçulmano por adultério com uma mulher Muçulmana são aumentadas porque, além do crime contra a moral, o dever social e religião, ele cometeu um sacrilégio; ele desgraçou um Muçulmano e, assim, lançou desprezo sobre os Muçulmanos em geral, e por isso deve ser executado. [9]

O Islã e os seus seguidores devem estar acima dos infiéis, e nunca permitir que não-Muçulmanos adquiram domínio sobre eles. Desde o casamento de uma mulher Muçulmana com um marido infiel (de acordo com o versículo citado: ‘Os homens são os guardiões das mulheres’) significa que sua subordinação a um infiel, de fato, torna o casamento anulado, porque não obedece às condições previstas para fazer um contrato válido. Como na Sura (. ‘A Mulher para ser Examinada’, LX v 10), afirma: ‘Vire-as, mas não de costas para os infiéis: pois não são lícitas a infiéis nem são os infiéis lícitos a elas (ou seja, no casamento). [10]

Tabandeh não é uma aberração entre os Sufis. Ele segue a tradição dos Sufis Turcos dervixes cujo fanatismo violento contribuiu para a Islamização forçada dos Cristãos nativos da Ásia Menor (consulte a documentação abundante sobre isto no monumental trabalho de pesquisa do Professor Speros Vryonis intitulado The Decline of Medieval Hellenism in Asia Minor and the Process of Islamization from the Eleventh Through the Fifteenth Century”, Berkeley, 1971, pp. 340-43, e especialmente o capítulo 5, pp. 351-402).

Tabandeh deve também, sem dúvida, ter observado com aprovação os prospectos contra os não-Muçulmanos produzidos por proeminentes teólogos Sufis Indianos no séculos 17 e 18, incluindo professores Sufis, tratados como celebridades, como Sirhindi e Shah Walli Allah.


 

Anúncios

Jurista Muçulmano: “A Ocupação Do Ocidente Será Feita Sem Guerra, De Forma Silenciosa, Com Infiltração E Subversão” 

Fonte/Source: Muslim jurist: “The occupation of the West will be done without war but quietly, with infiltration and subversion”


Jurista Muçulmano: “A Ocupação Do Ocidente Será Feita Sem Guerra, De Forma Silenciosa, Com Infiltração E Subversão” 

POR ROBERT SPENCER

1 de Fevereiro de 2018

“Yehezkeli observa que uma decisão da década de 1990 por um jurista Muçulmano sênior afirma: “A ocupação do Ocidente será feita sem guerra, de forma silenciosa, com infiltração e subversão.”

Isso certamente parece ser o que está acontecendo.

O jornalista Judeu Ortodoxo entra disfarçado na “jihad silenciosa”, de Yoni Kempinski e Mordechai Sones, Arutz Sheva, 29 de Janeiro de 2018:

“ …intitulado ‘Identidade Falsa’, a série é apresentada por Yehezkeli, que personificou um simpatizante da Irmandade Muçulmana que procurava contribuir e se juntar à organização.

Yehezkeli recebeu consulta secreta de empresas de inteligência, bem como da agência de segurança interna Shin Bet e o Mossad. Para aperfeiçoar sua identidade, obteve um passaporte Sírio genuíno, um passaporte da Autoridade Palestina como reserva e uma assinatura na Internet de um negócio ativo na Jordânia com website e endereço de verificação.

Sob o nome “Sheikh Abu Hamza”, Yehezkeli penetrou equipado — equipamentos fotográficos de qualidade disfarçados num botão de roupa e óculos com câmera — no estado de coisas que ele chama de “jihad silenciosa.”

Yehezkeli, que se tornou observador da Torá nos últimos anos, percebe valor agregado no fato de que examinou o campo e encontrou o Islã como pessoa religiosa. “Uma vez que uma pessoa serve ao Criador, se torna mais sensível às falsificações. Por um lado, me ajuda a conhecer o material e a me identificar com os crentes, embora eu não concorde com o caminho deles. O fato de eu ser religioso permite abrir meus olhos ainda mais, não posso ser influenciado por esse aspecto.” Yehezkeli também acrescenta que parte de sua aproximação com o mundo religioso pode ter sido devido à sua preocupação com sua cobertura: “Eles abriram uma porta para eu entrar num lado mais real.”

“Mas o Islã precisa de uma profunda compreensão de si mesmo”, diz Yehezkeli, e espera que haja uma reforma no Islã, como está acontecendo na Arábia Saudita.

Em uma conversa com Arutz Sheva, Yehezkeli explica que o mundo já entende o terror do Estado Islâmico (ISIS) e resiste a isso, mas agora enfrenta uma nova e tranquila jihad, que de acordo com o Islã é a última Jihad, a Jihad Apocalíptica, onde o Islã assume o controle do Ocidente não pela guerra, mas penetrando silenciosamente nas sociedades Ocidentais.

Yehezkeli observa que uma decisão da década de 1990 feita por um jurista Muçulmano sênior afirma que: “A ocupação do Ocidente será feita sem guerra, de forma silenciosa, com infiltração e subversão.”

A série de cinco episódios ‘Jihad Apocalíptica, Jihad silenciosa’ examina a Turquia, a Alemanha, a França e os Estados Unidos.


