Arquivo da categoria: BreitBart London

GEERT WILDERS: LIÇÕES DO ORIENTE PARA O OCIDENTE

Fonte/Source: GEERT WILDERS: Lessons from the East for the West


GEERT WILDERS: LIÇÕES DO ORIENTE PARA O OCIDENTE

Por GEERT WILDERS

Via Breitbart London

2 de Fevereiro de 2018

Wilders
Vit Simanek/CTK via AP

No último fim de semana estive na Hungria apresentando a tradução Húngara do meu livro Marked for Death: Islam’s War Against the West and Me [trad., ‘Marcado para Morrer; A Guerra do Islã Contra Mim e o Ocidente’]. Falei em salas de reuniões  e centros de conferências totalmente lotados em Budapeste, Nyíregyháza, Debrecen, Gyór e Sopron. Dei dezenas de entrevistas. Almocei com o Primeiro-Ministro Húngaro, Viktor Orbán.

Visitar a Hungria é uma experiência fantástica para qualquer político Ocidental que resista à invasão Islâmica do Ocidente. Na Hungria, quase não há sinais de Islamização. Os Húngaros não fazem nenhum segredo de sua determinação para mantê-la assim. A atitude na Hungria e, nesse sentido, na Europa Central em geral, é inteiramente diferente da do Ocidente. Na Europa Central, as pessoas não hesitam em expressar seu apego à sua própria identidade nacional, enraizada nos princípios Judaico-Cristãos da civilização Ocidental. Eles também deixam bem claro que estão dispostos a defender seu patrimônio.

Também tive uma sensação estranha ao ver meu livro, que adverte contra os perigos do Islã, expostos tão abertamente nas livrarias Húngaras. Originalmente publiquei meu livro em Inglês nos Estados Unidos. Fiz isso porque a América tem uma Primeira Emenda, que permite que as pessoas falem, mesmo quando uma mensagem é politicamente incorreta. A tradução Húngara é a primeira tradução do livro. No meu país, nenhum editor tem a coragem de publicá-lo.

Do tuite acima: “A Batalha pelo Ocidente: Viktor Orbán da Hungria acredita que a “maioria silenciosa” — que valoriza a identidade familiar, nacional e o país — prevalecerá sobre os globalistas do “Império Soros”, que procuram transformar os Ocidentais em consumidores de massa multiculturais e sem raízes.”


Uma editora Alemã, que estava interessada, recuou quando se tornou impossível traduzi-lo para o Alemão sem transgredir as rígidas leis do discurso na Alemanha. Por isso, a editora me pediu para que o termo “Islã” fosse substituído sistematicamente pelo termo Weasel que significa “Islamismo”. Recusei porque a mensagem do meu livro é exatamente a de que o próprio Islã é o problema.

O Islã — não o Islamismo, mas o próprio Islã — prega a submissão política do mundo inteiro a Alá. Muhammad não deixou dúvidas sobre isso: “Fui ordenado a lutar contra todos os homens até dizerem: “Não há deus senão Alá“, disse Wilders.

O Alcorão é igualmente inequívoco sobre isso. “Combatei-os até terminar a intriga, e prevalecer totalmente a religião de Alá.” diz o versículo 8:39. O Alcorão também contém a permissão para matar Judeus e Cristãos no versículo 9:29, o comando para aterrorizar os não-Muçulmanos no versículo 8:12, a obrigação de fazer guerra aos infiéis no versículo 9: 123 e a ordem para subjugar o mundo inteiro a Alá no versículo 9:33.

Do tuite acima: “O Primeiro-Ministro da Hungria adverte que os “conspiradores dos Estados Unidos da Europa” estão usando a imigração em massa para construir um superestado “pós-nacional, pós-Cristão”.”


Na Hungria e na Europa Central em geral, pode-se falar muito mais livremente sobre o Islã do que na Europa Ocidental. Lá, as pessoas percebem muito mais sobre o que está em jogo. A Hungria até construiu uma cerca de fronteira para impedir o fluxo de imigrantes de países predominantemente Islâmicos. Viktor Orbán está sozinho e fazendo muito mais pela segurança de todo o continente Europeu do que a Chanceler Alemã Merkel, o Presidente Francês Macron, a Primeira-Ministra Britânica May, meu próprio Primeiro-Ministro Holandês, Mark Rutte, e todos os outros líderes da Europa Ocidental combinados.

