MIGRANTES OU INVASORES MUÇULMANOS?

MIGRANTES OU INVASORES MUÇULMANOS?

Por Tião Cazeiro

14 de Janeiro de 2018

Migrantes esgotados lutam para se manterem à tona enquanto esperam pela guarda costeira. Mais de 171 mil tentaram chegar a Europa no Mediterrâneo no ano passado –  GUARDA COSTEIRA – Mediterranean claims first migrants of 2018 https://buff.ly/2mC2l6x

Compartilhei este vídeo divulgado pela ‘Patota da Direita‘ em 5 de Janeiro de 2017, vale a pena assistir novamente, é impressionante.

Em 2015 traduzi dois artigos denunciando a “FARSA: 80% Dos Refugiados Da Devastada Síria Não São Da Síria ” e “A Invasão da Europa e da América“. Vale conferir.

Quando os ativistas começaram a denunciar que isso era uma invasão Muçulmana, foram logo carimbados de ISLAMOFÓBICOS, RACISTAS, EXTREMA-DIREITA etc., e isso nada mais é do que uma barreira para você não criticar o avanço Islâmico global.

Hoje, vários líderes Europeus como o corajoso Presidente da Hungria Viktor Orbán, declaram abertamente que SIM, é realmente uma invasão Muçulmana orquestrada, como no passado, para conquistar a Europa. Vide: HUNGRIA: Migrantes Na Europa Não São Refugiados, São Invasores Muçulmanos

Quem impulsiona essa gente toda, quem os obriga atravessar o Mediterrâneo, mesmo correndo risco de vida? Já pensou nisso?

“Imigração jihadista Hejira ou Hijra (jornada ou migração) — é a migração de Muhammad (Maomé) e seus seguidores, de Meca para Yathrib, mais tarde renomeada por ele como Medina, no ano 622 DC. Isso aconteceu após a hijrah, quando Muhammad, pela primeira vez se tornou não somente um pregador de ideias religiosas, mas um político e líder militar.” — A Invasão da Europa e da América

Os verdadeiros refugiados, aqueles que realmente precisam de ajuda como os Cristãos perseguidos pela crueldade Muçulmana, foram deixados de lado para favorecer os invasores, claro, Mulculmanos. Vide Barack Obama em “Cristianismo de Obama: Ferramenta Política Para Silenciar Cristãos”.

O Brasil vai mudar, os migrantes (ou invasores?) estão chegando enquanto o Islam avança com seus camelos, e com a maior cara de pau divulga a meta de obter 20 milhões de Muçulmanos em 20 anos, como anunciou o sheik de uma mesquita em São Paulo.

O sonho dessa turma é transformar a América Latina numa filial do Oriente Médio e para isso não falta apoio no Brasil. Caso não tenha lido este artigo, vale a pena conferir: BRASIL: 40.000 TERRORISTAS EM 20 ANOS.

A meta de obter 20 milhões de Muçulmanos é altamente significativa e só poderá ser alcançada com a ajuda luxuosa dos migrantes Muçulmanos (ou invasores?)

Um milhão de novos Muçulmanos por ano, durante 20 anos, para alcançar à meta de terceira maior religião do Brasil, sendo que o Islamismo tem a missão de converter a todos pela persuasão ou pela força (militar)? E por isso é conhecido como ‘um empreendimento paramilitar totalitário’. Você já pensou nisso?

Esse é o sonho do esquema globalista e como vimos acima, uma meta desse porte e com tanta convicção deixa a impressão de que já está tudo combinado.

Por último, vou dar a palavra ao professor Olavo de Carvalho:

“Em suma: o único lugar em que se nega a existência do esquema global de poder é a mídia brasileira. É evidente que o grau de incultura e de ignorância necessário para isto transcende as dimensões do próprio globo terrestre.” — Palestra de Olavo de Carvalho no encontro com Jair Bolsonaro e Jeffrey Nyquist em Nova Iorque – Mídia Sem Máscara


Índia Abandona O Legado De Apaziguamento Muçulmano

Fonte/Source: India’s Modi Abandons Legacy of Muslim Appeasement – Geller Report


Por  Tiao Cazeiro

No artigo “A Invasão Islâmica Da Índia: O Maior Genocídio Da História”, que traduzi em Fevereiro de 2017, podemos ver claramente a barbárie em ação, agredindo uma nação próspera, inteligente e criativa, de acordo com scholars como Dr. Bill Warner.