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

LÍDER DO HAMAS SE ENFURECE COM DESIGNAÇÃO: “TERRORISTA GLOBAL”

Fonte/Source: Hamas enraged by designation of its top dog as “global terrorist”: “dangerous violation of international law”

Hamas Se Enfurece Com A Designação De Seu Principal Líder Como “Terrorista Global”: “Violação Perigosa Do Direito Internacional”

 POR ROBERT SPENCER

 1 de Fevereiro de 2018

Essa não é uma “violação perigosa do direito internacional”. Você quer uma “violação perigosa do direito internacional”? Eu lhe darei uma “violação perigosa do direito internacional”. Que tal explodir civis em ônibus e pizzarias? Isso é uma “violação perigosa do direito internacional”? Que tal assassinar uma família que está desfrutando um jantar Shabbat silencioso em casa enquanto um dorme na cama durante a noite? Isso soa como uma “violação perigosa do direito internacional” para você, Barhoum? Não? Que tal distribuir doces para celebrar todos esses assassinatos e celebrar os assassinos como heróis, nomeando escolas em homenagem a eles e construindo monumentos para eles? Isso poderia ser uma “violação perigosa do direito internacional”? Que tal apresentar na estação de TV oficial programas infantis encorajando crianças a cometerem assassinatos em massa? Existem “violações perigosas do direito internacional” nesses programas? Bem, continue procurando, Fawzi. Tenho certeza de que você encontrará uma, eventualmente.

Hamas protesta fortemente depois que os EUA designou seu líder como “terrorista global”, por Patrick Goodenough, CNS News, 1 de Fevereiro de 2018:

(CNSNews.com) — A administração do Trump designou o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, como um “terrorista global especialmente designado” (SDGT), visando o chefe de um grupo Palestino violento que tentou limpar sua imagem.

O Hamas classificou a manobra de “uma violação perigosa do direito internacional” e disse que não impediria o grupo de “liberar sua terra e lugares sagrados.”

A especialmente designada “designação de terrorista global” ocorre sob a ordem executiva 13224, uma ferramenta pós-11 de Setembro projetada para interromper o financiamento aos terroristas. Americanos estão proibidos de se envolverem em transações com SDGTs, e os bens que possam ter nos EUA estão congelados.

A designação de Haniyeh foi anunciada na Quarta-feira por Nathan Sales, coordenador do Departamento de Estado para o contraterrorismo, enquanto dirigia uma conferência do Instituto de Estudos de Segurança Nacional em Tel Aviv.

“Haniyeh é o presidente do escritório político do Hamas”, disse ele. “Ele também está intimamente ligado às operações terroristas do grupo, incluindo ataques a cidadãos Israelenses. Haniyeh é membro do Hamas desde a década de 1980 e cresceu nas fileiras em grande parte defendendo continuamente o terrorismo contra Israel.”

Sales observou que tão recentemente como no mês passado, Haniyeh pediu uma nova revolta (intifada) contra Israel. Haniyeh emitiu o apelo depois que o Presidente Trump reconheceu Jerusalém como a capital de Israel.

“Seus apelos para uma Intifada, renovados no último mês, mostram o quão importante é a designação de hoje”, disse Sales.

“Não nos distrairemos com os esforços do Hamas para obscurecer sua verdadeira e sangrenta natureza.”

Respondendo à designação de Quarta-feira de Haniyeh, o porta-voz do Hamas, Fawzi Barhoum, disse que o movimento foi mais uma prova do “viés Americano” com relação a Israel, fornecendo “cobertura” para os crimes Israelenses e encorajando ataques aos “símbolos” do povo Palestino.

Barhoum também classificou a decisão como uma “violação perigosa do direito internacional” sobre a qual ele disse, que os Palestinos têm “o direito de se defender e resistir à ocupação e escolher sua liderança.”

Disse que o Hamas acredita que o momento da manobra dos EUA mostra que está tentando combater a liderança do Hamas, enquanto trabalhamos para “abortar” o novo “negócio do século”, o plano de paz do Oriente Médio, que Trump ainda está para revelar.


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

GOOGLE É PARCEIRO DE GRUPO MUÇULMANO ANTISSEMITA E PRÓ-HAMAS

Fonte/source: Google partners with anti-Semitic, pro-Hamas Muslim group


Nota: Traduzi apenas uma parte porque o texto é muito longo. O restante será publicado em um outro artigo.


GOOGLE É PARCEIRO DE GRUPO MUÇULMANO ANTISSEMITA E PRÓ-HAMAS

POR ROBERT SPENCER

31 de Janeiro de 2018

Enquanto persegue e censura aqueles que divergem da extrema-esquerda.

Google, YouTube e o resto não são de forma alguma plataformas neutras. Essa hegemonia deve ser encerrada, ou a liberdade de expressão será uma carta morta.

“GOOGLE SE ASSOCIA COM ISLAMITAS ANTISSEMITAS”, por Steven Emerson, IPT News, 30 de Janeiro de 2018:

Por que o Google e o YouTube patrocinam um simpósio de um dia contendo uma lista de palestrantes incluindo antissemitas Islâmicos conhecidos, bem como militantes Islâmicos conhecidos, que há muito tempo são inimigos de Israel e partidários do Hamas? E por que o Google e o YouTube fornecem um fórum aos Islamitas que aprovam a “morte por apedrejamento” imposta pela Sharia?

A conferência online desta Quarta-feira, pelo Britânico Imams Online apresenta uma galeria de bandidos Islâmicos e virulentamente antissemitas e anti-Israel — e tudo está sendo feito “em parceria oficial com o Google e o YouTube.

Um dos três principais objetivos da conferência é “enfrentar a Islamofobia crescente e a ameaça da extrema direita.”

“Os valentões politicamente corretos chamam de Islamofóbicos pessoas como você e eu, quando acusamos o Islã radical daquilo que ele é”, diz o reformista Muçulmana Raheel Raza. “… eles realmente me chamam, uma mulher Muçulmana praticante, de Islamofóbica. Por quê? Porque eu falo contra o Islamismo radical.”

Mas a divulgação da falsa reivindicação do aumento de Islamofobia pode ser vista como uma ameaça à segurança nacional. Isso porque esse conceito baseia-se na falsa noção de que existe uma conspiração Ocidental contra o Islã — e essa é a principal reivindicação e motivação que induz os ataques terroristas jihadistas em alvos Ocidentais.