Como os líderes Poloneses, Checos e Eslovacos, Orbán repete constantemente que seu país é Cristão e que ele quer que assim permaneça. Ele não quer repetir o erro que a Europa Ocidental fez, abrindo suas portas à imigração Islâmica massiva. Recentemente, o Pew Research Center advertiu que, se as tendências atuais continuarem, a França, Alemanha, Bélgica e Áustria, serão quase 20% Islâmicas até 2050. A Grã-Bretanha e os Países Baixos estão muito atrás, enquanto a Suécia será até mais de 30% Islâmica na virada do século.

Isto é extremamente perigoso. Porque, embora a maioria dos Muçulmanos seja moderada e não violenta, a ideologia Islâmica não é. E dessa forma vem doutrinando muitos dos seguidores do Islã, que levam muito a sério os comandos beligerantes de Muhammad e do Alcorão. Apenas no mês passado, foi revelado na Alemanha que 30% dos estudantes Muçulmanos no Estado da Baixa Saxônia podem imaginar-se lutando e morrendo por causa do Islã. No meu país, a Holanda, pesquisas da Universidade de Amsterdã mostraram que 11% dos Muçulmanos acham aceitável usar a violência em nome do Islamismo. São mais de 100 mil pessoas, o que representa o dobro do número de soldados do nosso exército.

Do tuite acima: “Novos números do Office for National Statistics (NOS) mostram que as mães nascidas fora do Reino Unido representaram 28,2% dos nascidos vivos na Inglaterra e no País de Gales em 2016.”


Por que razão podemos falar muito mais livremente sobre os perigos do Islã na Hungria e em os outros países de Visegrad do que no Ocidente? Por que nossas elites na política, na academia e nos meios de comunicação se comportam de uma forma tão covarde e apaziguadora para com o Islã?

Talvez tenha a ver com a mentalidade de refém, que permeou o Ocidente. Devido à presença já significativa do Islã em seus países, muitos cidadãos da Europa Ocidental parecem ter medo de expressar o desejo de que esses países permaneçam enraizados em sua herança Judeu-Cristã. Nossas elites são certamente muito covardes para insistir nisso. Mas também há outra grande diferença entre a metade Ocidental e Oriental do continente Europeu.

Há cinquenta anos, em todos os lugares do Ocidente, a mentalidade dos “Protestos Contra o Ocidente” dos autoproclamados “progressistas” tomou forma. Isto levou à violência nas ruas via revoltas estudantis em Berkeley, Paris e outros lugares. O auto-ódio Ocidental tornou-se a nova moda. Não fomos autorizados a dizer que a nossa civilização foi a melhor, disseram-nos que foi a pior. O relativismo cultural tornou-se a tendência dominante entre as classes dominantes no Ocidente.

Do tuite acima: Orbán: “Nossa maior ameaça é o silêncio indiferente de uma elite Europeia que renuncia às raízes Cristãs”


Essas classes foram os facilitadores do processo de Islamização. Em primeiro lugar, negando que os imigrantes deveriam assimilar, uma vez que isso defenderia a cultura Europeia sobre as culturas nativas dos imigrantes. Em segundo lugar, atacando as críticas ao Islã e os defensores do Ocidente. E, em terceiro lugar, pela chamada “lawfare” — um processo no qual os simpatizantes Islâmicos, Muçulmanos e não-Muçulmanos, exploram a lei Ocidental e os sistemas legais para suprimir e silenciar seus críticos.

Nota: Lawfare” é uma palavra inglesa que representa o uso indevido dos recursos jurídicos para fins de perseguição política.”