Hoje em dia, quando leio os artigos do IndiaFacts percebo o tremendo esforço que está sendo feito para recuperar a identidade de uma nação que ao longo de sua história viu os seus costumes e a sua identidade serem assassinados pelos invasores e suas bandeiras, como mostra o excerto retirado do artigo mencionado acima: 

“Seus templos foram arrasados, seus ídolos esmagados, suas mulheres estupradas, seus homens mortos ou levados como escravos. Quando Mahmud de Ghazni entrou em Somnath, em um de seus ataques anuais, massacrou todos os 50.000 habitantes. Aibak matou e escravizou centenas de milhares. A lista de horrores é longa e dolorosa. Esses conquistadores justificaram suas ações alegando que era seu dever religioso ferir os não-crentes. Escondendo-se na bandeira do Islã, alegaram que estavam lutando pela fé quando, na realidade, estavam massacrando e saqueando por puro e simples prazer… “


Índia Abandona O Legado De Apaziguamento Muçulmano

Por Richard Benkin (Via Pamela Geller)

17 de Janeiro de 2018

Vídeo não legendado.

O primeiro-ministro Indiano Narendra Modi ganhou uma merecida reputação, a de sensato oponente do apaziguamento. Sua expansão do relacionamento Índia-Israel e afinidade pessoal com o presidente Donald Trump e o primeiro-ministro Israelense Benjamin Netanyahu, fortaleceu essa percepção. A última evidência de que existe algo a mais do que uma percepção ocorreu esta semana, quando o governo de Modi suspendeu os subsídios do governo, de meio século, fornecidos aos peregrinos muçulmanos no Hajj. O Hajj é uma peregrinação islâmica anual à Meca que os muçulmanos devem realizar pelo menos uma vez, desde que sejam fisicamente e financeiramente capazes — condições artificiais que o subsídio intencionalmente cria.

Exatamente: o governo da Índia vem gastando os recurso tão necessários ao país em prol da peregrinação anual de uma comunidade religiosa. (Existe até mesmo um terminal especial no Aeroporto Internacional Indira Gandhi de Nova Deli, exclusivamente para peregrinos do Hajj, que fica fechado para a maior parte do ano.) Desde 2008, cerca de 120 mil muçulmanos utilizaram o dinheiro do governo para ir ao Hajj, de acordo com o governo, só essa operação custou aos Indianos quase meio bilhão de dólares nos últimos cinco anos. Este dinheiro agora será usado para fins educacionais, especialmente para meninas que foram particularmente desatendidas de acordo com a prática comunitária.

De acordo com o ministro de Assuntos de Minoria Mukhtar Abbas Naqvi, “Isso é parte da nossa política de capacitar as minorias com dignidade e sem apaziguamento.” Pôr um fim às políticas dos predecessores de Modi não só realiza isso, como também reduz o papel do governo na Índia, que tem sido outro elemento importante nas ações do primeiro ministro até o momento. Cumprindo o que prometeu durante e desde as eleições de 2013, que o levou à vitória esmagadora; o governo conservador de Modi está eliminando o desperdício de gastos dos opositores esquerdistas, que muitas vezes realizaram para conquistar o enorme e amplamente unido voto muçulmano Indiano.


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios

Escola Primária Islâmica Tinha Livros Proibidos Escritos Por Extremistas

Fonte/Source: Islamic primary school had books written by banned extremist, Ofsted report finds


Escola Primária Islâmica Tinha Livros Proibidos Escritos Por Extremistas

Por Camilla Turner

16 de Janeiro de 2018

A Escola Primária Olive Tree é uma escola Islâmica privada em Luton. CRÉDITO: DAVE THOMPSON

No tuite acima: “Mesmo depois de todos esses anos perseguindo o rabo deles, Ofsted ainda não entendeu que as escolas Islâmicas não irão aderir às regras Britânicas.”  — Anne Marie Waters

Uma escola primária Islâmica tinha livros escritos por um extremista que foi expulso do Reino Unido depois de ter sido avisado para removê-los, diz o relatório da Ofsted.

A Escola Primária Olive Tree, uma escola Islâmica privada em Luton, afirmou que havia removido no início deste ano os “livros inadequados” que não promoviam os valores Britânicos. No entanto, a inspeção mais recente revelou que os livros ainda estavam disponíveis na escola.

“Em Maio de 2017, alguns livros inadequados foram encontrados na biblioteca da escola que não promoveu valores Britânicos. Embora os líderes tivessem declarado que os tinham removido, os inspetores encontraram os mesmos livros durante a inspeção”, disse o relatório Ofsted.

“Os livros foram escritos por um autor que está proibido de entrar, ou foi expulso de vários países, incluindo a Grã-Bretanha.

“Os livros foram encontrados em meio a outros, escritos por autores adequados de livros infantis. Os líderes não garantiram que o risco representado pelos textos tenha sido mitigado e, como resultado, alguns livros inadequados permanecem disponíveis aos alunos.”