“Islâmicos esperam se isolar da acusação de que apoiam a violência jihadista quando disparam acusações de “Islamofobia”, “O presidente do Fórum do Oriente Médio, Daniel Pipes, ele mesmo criticado como “Islamofóbico”, disse ao Projeto de Investigação sobre o Terrorismo (IPT).  “Infelizmente, muitos indivíduos de boa vontade, mas não tão brilhantes, são ludibriados e caem nessa armadilha, mas no processo, essa manobra se torna uma ameaça à segurança nacional, confirmando a paranóia jihadista de que o mundo quer destruir o Islã.”

“Para o Google e o YouTube fornecerem um fórum mundial a um grupo que inclui antissemitas e fanáticos conhecidos é irresponsável e para além dos limites”, disse o Rabino Marvin Hier, fundador e decano do Centro Simon Wiesenthal. “Em vez de promoverem a tolerância e a dignidade humana, isso lhes proporciona uma enorme plataforma para promover seu antissemitismo e ódio! Pedimos ao Google e ao YouTube para cancelarem imediatamente o evento!”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Afeganistão: Jihadistas Islâmicos matam 63 e Ferem 151

Fonte/Source: Afghanistan: Islamic jihadis murder 63, wound 151 with bomb hidden in ambulance


Por Tiao Cazeiro

O ‘povo das necessidades especiais’ já declarou publicamente a meta de obter 20 milhões de novos fiéis Muçulmanos em 20 anos, para se tornar a terceira maior religião do Brasil.

Na introdução do artigo a seguir, Robert Spencer faz uma pergunta interessante e muito pertinente com relação ao Brasil: Quer saber como o Brasil será daqui a 20 anos? Assim.


Afeganistão: Jihadistas Islâmicos matam 63 e Ferem 151 Com Bomba Escondida Em Ambulância

POR ROBERT SPENCER

27 de Janeiro de 2018


Quer saber como a Europa será daqui a 20 anos? Assim.

Grande explosão deixa pelo menos 63 mortos e 151 feridos depois que uma bomba escondida em uma ambulância explodiu em Cabul“, de Toby Meyjes, Mirror, 27 de janeiro de 2018:

Uma poderosa explosão deixou pelo menos 63 mortos e 151 feridos depois que uma ambulância repleta de explosivos foi detonada perto de uma delegacia de polícia.

A explosão aconteceu pouco antes das 13 horas em Cabul, Afeganistão, numa área densamente povoada e que continha muitos edifícios administrativos, incluindo uma sede da polícia.

O Ministério da Saúde Pública confirmou que pelo menos 63 pessoas foram mortas e 151 feridas após o ataque terrorista.

O Taliban assumiu a responsabilidade pela explosão,  de acordo com a 1 TV. [sic]

De acordo com relatos, o motorista de uma ambulância passou por um posto de controle depois que dizer à polícia que estava carregando um paciente.

Mas a polícia suspeitou quando o veículo chegou ao segundo posto de controle, onde a bomba explodiu.

O Talibã reivindicou a responsabilidade pela explosão uma semana depois de reivindicar um ataque ao Hotel Intercontinental em Cabul, onde mais de 20 pessoas foram assassinadas.

“É um massacre”, disse Dejan Panic, coordenador no Afeganistão para o grupo de ajuda Italiano Emergency, que administra um hospital de traumatologia localizado nas proximidades.

Em uma mensagem no Twitter, o grupo disse que só para esse hospital foram levados mais de 50 feridos.

Mirwais Yasini, membro do parlamento que estava perto quando a explosão aconteceu, disse que uma ambulância aproximou-se do posto de controle, perto de um escritório do High Peace Council e várias embaixadas estrangeiras, e em seguida explodiu….


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

TV Alemã: ‘Mulher Ensina Menino a Rezar para Alá’

Fonte/Source: German state TV series features woman teaching boy how to pray to Allah


Diante do que vem acontecendo no Brasil este artigo até que não diz muita coisa, e se acontecer o mesmo por aqui será em horário nobre, numa dessas novelas de grande audiência da Globo. Claro, nada a ver com o Islam.


Série De TV Estatal Alemã Apresenta Mulher Ensinando Menino Como Rezar para Alá

POR ROBERT SPENCER

15 de Janeiro de 2018

Quando foi a última vez que uma série de TV estatal Alemã apresentou instruções sobre a oração Cristã? Minha aposta é nunca. Multiculturalismo = Supremacismo Islâmico. A TV estatal Alemã está trabalhando para preparar o povo Alemão para o seu futuro.

Para os não versados na língua Inglesa, por favor, leia a tradução a seguir antes de assistir ao vídeo.

Tradução do vídeo:

— Paul, eu tenho que te dizer uma coisa muito importante. Eu já falei pra você sobre Deus, que vive no céu, e sempre nos observa. Mas existe um outro Deus, e ele se chama Alá (ou Allah), diz isso, Alá.
— Alá.
— E a partir de hoje eu quero que Deus… a partir de hoje vamos dizer “Alá” …que Alá se torne muito mais importante em nossas vidas, que a gente reze para Alá e sejamos gratos por tudo que temos e por sermos afortunados e tudo o mais, você compreende isso?
E nós temos que seguir as regras.
Há muitos anos, Alá falou com um homem na terra e disse a ele como as pessoas têm que viver na terra para serem felizes. Esse homem foi chamado de Muhammad. Ele escreveu tudo num livro, e esse livro se chama Alcorão. Eu sei que neste momento você não está entendendo tudo porque você ainda é uma criança. Mas é exatamente por você ainda ser uma criança que você é Muçulmano. Toda criança é Muçulmana. Sim, cada criança é um Muçulmano. Mas eu ainda não sou uma Muçulmana. Agora isso é muito importante…

A partir desse ponto, ela recita um testemundo em Árabe, a seguir:

O testemunho de fé (Shahada): Eu testemunho “La ilaha illa Allah, Muhammad rasoolu Allah.”