Nenhuma dessas coisas aconteceu em países como a Hungria, a Polônia ou a República Tcheca. Seus cidadãos não são doutrinados dia após dia com a mensagem de que são culpados de todas as injustiças do mundo. Sua herança cultural não está sendo sistematicamente subvertida pelas elites. Seu passado não é caluniado por ativistas profissionais. Eles ainda podem se orgulhar de sua nação. Enquanto nós, no Ocidente, somos informados de que devemos ter vergonha disso.

Essa vergonha e auto-ódio nos sufoca. É hora de acabar com isso. Quanto mais nossas elites criticam países como a Hungria, a Polônia e a República Tcheca, mais devemos apoiá-los e seguir seu exemplo. Se nós, no Ocidente, queremos sobreviver, se queremos superar a crise existencial que enfrentamos, precisamos desislamizar nossas sociedades. Isso só seremos capazes de fazer se começarmos a orgulhar-nos de nós mesmos, da nossa cultura, do nosso passado e da nossa herança nacional. Essa é a lição mais importante que a Europa Central pode nos ensinar. Um povo que tem vergonha do passado não tem futuro. O futuro pertence ao povo orgulhoso, consciente da sua identidade cultural e nacional e disposto a defendê-lo.

Geert Wilders is leader of the Party for Freedom in the Netherlands and author of Marked for Death; Islam’s War Against the West and Me (Regnery)


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios

Julgamento Revela Que Facebook Reabriu Conta De Extremista Muçulmano Nove Vezes

Fonte/Source: Trial Reveals Facebook Reinstated Muslim Extremist’s Account Nine Times After Suspensions – Breitbart


Excerto do artigo Facebook E Twitter Censuram Jihad Watch, Bloqueam Milhares De Leitores escrito por Robert Spencer e traduzido por este blog:

“E apesar da plataforma cada vez mais menor para aqueles que discordam da agenda socialista, globalista e internacionalista dessas elites sinistras e autoritárias, existe uma razão para estar confiante. Eles têm todo o dinheiro, todo o poder e todas as plataformas, e mesmo assim, Brexit foi votado, Trump foi eleito, e muito, muito mais está por vir. Afinal, existe uma arma que eles não têm do seu lado, e é por isso que, apesar de todo o seu sucesso intermediário, estão condenados ao fracasso: essa arma é, é claro, a verdade.” — Robert Spencer – Jihad Watch


Julgamento Revela Que Facebook Reabriu Conta De Extremista Muçulmano Nove Vezes

Por CHARLIE NASH

29 de Janeiro de 2018

facebook

Facebook suspendeu, mas reabriu nove vezes a conta de um extremista Islâmico, depois dele ter avisado que a empresa teria que responder a “Alá, o todo Misericordioso”, de acordo com um relatório.

O The Telegraph relatou na semana passada que o Facebook suspendeu a conta de Abdulrahman Alcharbati nove vezes “depois que ele publicou alguns vídeos repugnantes de propaganda do Estado Islâmico (ISIL), mas reabriu cada vez que ele se queixou”, até que finalmente foi encerrada permanentemente em Março passado.

“Seguindo uma série de e-mails irritados dirigidos ao Facebook — incluindo um em que ele diz: ‘Você ficará na frente do Criador Alá, o Todo Misericordioso e terá que responder por sua ação’ — a empresa cedeu e ele conseguiu continuar publicando vídeos glorificando o Estado Islâmico no Iraque e Levant (ISIL)”, explicaram.

“Entre os clipes que supostamente publicou, tinha um mostrando três soldados Sírios que foram espancados por uma multidão uivante e arrastados por motocicletas até a morte, na cidade de Raqqa. Outros mostraram crianças-soldados submetidas ao treinamento do ISIL e filmagens de um suicida que detonava um carro cheio de explosivos.”

Em apenas um dia em 2017, Alcharbati também compartilhou seis vídeos produzidos pelo ISIS (ou ISIL).

Depois de ser suspenso e reintegrado em várias ocasiões, Alcharbati advertiu: “Alá o responsabilizará por suas ações.”

Seguindo um mandato de busca, os policiais encontraram instruções sobre fabricação de bombas em seu telefone celular e Alcharbati está atualmente sendo acusado no Reino Unido com “seis acusações por disseminação de material terrorista e uma acusação por possuir um documento contendo informações que possam ser úteis para uma pessoa que prepara ou comete um ato de terrorismo.”