In 2014, Ofsted inspectors found books at the school which promoted stoning, lashing and execution 
Em 2014, os inspetores de Ofsted encontraram livros na escola que promoviam apedrejamento, chicoteamento e execução. CRÉDITO: VLADIMIR SMIRNOV

Inspetores também levantaram preocupações sobre higiene na escola, particularmente a falta de papel higiênico e detritos alimentares “apodrecidos”.

“Os alunos lavam seus talheres nas bacias do banheiro onde apenas água morna está disponível”, diz o relatório.

“Os meninos não possuem papel higiênico, sabão ou secadores de mãos disponíveis nos banheiros. Precisam pedir ao adulto, em sala de aula, por papel higiênico. As meninas descartam os alimentos pelas janelas do banheiro e os detritos apodrecem nas barras de segurança.”

Em 2014, os inspetores de Ofsted encontraram na escola, livros que promoviam o apedrejamento, chicoteamento e execução.

Os livros disponíveis às crianças incluíam O Muçulmano Ideal por Dr. Muhammad Ali Al-Hashimi, que defende que os pais batam nas crianças se não orarem até a idade de 10 anos, segundo o relatório.

Outro livro, Comandantes do Exército Muçulmano por Mahmood Ahmad Ghadanfar, dito para louvar indivíduos que “amaram a morte mais do que a vida em busca de uma religião justa e verdadeira.”

Um porta-voz da The Olive Tree Primary School disse que eles contestaram as descobertas mais recentes do relatório de Ofsted, que são “bastante injustas”.

“As salas de aula têm suas próprias pias, assim as crianças que lavam seus talheres no banheiro não são sancionadas pela escola”, disse o porta-voz ao The Sun.

“Os problemas foram corrigidos desde a inspeção e estamos em contato constante com os pais para tranquilizá-los.

“Tivemos uma mudança na gerência sênior e garantiremos a satisfação de todos os critérios no futuro.

Sobre a questão dos “livros inadequados”, acrescentou: “É apenas outro caso de implicância. Todo o ambiente na escola é propício para a implementação de valores Britânicos, mas encontram um livro e pensam que isso erradica tudo.

“Nós removemos todos os livros que podem causar qualquer ofensa. Às vezes, sentimos que a Ofsted não é muito acomodativa.”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

AULAS DE ÁRABE ULTRAPASSAM INGLÊS E FRANCÊS NA SUÉCIA

Fonte/Source: Arabic Classes Overtakes English and French in Sweden


Na Alemanha, um tradutor Árabe disse que os migrantes Muçulmanos “querem que a Alemanha seja Islamizada. Desprezam o nosso país e os nossos valores.”

Diante disso, os dhimmis Alemães agora partem para o aprendizado da língua Árabe.


AULAS DE ÁRABE ULTRAPASSAM INGLÊS E FRANCÊS NA SUÉCIA

Por CHRIS TOMLINSON

17 de Janeiro 2018

Aulas de língua Árabe para adultos estão se tornando cada vez mais populares na Suécia, como diz uma importante federação de educação de adultos:  estudantes estão aprendendo mais Árabe do que Inglês ou Francês.

Paula Bronstein/Getty Image

A associação educacional Sueca Folkuniversitetet, que se concentra em cursos de línguas para adultos e projetos com “ênfase internacional”, viu um aumento no número de adultos interessados ​​em aprender Árabe, relatou a Sveriges Radio.

Anas Idlibi, que ensina o Árabe nos campi em Kristianstad e Hässleholm, disse que o número de aulas de Árabe aumentou drasticamente desde que começou a ensinar na associação.

“Comecei há dois anos com apenas um curso e agora receberemos nove cursos no próximo semestre”, disse Idlibi.

De acordo com Idlibi, uma das razões para o aumento dos alunos veio de profissionais como assistentes sociais e outros que lidam com migrantes recém-chegados.

“Temos pessoas que trabalham com serviços de integração, sociais e de emprego. Eles podem precisar de Árabe para serem mais eficazes em seus empregos”, disse ele.

Cristina Boldrini Tisci, que também trabalha no Folkuniversitetet em Kristianstad no departamento de negócios, disse que pensou que o motivo do aumento foi o aumento de migrantes de países de língua Árabe que vieram para a Suécia nos últimos anos.

“Talvez devêssemos aprender mais sobre a cultura Árabe para poder socializar. Então, está ficando maior e há mais interesse”, disse ela.

No tuite acima: “Político Verde: é hora de aprender Árabe e parar de se preocupar com a migração.”