— Você quer saber o que eu acabei de dizer?
Paul balança a cabeça confirmando que sim.
— “Eu testemunho que não existe deus além de Alá e eu testemunho que Muhammad e o Mensageiro (Profeta) de Alá.”
Você vai entender isso mais tarde. Agora eu vou tomar um banho porque preciso fazer isso, porque agora eu sou uma Muçulmana (Muslima).


“Será que é isso mesmo? Propaganda Brutal do Estado Alemão para encorajar as crianças a serem Muçulmanas?”, por Eeyore, Vlad Tepes, 13 de Janeiro de 2018 (Agradecimento à The Religion of Peace):

Enquanto estamos aguardando uma resposta sobre isso, o que está abaixo é definitivamente uma propaganda da TV estatal para que os Muçulmanos ilegais se tornem vítimas de alguma forma, depois que assassinam os Alemães.

UPDATE: De Oz-Rita:

E não, não é uma sátira!

Série da TV estatal Alemã: “Lindenstraße” Episode 1084 “Islã”

Murat (Erkan Gündüz fica surpreso com o empenho de Lisa (Santje Peplow) defendendo o Islã.

Esse pequeno vídeo schmaltzy foi uma cena de uma série da TV estatal Alemã, transmitida em 2006, um ano após Angela Merkel se tornar chanceler, e quando ainda fingia para a Alemanha que era uma “Conservadora”. Em seguida ela conheceu Sorros [sic] (George Soros), Erdogan, Obama etc. … e o resto, como dizem, é história. O número de Muçulmanos na Alemanha era de cerca de 3,3 milhões. Embora as estatísticas exatas hoje sejam pouco confiáveis, uma estimativa conservadora de mais de 4,7 milhões de Muçulmanos a partir de 2015 é considerada conservadora.

A série foi chamada de “Lindenstrasse” e a jovem que se “converteu” — ou “reverteu” como dizem os Muçulmanos — desempenhou o papel de uma jovem mãe, Lisa, noiva de um Muçulmano Turco, Murat, que estava trabalhando muito para ganhar o dinheiro para bancar o casamento. Eu assisti aquele episódio e alguns que se seguiram, até chegar perto de uma overdose de sacarina. Você tem uma amostra disso no vídeo acima.


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Khamenei: Trump “Precisa Realizar Que Esses Episódios Extremos E Psicóticos Não Ficarão Sem Resposta”

Fonte/Source: Iran’s top dog: Trump “must realize that these extreme and psychotic​ ​episodes won’t be left without a response​”


Khamenei: Trump “Precisa Realizar Que Esses Episódios Extremos E Psicóticos Não Ficarão Sem Resposta”

POR ROBERT SPENCER

10 de Janeiro de 2018

A liderança Iraniana, como a al-Qaeda e outros grupos jihadistas, sempre mostraram habilidade sagaz jogando com os pontos de discussão da extrema esquerda para tentar influenciar a opinião pública nos EUA. Agora, com a esquerda obcecada com preocupações espúrias sobre a estabilidade mental do Presidente Trump, o Aiatolá Khamenei adverte que haverá uma resposta aos “episódios psicóticos” de Trump. Essa é uma maneira eficaz para Khamenei trazer o Partido Democrata a bordo, como se já não o tivesse feito (claro, o mesmo também pode ser dito sobre o establishment Republicano).

“Líder Iraniano promete uma resposta aos ‘episódios psicóticos’ de Trump”, por Mark Moore, New York Post, 9 de Janeiro de 2018:

O líder Iraniano criticou um “instável” Presidente Trump, por ter dado apoio aos manifestantes que se reuniram contra o governo durante os dias de agitação que abalaram a República Islâmica.

“Esse homem que comanda a Casa Branca — embora pareça ser um homem muito instável — deve realizar que esses episódios extremos e psicóticos não serão deixados sem resposta”, tuitou Aiatolá Ali Khamenei na Terça-feira, de acordo com a Reuters.

Trump expressou sua solidariedade aos manifestantes anti-governo após os comícios contra os altos preços dos alimentos transformados em manifestações contra os líderes clericais não eleitos.

“O povo do Irã está finalmente agindo contra o brutal e corrupto regime Iraniano”, afirmou Trump num Twitter na semana passada. “… As pessoas têm pouca comida, grande inflação e sem direitos humanos. Os EUA estão assistindo!”

O líder Iraniano em seus comentários pareceu estar usando expressões de um best-seller sobre Trump e a Casa Branca, caracterizando o presidente e sua administração como “um idiota cercado por palhaços.”

Trump aproveitou o Twitter no fim de semana para se orgulhar de seu intelecto.

“Na verdade, ao longo da minha vida, meus dois maiores recursos foram a estabilidade mental e sendo, de fato, realmente inteligente”, escreveu no site de mensagens sociais no Sábado. “Fui de homem de negócios bem sucedido, a um top T.V. Star…..  e a Presidente dos Estados Unidos (na minha primeira tentativa). Qualificaria isso como, não inteligente, mas um gênio… e um gênio muito estável nisso!”

Khamenei culpou os Estados Unidos, Grã-Bretanha e Israel por instigar os protestos num esforço para derrubar o governo — um esforço que diz ter sido frustrado.

“Mais uma vez, a nação diz aos EUA, Grã-Bretanha e aqueles que procuram derrubar a República Islâmica do Irã a partir do exterior que ‘você falhou, e você também falhará no futuro'”, Khamenei tuitou.

A poderosa Guarda Revolucionária declarou no Domingo que suas forças haviam liquidado com os protestos que duraram mais de uma semana e resultaram na morte de 22 pessoas e nas prisões de centenas.

Khamenei disse que os manifestantes estavam “brincando com fogos de artifício”, mas admitiu que os cidadãos têm o direito de transmitir suas preocupações — uma afirmação surpreendente de um líder que geralmente adota uma abordagem de linha dura para com a dissidência….


Nota do blog: De acordo com a líder da resistência Iraniana Maryam Rajavi, “a Guarda Revolucionária Iraniana (IRCG) matou pelo menos 50 pessoas, feriu centenas e pelo menos 3.000 foram presas, de acordo com as nossas fontes no país.”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Genocídio Bolivarislâmico?

Photo/Cover Edited — Credit: Hezbollah smuggled tons of cocaine Into the U.S. during Obama admin , report


Genocídio Bolivarislâmico?

Por Tião Cazeiro

5 de Janeiro de 2018

Resultado de imagem para maduro tareck el aissami
Foto/Credit: Maduro transferiu 15 de suas funções para Tareck El Aissami – Noticiero Digital https://buff.ly/2lWf6aD

Neste artigo, proponho um “tour” através de outros textos para rastrear, e desta forma apresentar uma face da Venezuela desconhecida por muitos.

É um artigo investigativo, digamos assim, baseado em common sense. Não será uma viagem fácil para algumas pessoas.


Em 30 de Janeiro de 2017, o site Venezuelanalysis.com publicou um artigo intitulado “The Hill Publica Notícia Falsa e Islamofóbica sobre a Venezuela.

O artigo inicia com o seguinte texto: “Islamofobia não conta como jornalismo“, e o personagem principal deste artigo é o Vice-Presidente da Venezuela, Tareck El Aissami, que tinha acabado de assumir o cargo algumas semanas antes. O artigo, tenta inutilmente defender o governo Maduro, desqualificando vários veículos de comunicação, qualificando-os como Islamofóbicos.

O autor, Ryan Mallett-Outtrim, menciona que Robert Spencer/Jihad Watch, Pamela Geller, Ayaan Hirsi Ali entre outros, estão na lista da Southern Poverty Law Centre como grupos de ódio.  Não vou me alongar falando sobre a SPLC, mas sabe-se que essa máquina difamatória, vista como de extrema-esquerda, recebeu da Apple US$ 1 milhão; do JP Morgan Chase & Co., meio milhão; e do George e Amal Clooney US$ 1 milhão de acordo com um artigo da Fox News de 2017: A máquina de calúnia SPLC está sendo financiada por bilionários liberais — por quê?

“Apesar de quão politicamente transparente possa ser a lista de ódio da SPLC, as principais mídias tradicionais costumam citá-la como fonte autorizada. A CNN recentemente publicou uma história sobre grupos de ódio nos Estados Unidos citando essa lista, mas logo foi forçada a se retrair parcialmente após uma reação dos conservadores. Por causa desse artigo da CNN e de outras histórias recentemente publicadas na mídia, enganosas e impulsionadas pela SPLC, o PayPal suspendeu as contas de Robert Spencer, Pamela Geller e suas organizações. Felizmente, outra reação forçou o PayPal a reverter rapidamente essa decisão.”

“Como expliquei em um artigo em 2016 na Fox News Opinion, o Southern Poverty Law Center é uma máquina difamatória de extrema-esquerda que tenta denegrir pessoas e organizações conservadoras, agrupando-as com nacionalistas brancos, membros da KKK e neonazistas nas chamadas listas de ódio. Em um recente artigo no Frontpage Magazine, Daniel Greenfield descreveu o SPLC como “uma das piadas maliciosas mais longas da internet.” — Fred Fleitz / Fox News.

Eis aqui alguns nomes citados no artigo da Venezuelanalysis.com:

  1. Gatestone Institute
  2. Center for Security Police (CSP)
  3. Al Arabiya
  4. MERMI
  5. Jihad Watch – Robert Spencer
  6. Stop Islamisation of America (SIOA) – Robert Spencer e Pamella Geller
  7. American Freedom Defence Initiative (AFDI) –  Robert Spencer e Pamella Geller

Em 2003, Robert Spencer/Jihad Watch escreveu um artigo intitulado “Jihad in Venezuela?” do qual reproduzirei alguns excertos a seguir:

“Já enfrentam alegações de que extremistas muçulmanos obtiveram documentos de identidade venezuelanos, o presidente Hugo Chávez colocou a agência de passaportes do país nas mãos de dois radicais —um deles apoia Saddam Hussein”. Assim, relata o Miami Herald.

“Hugo Cabezas e Tareck el Aissami foram nomeados no mês passado como diretor e vice-diretor da Direção de Identificação e Imigração, responsável pelo controle de fronteira, emissão de passaportes e cartões de identidade nacional.” (Ênfase adicionada)

“As alegações de que o governo de esquerda de Chávez emitiram documentos de identidade para radicais islâmicos emergiram recentemente nas notícias e no relatório mundial dos EUA. “A Venezuela está fornecendo apoio — incluindo documentos de identidade — que poderia ser útil aos grupos islâmicos radicais”, informou a revista no mês passado, citando altos funcionários militares e de inteligência dos EUA.

“Nascido na Venezuela de pais sírios, Tareck El Aissami é o filho do presidente da filial venezuelana do Partido Baath, uma vez governado por Hussein, e sobrinho de Shibli Al Aissami, um dos principais oficiais do Partido Baath em Bagdá, cujo paradero é desconhecido.

“Em um artigo, o pai de (Tareck El Aissami) escreveu após os ataques terroristas de 11 de setembro e mostrou ao The Herald; chamou o presidente Bush de genocida, mentalmente perturbado, mentiroso e racista”, e o líder da Al Qaeda de “o Grande Mujahedeen, o sheik Osama bin Laden.”


Em 9 de Fevereiro de 2017, Robert Spencer/Jihad Watch escreveu um artigo intitulado “A Venezuela está vendendo passaportes aos Iraquianos, pode tê-los vendido aos jihadistas

Eis aqui alguns excertos:

“E a Venezuela está a apenas três quilômetros sobre o mar de Trinidad, que tem a maior taxa de recrutamento do Estado Islâmico no hemisfério ocidental.”

Como mencionado no início do artigo, Tareck El Aissami agora é o Vice Presidente da Venezuela. 