O Facebook recentemente parece estar mais interessado em lutar contra “falsas notícias” do que contra o terrorismo, embora seu recente programa de ‘verificação de fatos’ tenha sido encerrado depois de não conseguir dissuadir os usuários a clicarem em histórias com as quais os verificadores não concordam. O Facebook também está enfrentando a pressão da mídia convencional para limitar a ameaça da mídia alternativa.


Charlie Nash é repórter da Breitbart Tech. Você pode segui-lo no Twitter @MrNashington, ou em sua página no Facebook.


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Centenas De Muçulmanos Invadem Igreja Copta no Egito

Fonte/Source: Hundreds of Muslims Storm ‘Unlicensed Church’, Smashing Contents and Assaulting Christians


Raymond Ibrahim faz a seguinte pergunta — “O que levou os não-Muçulmanos a se converterem ao Islã, levando à criação do mundo Islâmico” — no artigo que traduzi para este blog intitulado ‘Como o Mundo Islâmico foi Forjado: Um Exercício de Senso Comum‘.

Dois excertos do artigo:

“E para demonstrar, usarei o Egito,  uma das mais importantes nações Muçulmanas e minha terra ancestral — como paradigma. Vou demonstrar como um fato histórico, do qual apologistas Islâmicos habitualmente se gabam  de que ainda existem milhões de Cristãos no Egito (aproximadamente 10% da população)  não é prova de tolerância Islâmica, mas sim de intolerância.

“No século VII, no tempo em que o Islã estava sendo formulado, o Egito já era Cristão há séculos, [1] bem antes da Europa ter sido convertida. A Alexandria era um dos mais importantes centros eclesiásticos da antiga aprendizagem Cristã e junto com Roma e Antioquia, uma das três (Santa Sé) originais. [2]  Muitas evidências literárias e arqueológicas em andamento atestam para o fato de que o Cristianismo permeou todo o Egito.


Centenas De Muçulmanos Invadem ‘Igreja sem licença’, Devastando Objetos E Agredindo Cristãos

Por BREITBART LONDON

23 de Dezembro 2017

Coptic

CAIRO (AP) — Centenas de manifestantes Muçulmanos invadiram uma igreja sem licença ao sul do Cairo, disse uma diocese Egípcia Copta Cristã no Sábado, no último ataque a membros da minoria Copta do país.

O incidente ocorreu após as preces de Sexta-feira quando manifestantes se reuniram fora do prédio e o invadiram. Os manifestantes cantaram slogans hostis e pediram a demolição da igreja, disse a diocese em Atfih. Destruíram os objetos da igreja e agrediram os Cristãos antes que a segurança privada chegasse e dispersasse os agressores.

Os feridos foram transferidos para um hospital próximo, mas não avisaram a polícia.

A igreja em Gizé, a sudoeste do centro de Cairo, ainda não foi sancionada pelo estado, mas há 15 anos vem conduzindo orações. A diocese afirmou que tinha oficialmente procurado legalizar o status do edifício de acordo com uma lei de 2016 que estabelece as regras para a construção de igrejas.

As autoridades locais muitas vezes se recusam a emitir licenças para construção de novas igrejas, temendo protestos dos conservadores Muçulmanos. Isso faz com que os Cristãos construam igrejas ilegalmente ou criem igrejas em outros edifícios. Por outro lado, construir uma mesquita resulta em poucas restrições.

Os Cristãos constituem 10 por cento da população maioritariamente Muçulmana do Egito. A violência sectária ocasionalmente entra em erupção, principalmente nas comunidades rurais do sul.

A minoria Cristã do Egito tem sido frequentemente alvo de militantes Islâmicos numa série de ataques desde Dezembro de 2016, que deixaram mais de 100 mortos e feridos. O país está sob o estado de emergência desde Abril, depois que atentados suicidas atingiram duas igrejas Cristãs Coptas no Domingo de Ramos num ataque reivindicado pelo afiliado Egípcio do grupo do Estado Islâmico.


Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis