A Capital Judaica Prestes A Votar No Partido Trabalhista

Fonte/Source: The UK’s Jewish capital is about to vote for Jeremy Corbyn’s Labour Party


Um execelente artigo para você compreender como as forças políticas estão se movimentando em Londres. É uma ótima aula, independentemente do seu posicionamento político. 


A Capital Judaica Do Reino Unido Está Prestes A Votar No Partido Trabalhista De Jeremy Corbyn

Por

Nota: Caso queira assistir ao vídeo com Ken Livingstone defendendo o Nazismo em entrevista realizada no metrô de Londres clique no link. Por razões técnicas não é possível abrir este vídeo nesta plataforma: Ken Livingstone defends Nazi comments in tube interview

    • Mais Judeus do Reino Unido vivem em Barnet do que em qualquer outro lugar.
    • O bairro provavelmente elegerá um conselho Trabalhista pela primeira vez na história.
    • Em 2017, o Partido Trabalhista foi perseguido por reivindicações de antissemitismo.

As previsões de um banho de sangue nos Conservadores de Theresa May nas eleições do conselho de Londres em Maio incluem a probabilidade de Barnet, local do antigo distrito eleitoral de Margaret Thatcher, se tornar vermelho pela primeira vez desde a sua formação em 1965.

Mas outra característica interessante da ascendência do Partido Trabalhista nesse bairro do norte de Londres, é que lá moram mais Judeus do que em qualquer outra área do governo local no Reino Unido. Uma vitória em Barnet poderia ser uma conquista simbólica para o partido de Jeremy Corbyn, que foi arruinado por uma série de controvérsias de natureza antissemítica nos últimos anos.

O município quase sempre elegeu deputados do Partido Conservador (Tory), e o conselho sempre foi controlado pelos Conservadores, exceto por oito anos, quando ainda era o maior partido, mas formou uma oposição à coalizão Trabalhista/ Liberal Democrata.

Mas agora os Conservadores estão se preparando para perder em Barnet, de acordo com Lord Hayward, um analista político, que falou ao Evening Standard.

E isso vai contra o pano de fundo das repetidas alegações de antissemitismo pela Momentum, a rede de campanha e máquina de apoio de Jeremy Corbyn. Sem mencionar as controvérsias de alta visibilidade em 2016, quando o amigo de Corbyn, Ken Livingstone, insistiu publicamente que Adolf Hitler era Sionista, e o deputado de Bradford, Naz Shah, foi suspenso depois de sugerir no Facebook que Israel deveria ser “deslocado” para os EUA.

Então, como essa nuvem de acusações antissemitas pode carregar os 14% dos 360 mil habitantes Judeus de Barnet?

“Isso afeta as pessoas”, disse Barrow Rawlings, o líder Trabalhista de Barnet, à IBTimes Reino Unido.

“Existem pessoas preocupadas com o antissemitismo que podem não votar [no partido Trabalhista] nacionalmente até terem visto o partido Trabalhista nacional tomando mais ações — mas isso não é necessariamente refletido localmente onde os Judeus estão mais envolvidos politicamente em todas as partes.

“Barnet é peculiar”, acrescentou. “Barnet Momentum [a base propensa da campanha de Corbyn] foi possivelmente a única filial da Momentum que pedia que Ken Livingstone fosse expulso da festa.”

Embora existam muitos Judeus membros do Partido Trabalhista de cima a baixo no país, a demografia impõe que sua presença seja sentida mais fortemente em Barnet. Na verdade, o Rabino Danny Rich, Chefe Executivo do Judaísmo Liberal, estará representando o distrito de West Finchley para o partido local em Maio.

Em Junho de 2016, uma comissária de Corbyn, Shami Chakrabarti, conduziu uma investigação sobre acusações de antissemitismo dentro do partido Trabalhista, concluindo que o partido não estava “invadido pelo antissemitismo, Islamofobia ou outras formas de racismo“, enquanto reconhecia uma “atmosfera ocasionalmente tóxica.”

As revelações de Chakrabati foram recebidas com indiferença por setores da comunidade Judaica. E houve raiva genuína quando ela foi nomeada para a Câmara dos Lordes por Jeremy Corbyn um mês depois. Marie van der Zyl, vice-presidente do principal órgão do Reino Unido que representa os Judeus, chamou isso de “dissimulação por causa do escândalo de título de nobreza”.

O movimento trabalhista Judaico foi convidado a contribuir com essa história.

Comunidades Judaicas em Londres em Proporção à população

london map religion jewish
London boroughs and their Jewish populations (source: London Assembly) Josh Robbins

A Oportunidade do Partido Trabalhista em Londres

O Evening Standard reportou Lord Hayward dizendo que os Tories poderiam perder quatro de seus nove bairros Londrinos em Maio. Estão perdendo suas heranças tradicionais nos bairros periféricos.

“Lugares como Barnet estão se tornando mais Londrinos e menos Condados Domésticos”, disse Rawlings, antes de citar um recente estudo da Shelter, que afirmou que havia mais pobreza infantil na periferia de Londres do que no centro.

Como membro dessa espécie cada vez mais rara — um Londrino nascido em Londres — Rawlings vinha observando a mudança da cidade enquanto fazia sua própria homenagem particular à tradição, tornando-se um conselheiro Trabalhista de terceira geração, seguindo os passos do pai e do avô.

Mesmo antes do resultado do referendo sobre o Brexit, a estrela do Partido Trabalhista estava aumentando em Barnet: o partido conquistou 30 dos 63 assentos nas eleições locais de 2014, quase arruinando o poder dos Tories.

A confirmação de que a maré estava virando na capital chegou em Maio de 2016 com Sadiq Khan castigando severamente Zac Goldsmith nas eleições para Prefeito de Londres.

Rawlings elogiou o resultado por provar que: “Londres está madura o suficiente para eleger um membro da classe trabalhadora, um prefeito Muçulmano; confiante o suficiente para aceitar que ser um Londrino pode significar muitas coisas diferentes.”

Zac Goldsmith Sadiq Khan
Sadiq Khan (right) trounced Zac Goldsmith (left) in the London Mayoral elections Getty

Acrescente a essa maré, o desgosto da capital por ser arrastada para fora da União Europeia pelas províncias, juntamente com a coalescência na mente das pessoas com relação à marca Brexit e Tory, não é surpresa que os três deputados azuis (Conservadores) de Barnet tiveram resultados parecidos na eleição geral de 2017. A ex-ministra Theresa Villiers viu a sua maioria reduzida de mais de 7.500 para 353.

As conjecturas de Rawlings de que o cheiro do antissemitismo em torno do Partido nacional “pode ​​ser a razão pela qual temos três Conservadores marginais [vitórias] em vez de três Trabalhistas.”

Porém, olhando à frente até Maio, o partido Trabalhista de Barnet está tentando lidar com a expectativa de que vencerá no bairro pela primeira vez em mais de 60 anos de tentativas.

Rawlings acredita que as promessas em torno da habitação, policiamento, meio ambiente e as Artes irão conquistar os eleitores locais, independentemente de raça ou religião, embora exista o cuidado com a expectativa de que o Partido Trabalhista triunfará e alertará contra a complacência.

“Estamos numa boa posição, mas ainda não ganhamos”, disse ele. “Você não ganha até o dia e tudo pode acontecer.”

“Eu quero que Barnet se sinta como um lugar otimista — estou ansioso.”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios

Deixe um Comentário...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s