Durante o auge da crise dos migrantes na Alemanha, o político de esquerda do Partido Verde Volker Beck argumentou que os Alemães deveriam aprender o Árabe para ajudar os migrantes recém-chegados a se integrarem. Beck foi fortemente criticado por outros políticos por suas observações e foi criticado pelas mídias sociais.

Apesar da reação contra os comentários de Beck, a língua Árabe conseguiu encontrar um caminho na vida Alemã.

Na véspera de Ano Novo, a política de migração anti-massa para a Alemanha (AFD), Beatrix von Storch, foi temporariamente suspensa do Twitter depois de comentar sobre o policial de Colônia lançando mensagens em Árabe em sua conta no Twitter dizendo: “Que diabos está acontecendo nesse país? Por que um site oficial da polícia está tuitando em Árabe? Você acha que isso irá apaziguar as hordas bárbaras e violentas dos homens Muçulmanos? ”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Raymond Ibrahim: Perseguição Muçulmana aos Cristãos

Fonte/Source: “We Are Going to Burn You Alive!” Muslim Persecution of Christians, June 2017 – Raymond Ibrahim


Em Março de 2017 publiquei o artigo “450 ATAQUES COM ÁCIDO CONTRA MULHERES DESDE 2011 — EM LONDRES“. Cito ele porque a seguir você verá que esse padrão — o de jogar ácido no rosto das pessoas — acontece há muito tempo no Egito e agora vem sendo abertamente utilizado nas “no go zones” Muçulmanas em Londres.

O artigo a seguir, dá continuidade ao ““NÓS VAMOS QUEIMAR VOCÊ VIVO!” – PERSEGUIÇÃO MUÇULMANA DE CRISTÃOS”. Na época, optei por não publicá-lo para não ficar muito longo.

Caso ainda não tenha lido os artigos acima, não perca a oportunidade.


Perseguição Muçulmana aos Cristãos: Excertos do Relatório de Junho de 2017

Por Raymond Ibrahim

17 de Janeiro de 2018

Relatório da Perseguição Muçulmana aos Cristãos, Junho de 2017 

Paquistão: um novo caso de blasfêmia foi registrado contra outro Cristão. Depois que Mohammad Irfan se recusou a pagar a conta do reparo a Ishfaq Masih, um Cristão que consertou sua bicicleta, o Muçulmano denunciou o Cristão de blasfemar contra o profeta Islâmico Muhammad, levando à prisão do Cristão. De acordo com o primo de Masih, “durante o argumento, Irfan disse que obedece apenas a um mestre, Profeta Muhammad, ao qual Ishfaq disse que era Cristão e que sua fé se encerra em Cristo. Ao ouvir isso, Irfan protestou que Ishfaq havia blasfemado contra Muhammad. Logo uma multidão se reuniu no local e alguém chamou a polícia, que levou Ishfaq à prisão preventiva. “Mohammad Irfan também reuniu vários outros muçulmanos — incluindo Mohammad Irfan, Mohammad Nawaz, Mohammad Naveed e Mohammad Tahir — os quais afirmaram terem “ouvido Ishfaq Masih dizer palavras depreciativas contra o profeta Muçulmano”. Segundo o advogado do Cristão, apenas uma das quatro “testemunhas” estava realmente presente durante o altercação. Em vez disso, “Irfan havia reunido outros homens, incluindo o queixoso Mohammad Ishfaq, e inventaram a acusação contra Ishfaq Masih que acabou o levando à prisão…  O Boletim de Ocorrência é muito fraco, pois não contém nenhuma palavra blasfema específica que o meu cliente possa alegadamente ter dito… Também mostra que a polícia nem sequer se preocupou em investigar a acusação antes de registrar um caso contra o pobre homem. Esta é a prática rotineira da polícia em casos de blasfêmia, e é uma pena que nada seja feito para impedir esse procedimento.”

Separadamente, depois que um casal Cristão foi assassinado por pregar Cristo entre os Muçulmanos, um Cristão Sul-Coreano foi preso por supostamente também se envolver em “atividades ilegais de pregação.” As autoridades revogaram seu visto e ordenaram que ele deixasse a nação Muçulmana.