Continuando…

“A CNN e a CNN em Espanhol se uniram em uma investigação conjunta por um ano e revelaram graves irregularidades na emissão de passaportes e vistos venezuelanos, incluindo alegações de que os passaportes foram entregues a pessoas com vínculos com o terrorismo. A investigação envolveu a revisão de milhares de documentos e a realização de entrevistas nos EUA, Espanha, Venezuela e Reino Unido.”

“Um documento de inteligência, confidencial, obtido pela CNN liga o novo vice-presidente venezuelano Tareck El Aissami a 173 passaportes venezuelanos e IDs emitidos para pessoas do Oriente Médio, incluindo pessoas ligadas ao grupo terrorista Hezbollah.”

“A acusação de que o país estava emitindo passaportes para pessoas que não são venezuelanas surgiu no início dos anos 2000, quando Hugo Chavez foi presidente do país, e entrevistas e registros comprovam isto.”

“Um passaporte venezuelano permite a entrada em mais de 130 países sem visto, incluindo 26 países da União Européia, de acordo com um ranking da Henley and Partners. É necessário um visto para entrar nos Estados Unidos.”


Em 3 de Janeiro de 2018, a Folha de São Paulo publicou um artigo intitulado “Intervenção militar estrangeira na Venezuela deve ser considerada”.

O artigo menciona o Vice Presidente da Venezuela Tarick El Aissami como “narcotraficante, sancionado pelos EUA.” [Ênfase adicionada]

O link a seguir, um tuite, descreve bem a situação na Venezuela.



Em Dezembro de 2016 traduzi este artigo do Robert Spencer: “Hizbollah, intermediário do Irã, executa “praticamente sem oposição operação de tráfico de drogas” na América do Sul

“A República Islâmica do Irã está envolvida numa guerra abrangente e multifacetada contra os Estados Unidos, como detalhei em meu livro The Complete Infidel’s Guide to Iran. O tráfico de drogas é apenas um de seus muitos aspectos e ajuda a financiar os outros.”

“Alguns pensam ingenuamente que um grupo que se autodenomina “o Partido de Alá” não se envolveria em um negócio sujo como o tráfico de drogas. Mas as drogas são para os infiéis. “Muhammad é o apóstolo de Alá. Aqueles que o seguem são misericordiosos uns com os outros, impiedosos para com os incrédulos “(Alcorão 48:29).”

“A força tarefa do Congresso informa:

“Com sede no Líbano, o grupo terrorista Xiita Muçulmano Hezbollah tem sido vinculado à organizações Sul-Americanas de tráfico de drogas que operam a partir da região da tríplice fronteira [Paraguai, Argentina, Brasil]. Essa parceria criminosa gerou milhões de dólares em receita para o grupo financiar suas operações no Oriente Médio. Além disso, há uma preocupação crescente de que grupos terroristas possam usar organizações criminosas Latino-Americanas para se infiltrarem nos Estados Unidos.”


Em 18 de Dezembro de 2017 traduzi um artigo do Josh Meyer sobre um mega escândalo: “OS BASTIDORES DE OBAMA E HEZBOLLAH

“Determinados em garantir um acordo nuclear com o Irã, a administração Obama descarrilhou uma ambiciosa campanha de aplicação da lei visando o tráfico de drogas pelo grupo terrorista Hezbollah, apoiado pelo Irã, mesmo quando estava canalizando cocaína para os Estados Unidos, de acordo com uma investigação do POLITICO.com (magazine).

“A campanha, denominada Projeto Cassandra, foi lançada em 2008, depois que o Drug Enforcement Administration (DEA) acumulou evidências de que o Hezbollah se transformou, de uma organização militar e política focada no Oriente Médio, em um sindicato internacional do crime que alguns pesquisadores acreditam estar faturando US$1bilhão por ano com drogas e tráfico de armas, lavagem de dinheiro e outras atividades criminosas.”

“Enquanto isso, o Hezbollah — em aliança com o Irã — continua prejudicando os interesses dos Estados Unidos no Iraque, na Síria e em todo o mundo, da América Latina a África, incluindo o fornecimento de armas e treinamento para milícias Xiitas antiamericanas. E Safieddine, o “Ghost” (fantasma) e outros associados continuam desempenhando papéis centrais no tráfico de drogas e armas — acreditam as autoridades atuais e anteriores.

“Eram uma organização paramilitar com importância estratégica no Oriente Médio, e nós assistimos, se tornaram um conglomerado criminoso internacional gerando bilhões de dólares com as atividades mais perigosas do mundo, incluindo programas e exércitos de armas químicas e nucleares, porque acreditam que a América é o seu inimigo jurado,” Disse Kelly, agente supervisor do DEA e coordenador principal de seus casos do Hezbollah.


Diante da missão universal do Islamismo de dominar o mundo pela persuasão ou pela força (militar) — o narcotráfico executado (de acordo com as fontes) pelo Iran e Hezbollah na América Latina atende a uma ideologia acima de tudo.

“Alguns pensam ingenuamente que um grupo que se autodenomina “o Partido de Alá” não se envolveria em um negócio sujo como o tráfico de drogas. Mas as drogas são para os infiéis. — Robert Spencer

O que estamos vendo é uma parcela do povo morrendo literalmente de fome, um país em total agonia, clamando por uma intervenção internacional. É um genocídio de fato. Como diz o autor do artigo da Folha de São Paulo, Ricardo Haussmann, ex-ministro do Planejamento da Venezuela “as condições lá constituem um crime contra a humanidade que deve ser detido por razões morais.”


Acabei de ver neste momento outro artigo da Folha de São Paulo, “Intervenção de forças estrangeiras na Venezuela seria péssima ideia” publicado hoje, 5 de Janeiro de 2018.

O artigo joga um balde de água fria em Ricardo Haussmann, que clama por uma intervenção militar internacional; diz que a Venezuela não tem uma oposição digna de crédito; inviabiliza toda e qualquer operação militar inclusive dos EUA etc.; menciona que o problema da Venezuela é altamente complexo e resiste a soluções simplistas; apoia ajuda humanitária e sugere “assegurar à elite nacional corrupta que ela poderá deixar o país tranquilamente se arquitetar uma transição doméstica de volta à governança representativa.” Leia o artigo.

Em momento algum o artigo menciona a influencia Islâmica na Venezuela através do Iran e Hezbollah.

Em suma, diante do que foi dito podemos imaginar vários cenários, e levantar perguntas diversas como por exemplo: Quem está realmente governando a Venezuela? É um genocídio Bolivarislâmico? Etc.

A minha opinião é que uma intervenção militar na Venezuela é urgente, —urgentíssima, — pois estamos diante de um genocídio, e se não for confrontado prevalecerá.

E você, o pensa a respeito disso tudo?


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

ISIS promete atacar na Véspera de Ano Novo

Fonte/Source: ISIS vows New Year’s Eve attacks, says “We’re going to fight until we rule the whole world by the Sharia”


ISIS promete atacar na Véspera de Ano Novo, e diz: “Vamos lutar até governarmos o mundo inteiro pela Sharia”

POR ROBERT SPENCER

26 de Dezembro de 2017

Não que isso tenha alguma coisa a ver com o ….

“ISIS Promete Matar Pessoas Bêbadas Celebrando Na Véspera De Ano Novo Em Todo O Mundo Em Seu Primeiro Vídeo na Somália”, por Tom O’Connor, Newsweek, 26 de Dezembro de 2017:

A filial do Estado Islâmico (ISIS) na Somália lançou seu primeiro vídeo no final da segunda-feira, fazendo ameaças horríveis aos que celebrarem o Ano Novo bêbados.

O vídeo de estreia, com quase oito minutos e meio, mostra uma árvore de Natal, champanhe rolando e pessoas contando os minutos finais para o Ano Novo. Em vez de gritos de “Feliz Ano Novo”, no entanto, após contarem “um”, surgi um homem gritando “Allahu Akbar” [Deus é maior] e sons de violência que o grupo militante notoriamente causa e inspira em todo o mundo. Um narrador acenou aos partidários do ISIS para se aproveitarem de pessoas intoxicadas e das grandes reuniões para o Ano Novo como “uma nova oportunidade” para perpetrar morte e destruição.

“Esta mensagem é para os irmãos que vivem entre os kuffar [infiéis]. Você não sente a dor dos irmãos Muçulmanos no Iraque, Síria, Iêmen, Somália, Birmânia e Palestina? O profeta-salla Allahu ‘alayhi wa-sallam [que as bençãos de Alá e a paz estejam sobre ele] — disse: ‘O kafir [infiel] e seu assassino nunca se juntarão no inferno.’ Significando que matar um kafir é o seu ingresso para escapar do jahenim [inferno]”, um homem não identificado, mascarado, disse para a câmera enquanto segurava o que parecia ser um rifle de assalto Kalashnikov.

E, finalmente, saibam disso, o Estado Islâmico está aqui para ficar. Nós vamos lutar e continuar lutando até governarmos o mundo inteiro pela Sharia e essa bandeira negra de la ilaha illa Allah [Não há Deus senão Alá]. Nós nos levantaremos de Washington a Moscou, da Europa à China e não há nada que poderá nos impedir acrescentou, antes de citar um verso do Alcorão.

Zombando da tradição de bebida alcoólica na comemoração do final de ano, o ISIS copiou imagens de um vídeo viralizado do YouTube, carregado no ano passado por um segurança Canadense que amarrou uma câmera GoPro em seu peito, enquanto lidava com clientes entrando e saindo do The Gatsby Soundhouse and Bar em Londres, Ontário. O autor do vídeo não estava imediatamente disponível para comentários quando a Newsweek tentou contatá-lo.

No clip da Somália, o ISIS também ordenou repetidamente que a rede de apoio global do grupo os “caçassem” e mirassem no clero Cristão, incluindo o Papa Francisco. Instruiu os espectadores para “atacarem suas igrejas no Oriente e no Ocidente”. Mostrou imagens de um indivíduo montando um rifle de precisão sobre um telhado com vista para o centro de Denver, Colorado e cenas da cidade de Nova York, onde o mais recente ataque inspirado no ISIS ocorreu no início deste mês…


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

FELIZ NATAL !

FELIZ NATAL !

Por Robert Spencer

24 de Dezembro de 2011


Nota: Traduzido e publicado em 24 de Dezembro de 2013 pelo site LEI ISLÂMICA EM AÇÃO. (Agradecimento à José Atento).


Sudário (Lamentação de Cristo) no Monastério de Stavronikita, Monte Atos — Theophanis Strelitzas, também chamado Theophanes, o Cretense, ou “de Creta” ou “Theophanes Bathas”, foi um importante pintor de ícones da Escola Cretense na primeira metade do século XVI.

Este artigo é uma tradução da mensagem de “Feliz Natal!” escrito por Robert Spencer, diretor e fundador da Jihad Watch. O artigo é muito interessante pois retrata bem como a “versão islâmica dos fatos” implica na negação dos nossos valores, e em muitas vezes, na negação da própria História. E mais, estamos sendo forçados a aceitar esta “versão islâmica” sob o risco de sermos chamados de “racistas” ou “Islamofóbicos.”

Tudo em nome da tolerância, afinal, segundo a narrativa multicultural em vigor (na Europa, EUA e Canadá) — ABRE O OLHO BRASIL! — a culpa de qualquer ato de muçulmanos mais “religiosos” é sempre dos outros. Segundo esta narrativa, o motivo que leva o Islão a agir de modo tão violento e assertivo é resultado do colonialismo europeu, do imperialismo americano, da existência de Israel, ou até mesmo das cruzadas, e todas as evidências que indiquem que a origem destes atos advém dos “livros sagrados” do Islão e da lei islâmica devem ser ignoradas. Livros como o Jihad Islâmica: um legado de conversão forçada, imperialismo e escravidão, por exporem a verdade, devem ser banidos.