 Desprezo e Abuso de Cristãos por Muçulmanos

Paquistão: um trabalhador sanitário Cristão morreu depois que os piedosos médicos Muçulmanos que jejuavam em pleno Ramadã, recusaram-se a tocar o corpo do infiel “imundo”. Irfan Masih, de trinta anos, havia caído inconsciente junto com outros três funcionários sanitários enquanto limpava um bueiro no dia 1 de Junho. Foi levado para um hospital do governo onde os médicos recusaram-se a tratá-lo; morreu horas depois. “Os médicos recusaram-se a tratá-lo porque estavam jejuando e disseram que meu filho era napaak [imundo]”, disse a mãe do falecido. Algumas semanas depois, um tribunal, respondendo às queixas dos funcionários do hospital que acusaram a família e os amigos de Irfan de aterrorizarem o hospital, ordenou à polícia que registrasse uma queixa contra eles. “O hospital montou uma falsa acusação contra nós para se salvar”, explicou um primo do falecido, que também trabalha no saneamento. “Os médicos foram responsáveis ​​pela morte de Irfan, porque ele estaria vivo hoje se não tivessem recusado a tratá-lo imediatamente. Nossa revolta contra os médicos foi natural, mas não danificamos nem roubamos nada do hospital. É uma mentira, e até mesmo a polícia sabe disso. “Um alto funcionário da polícia admitiu que “nós acreditamos que o hospital está fazendo acusações frívolas contra essas pessoas… o hospital está ostensivamente tentando pressionar a família para retirar o caso.”

Egito: Suzan Ashraf Rawy, uma mulher Cristã de 22 anos, foi dada como sequestrada na manhã do dia 5 de Junho ao caminhar até a igreja Ortodoxa Copta em que trabalhava. “Como ela não voltou para casa naquela noite, sua mãe ligou para a igreja”, explicou um líder do setor Cristão. “Foi quando descobriu que Suzan não tinha ido à igreja pela manhã. Supomos que tenha sido sequestrada.” Ela é a terceira mulher Cristã na área de Al Khosous, uma cidade predominantemente Cristã nos arredores do Cairo, desaparecida desde 30 de Maio, quando um Copta acidentalmente disparou e matou um espectador Muçulmano durante uma discussão com outra pessoa. “Desde então, Muçulmanos começaram a atacar a comunidade Cristã da área, especialmente as mulheres”, afirmou o líder Cristão. De acordo com o relatório, “Duas outras jovens Cristãs Coptas desapareceram sem deixar vestígios após o incidente de 30 de Maio. As famílias das mulheres suspeitas de serem sequestradas não receberam comunicação dos supostos sequestradores, disseram as fontes. A área dos Muçulmanos há muito vem desfigurando as mulheres Cristãs por não usarem véus, jogando ácido nelas, mas houve um aumento desses ataques nas últimas semanas, disseram fontes…. O medo tomou conta dos Cristãos Coptas da região, deixaram as mulheres com medo de saírem de suas casas. Uma das reuniões de mulheres na igreja, da qual Rawy participou, foi suspensa até um novo aviso por medo da segurança dos participantes.”

Bangladesh: três homens Muçulmanos estupraram uma menina Católica de 20 anos na aldeia de Madarpur em 18 de Junho. A intensidade dos gritos chamou a atenção dos moradores da aldeia que vieram em seu socorro, fazendo com que os estupradores fugissem. Depois que seus pais apresentaram queixa-crime, começaram a receber mensagens ameaçadoras para retirá-la ou então. “No ano passado, sua família esteve envolvida numa disputa de terra”, diz o relatório. “A violência — um ataque premeditado — também foi testemunhada pela polícia, lançada pelos Muçulmanos que queriam expropriar a terra. A jovem, juntamente com seus pais, foi forçada a deixar a casa para morar numa favela.”

Paquistão: o lar de um jornalista que cobria extensivamente a situação das minorias religiosas na nação muçulmana foi vandalizado. Quando Rana Tanveer, repórter-chefe do The Express Tribune, foi à polícia, eles não registraram uma queixa formal. Alguns dias depois, um veículo não identificado passou intencionalmente por Tanveer, enquanto dirigia a sua motocicleta em Lahore na sexta-feira, 9 de junho. Segundo o relatório: “Tanveer foi submetido a uma cirurgia para tratar uma fratura no osso pélvico no Sábado. Sua recuperação pode levar meses e elo expressou medo por sua segurança, bem como por sua família… Tanveer diz que seu trabalho para expor tratamentos pobre dado às minorias religiosas do país, como os Ahmadis e os Cristãos, o tornou um alvo de extremistas.”


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Canadá: Tenha Menos Filhos; Importe Migrantes

Fonte/Source: MSM: People Who Have Big Families Should Be Publicly Shamed, Import Migrants Instead


Depois que Trudeau reiterou que os Canadenses deveriam se comportar “além da tolerância e em direção à aceitação e a amizade“, se referindo aos Muçulmana no Canadá, tudo é possível daqui em diante.

“Trudeau também apoia fortemente a imigração muçulmana, bem como as movimentos “anti-Islamofobia”. Seu escritório declarou que “os muçulmanos são as maiores vítimas do terror em todo o mundo”. Na verdade, de acordo com a CIJ News, “Trudeau dá preferência ao islamismo sobre todas as outras religiões no Canadá”. Pior: um top íman Canadense revelou como os muçulmanos ajudaram Trudeau vencer as eleições. Mesmo o Estado Islâmico celebrou sua vitória eleitoral.” — Robert Spencer


Broadcaster Estatal: Famílias Numerosas Deveriam Se Envergonhar Publicamente; Importe Migrantes Como Alternativa

Por JACK MONTGOMERY

15 de Janeiro de 2018

A Canadian Broadcasting Corporation (CBC) financiada com dinheiro público, publicou um peça argumentando que Canadenses com famílias numerosas deveriam sentir vergonha e que o país deveria importar migrantes. 

Uma corporação da coroa, que é aproximadamente análoga à BBC Britânica, publicou um artigo em resposta ao anúncio do ‘Fixer Upper stars Chip’ e Joanna Gaine, de que estavam esperando um quinto filho.

Kristen Pyszczyk, escritora com sede em Toronto, cujos interesses incluem “feminismo, saúde mental, vícios, cultura pop e mídia digital”, afirmou que ter um filho não era apenas uma escolha pessoal, mas “uma escolha que afeta a todos que habitam nosso planeta.”

Ela argumentou que a reação da rede social que os Gaineses receberam representa “uma conversa que precisamos ter para desafiar nossa aceitação acrítica da história de realização da vida através da procriação.”

No tuite acima: ‘Mídia de esquerda, escolha um.’ A peça com as crianças diz o seguinte: “Quer lutar contra as mudanças climáticas? Tenha menos filhos.” — As próximas melhores opções são vender o seu carro, evitar aviões e virar vegetariano, de acordo com o estudo sobre impactos em diferentes escolhas de estilos de vida verde.”

A peça com o gráfico diz: “Por que a Europa precisa de mais migrantes? Sem eles a população do continente irá diminuir.”


O principal impulso da peça de Pyszczyk é que os Ocidentais não deveriam ter filhos porque eles são ruins para o meio ambiente.

“O controle da população é um tópico árduo”, ela admite, aludindo vagamente a “eventos históricos desagradáveis” — mas afirma que não é “um exagero dizer que a sobrevivência de nossa espécie depende disso.”

Ela não chega a sugerir políticas para um ou dois filhos, do tipo que levaram meninas a serem abortadas ou deixadas na rua para morrer na China comunista, mas sugere que a difamação pública da família tradicional poderia também ser um truque.

“A vergonha é uma ferramenta poderosa para mudar o comportamento”, diz ela, sugerindo que as meninas que são “preparadas para a maternidade desde uma idade muito precoce” devem ser submetidas a “argumentos alternativos.”

No entanto, ela parece contrariar todos os seus argumentos sobre as mudanças climáticas e as pegadas de carbono individuais na conclusão de seu artigo, no qual o impacto potencial da queda nas taxas de natalidade Canadenses é delicadamente descartado com um apelo à migração em massa.

No tuite acima: Está na hora de questionar o que se passa na mente desses editores…


“A procriação está se tornando uma preocupação global de saúde pública, ao invés de uma decisão pessoal. Então, quando as pessoas fazem coisas irresponsáveis como ter cinco filhos, nós absolutamente precisamos responsabilizá-las.”

“E se a taxa de natalidade no Canadá diminuir, qual é o problema? Enquanto o [Presidente Donald Trump] corta a ajuda para organizações sem fins lucrativos que educam sobre o aborto, restringe a imigração e deixa de enviar dinheiro aos países que precisam, teremos um estoque constante de migrantes inteligentes e talentosos.”

O que ninguém explica é como a substituição das crianças Canadenses por migrantes, poderia de alguma forma, mitigar o impacto das pessoas no meio ambiente?


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Cristãos “Abatidos Como Frangos”

Fonte/Source: Christians ‘Slaughtered Like Chicken’: Muslim Persecution of Christians, July 2017 – Raymond Ibrahim


Cristãos “Abatidos Como Frangos”: Perseguição Muçulmana aos Cristãos

Por Raymond Ibrahim

18 de Dezembro de 2017

Gatestone Institute

Luc Ravel, o Arcebispo Católico Romano de Estrasburgo “foi contra o caráter dos líderes da Igreja na França, que permaneceram em grande parte politicamente corretos”, diz um relatório, porque criticou “a mudança demográfica na França, dizendo que os Muçulmanos estão tendo muito mais filhos que os nativos Franceses e criticou a “promoção” generalizada do aborto.” E disse mais: “Os fiéis Muçulmanos sabem muito bem que a sua natalidade é tal que hoje em dia, chamam isso de… a Grande Reposição, e falam de uma maneira muito calma e muito positiva, “um dia tudo isso, será nosso”.