Este ícone bizantino é o trabalho do iconógrafo do século 16, Theophanes de Creta.

Hoje em dia, muitos muçulmanos em todo o mundo o considerariam ofensivo e insultuoso ao Islão. Muçulmanos nos Bálcãs, poucos anos atrás, entraram e destruíram igrejas e ícones, como essa pintura do artista Theophanes de Creta, justamente por essa razão.

De que forma esse ícone insulta o Islão? De várias formas incluindo estas:

1. Ele retrata seres humanos, o que viola a proibição islâmica tradicional de imagens, sendo por isso considerado idolatria e blasfêmia.

2. O ícone não retrata Jesus como um profeta muçulmano. Em vez disso, ele mostra Jesus na forma tradicional cristã, como o Filho encarnado de Deus: em sua auréola está secrito ων, Aquele que é, um título de divindade derivado do nome de Deus, que Deus deu a Moisés (em Êxodo 3:14), em violação à imposição frequentemente repetida no Alcorão de que Alá não tem filho. —(4:171; 09:30; 25:2; 39:4; 72:3; etc.).

3. Em consonância com o item 2 acima, que retrata o que os muçulmanos consideram ser idolatria, o ícone mostra a sua santa mãe se ajoelhando à frente da criança para adorá-la.

4. O feixe de luz ou lança, vindo do céu até a criança no berço, retrata a atividade do Divino no mundo, assumindo a doutrina da Trindade, que é rejeitada um tanto imprecisamente pelo Alcorão 4:171 e 5:116.

5. O berço se assemelha a um caixão, prenunciando o núcleo e o coração do cristianismo, a morte redentora de Cristo, que é negada no Alcorão 4:157.

Agora, se você é um cristão ou não, e se você acredita ou não todas ou qualquer uma dessas coisas, a pergunta que está diante de nós com este Natal, como em todos os Natais nestes tempos, é se as pessoas devem ser autorizados a acreditar nessas coisas livremente, sem serem brutalizada ou discriminadas, se eles vivem no Iraque, no Egito ou no Paquistão, ou na Nigéria, ou na Indonésia — e se as pessoas, livres de todos os credos e perspectivas, devem defender seu direito de fazê-lo.

Nesses países, os cristãos de hoje estão sendo sequestrados, presos injustamente, espancados e assassinados — não por causa de qualquer coisa que fizeram, mas porque se atreveram a acreditar em algumas das coisas que tenho esboçado acima, crenças que são consideradas blasfêmia pelo Islã oficial. E isto não é muito melhor em qualquer outro lugar no mundo islâmico: em nenhum país de maioria muçulmana hoje em dia, as pessoas que acreditam nessas coisas desfrutam de plena igualdade de direitos com os muçulmanos.

Vemos isso no site Jihad Watch todos os dias.
Vemos jihadistas atacando cristãos com fúria crescente. Também vemos o mundo em grande parte bocejante e indiferente como tudo isso que se passa. O cristianismo é uma coisa grande e multifacetada, com tantas manifestações diferentes e diversas, mas na mente dos formadores de opinião do Ocidente é o próprio ocidente, branco, suburbano, rico, confortável, quem oprime. Os cristãos são, nos dramas diários divulgados pela mídia todos os dias, relatados como ligeiramente sinistros, perigosos, egoístas, e inclusive às vezes fanaticamente xenófobos. Os cristãos nunca são vítimas. Os muçulmanos, por outro lado, são retratados diariamente na mídia ocidental como não-ocidentais, não-brancos, pobres, sábios, serenos, e oprimidos.

E assim, quando se trata de assombração não-ocidental, cristãos não brancos sendo perseguidos por muçulmanos, os circuitos da grande da mídia entram em curto. Eles não podem lidar com isso. Eles não têm paradigmas para tal. Esses acontecimentos violam todas as regras. Por conseguinte, ignoram ou mascaram a identidade ou o motivos dos autores, e tentam pôr o foco em outro lugar.

E assim, lembre-se neste Natal: se você é um ser humano livre, independentemente de ser ou não cristão, os cristãos que são perseguidos no Iraque, nas Filipinas, na Nigéria, no Egito, no Paquistão, e em outras partes do mundo islâmico, estão ocupando o seu lugar. Os jihadistas logo o atacarão também, e farão quando tiverem uma chance. Lembre-se que você está na lista do programa da supremacia islâmica. Você pode não ser um cristão. Você pode não ser um judeu. Você pode não ser um hindu. Você talvez não queira prestar atenção à jihad, mas a jihad é universal e implacável. E você está na lista.

Então, que neste Natal, todos nós, cuja conversão, subjugação, ou morte é vislumbrada pelos adeptos da Sharia, fiquemos juntos. Vamos ficar juntos, como judeus, cristãos, hindus, budistas, ateus, secularistas, o que você seja, e nos levantar contra aqueles que nos matariam ou nos sujeitariam a discriminação institucionalizada porque consideram nossas crenças ofensivas.

Para ter certeza: se não estivermos juntos, eles irão prevalecer.
E se prevalecerem, então todas as mais ricas manifestações do espírito livre humano, desde — Theophanes de Creta até os Budas de Bamiyan, desde Hagia Sophia ao templo de Keshava Rai em Mathura, desde as obras de Sócrates e Aristóteles aos escritos de Moisés Maimônides e Dante Alighieri e Winston Churchill e Oriana Fallaci,  —serão pisadas na lama, destruídas, explodidas, arruinadas, apagadas. Todos nós ficaremos empobrecidos. Nossos filhos serão os mais pobres.

É hora de lutar por nossa vida.

Feliz Natal a todos os cristãos leitores da Jihad Watch que celebram esta festa de Natal.