Outro líder Cristão, enquanto discutia sobre o Sudão em particular, mencionou o que os Cristãos em todo o mundo Muçulmano estão enfrentando, e o motivo. “O governo no Sudão quer Islamizar toda a população e quer acabar com o Cristianismo e outras religiões no Sudão”, diz o Pastor Strong. “Nós temos que pressionar o governo para que os direitos das pessoas de praticarem a sua fé abertamente sejam dados a eles.” Para conseguir isso, precisam do apoio da “Igreja global”, acrescentou, porque “estão envolvidos em provações, perseguição, fome — um monte de problemas. E, no entanto, no meio de tudo isso, eles se alegram. Estão sempre prontos para morrer, e testemunhar sua fé em todas as circunstâncias. Estão dispostos a servir, não importa o que tenham ou possam vir a perder.”

A reunião de Julho sobre a perseguição Muçulmana aos Cristãos em todo o mundo inclui, mas não se limita às seguintes informações:

Massacre Muçulmano de Cristãos

Paquistão: Em dia 24 de Julho, um homem-bomba Islâmico se explodiu numa área fortemente povoada por Cristãos. Pelo menos 26 pessoas foram mortas. De acordo com Bruce Allen, um ativista de direitos humanos, “O que a mainstream mídia não relata é que essa é a segunda maior colônia Cristã no Paquistão, onde a explosão ocorreu”, apenas dois quilômetros e meio aproximadamente de onde os “pastores do Paquistão se reúnem mensalmente, onde recebem apoio financeiro mensal, onde se reúnem para compartilhar os pedidos de oração, onde tem alguns centros de treinamento contínuos e coisas assim. “Depois de explicar quantos ataques terroristas suicidas atingem os Cristãos, contou como essa atividade constante de terror “coloca os Cristãos nesse estado de alerta elevado, e já vem acontecendo há algum tempo. Nós lembramos da última Páscoa, uma época de grande celebração, e aí acontece um ataque contra os Cristãos nos parques. E é com isso que vivem constantemente… Nós conversamos sobre o transtorno de estresse pós-traumático com pessoas em combate. Bem, aqui você tem uma população inteira de pessoas que tem a sua vida constituída disso: combate. E assim você tem o desgaste psicológico, espiritual e emocional.”

Separadamente, um “mestre” Muçulmano atormentou e depois matou seu “escravo” Cristão. Javed Masih, 32, o Cristão estava, de acordo com o relatório, “reembolsando uma dívida que sua família havia contraído há três anos…” Na realidade, ele era um escravo. “Depois que foi acusado de roubar uma bicicleta motorizada”, o Cristão foi repetidamente espancado com bastões e outros objetos. Ele foi levado ao hospital e morreu por conta da tortura. “A família procurou a justiça abriu um processo na polícia, mas como de costume, a polícia se recusou a aceitar o caso e o culpado e seus aliados ameaçaram a família Cristã para retirar a acusação. Como o irmão mais velho do morto explica: “Queremos justiça. Somos pobres e, portanto a polícia se recusa a nos ouvir e a registrar a queixa. Os grandes proprietários de terras estão ameaçando sérias consequências porque nos opomos a qualquer compromisso. Tudo isso é porque somos Cristãos e pobres. “O assassino disse que o morto cometeu suicídio, uma reivindicação que a família rejeita fortemente.

Egito: outro soldado Cristão foi morto por soldados (Muçulmanos) quando souberam que ele era Cristão. Joseph Reda Helmy acabara de completar seu treinamento militar quando foi transferido para Al-Salaam (“paz”), uma unidade de forças especiais, onde três oficiais o mataram. Ele é pelo menos o sexto soldado Cristão morto por sua fé nos últimos anos. De acordo com o pai do morto, “seu grande e forte filho chegou ao acampamento às 14 horas e às 20 horas já estava morto. “Seu primo, que buscou o corpo, disse que seu primo morto” tinha hematomas na cabeça, ombros, pescoço, costas e genitais, com as piores feridas ocorrendo em suas costas.” Ele também aprendeu com as testemunhas oculares que “os três oficiais começaram a assediar Helmy por causa de sua fé Cristã e que as marcas em seu corpo indicam que o chutaram com as botas e o bateram com instrumentos pesados.” Como em todos os casos anteriores em que soldados Cristãos foram mortos por seus colegas Islâmicos, o exército Egípcio disse aos parentes que os mortos haviam morrido de outra coisa, neste caso, de “ataque epiléptico”. Mas mesmo o “médico que examinou o corpo recusou-se a se curvar à pressão daqueles que o trouxeram e relataram que o a causa mortis não era natural.”

Além disso, sobre a matança jihadista de Cristãos viajando para um mosteiro do deserto no final de Maio de 2017, surgiram mais detalhes. Falando da cama do hospital, um dos sobreviventes do massacre, Mariam Adel, uma jovem mãe cujo marido e nove de seus parentes foram mortos no ataque, disseram que depois que os jihadistas abriram fogo no ônibus, foram a bordo e “ordenaram que saíssem do ônibus e disseram a todos para se converterem ao Islã.” “Renunciar a nossa fé? Claro que não”, Mariam falou sobre a reação coletiva das mulheres. “Se tivéssemos, poderiam ter nos deixado fora do ônibus e nos tratado bem. Mas nós só queremos Jesus e estamos confiantes de que ele não nos deixará.” Os militantes responderam roubando as mulheres da posse deles, o que justificaram como “espólios de guerra” devidamente recebido. Um menino de 10 anos cujo pai foi assassinado disse que “eles pediram ao meu pai para se identificar e depois lhe pediram que recitasse a profissão de fé Muçulmana. Ele recusou, disse que era Cristão. Eles atiraram nele e em todos os outros que estavam no carro. Toda vez que atiravam em alguém, gritavam: “Deus é grande”, ou mais, literalmente, “Alá é maior.”


Para mais informações (em Inglês) sobre os países envolvidos com a perseguição Muçulmana aos Cristãos acesse este link: Raymond Ibrahim.  O site disponibiliza um relatório sobre os casos de perseguição mundial desde Julho de 2011.

A perseguição aos Cristãos no mundo Islâmico tornou-se endêmica. Por conseguinte, o relatório sobre a “perseguição Muçulmana aos Cristãos” foi desenvolvido para reunir alguns — de modo algum todos — os casos de perseguição que se emergem a cada mês, cem dois propósitos:

  1. Documentar o que a grande mídia não faz: a perseguição habitual, senão crônica, aos Cristãos.
  2. Mostrar que tal perseguição não é “aleatória”, mas sistemática e inter-relacionada — e  que está enraizada em uma visão de mundo inspirada na Sharia Islâmica.

Para mais informações (em Inglês) sobre os países envolvidos com a perseguição Muçulmana aos Cristãos acesse este link: Raymond Ibrahim.  O site disponibiliza um relatório sobre os casos de perseguição mundial desde Julho de 2011.

A perseguição aos Cristãos no mundo Islâmico tornou-se endêmica. Por conseguinte, o relatório sobre a “perseguição Muçulmana aos Cristãos” foi desenvolvido para reunir alguns — de modo algum todos — os casos de perseguição que se emergem a cada mês, cem dois propósitos:

  1. Documentar o que a grande mídia não faz: a perseguição habitual, senão crônica, aos Cristãos.
  2. Mostrar que tal perseguição não é “aleatória”, mas sistemática e inter-relacionada — e  que está enraizada em uma visão de mundo inspirada na Sharia Islâmica.

    Tradução: Tião Cazeiro — Muhammad e os Sufis

 

“LIMPE O NOSSO EXCREMENTO TODOS OS DIAS OU MORRA”

“LIMPE O NOSSO EXCREMENTO TODOS OS DIAS OU MORRA”: PERSEGUIÇÃO MUÇULMANA AOS CRISTÃOS — AGOSTO DE 2017”

Por Raymond Ibrahim

16 de Janeiro de 2018

Gatestone Institute

Um documento elaborado por membros da comunidade Cristã global que se reuniu no 3º Fórum Internacional Cristão realizado em Moscou, detalhou como nos últimos 10 anos a população Cristã do Oriente Médio diminuiu em 80% e advertiu que, a menos que as tendências atuais sejam revertidas, o Cristianismo “desaparecerá” de suas antigas terras em alguns anos. Por volta do ano 2000, havia 1,5 milhão de Cristãos no Iraque, enquanto hoje há apenas 100 mil, aproximadamente uma queda de 93%, observa o documento. Na Síria, as maiores cidades “perderam quase toda a população Cristã.”

Outros ativistas e especialistas ofereceram estatísticas igualmente sombrias. O Centro para o Estudo do Cristianismo Global no Seminário Teológico de Gordon-Conwell em Hamilton, Massachusetts, já tinha previsto anteriormente que, até 2025, a porcentagem de Cristãos no Oriente Médio — que em 1910 era 13,6 por cento — poderia diminuir em torno de três por cento.

Os Cristãos que procuram retornar às áreas do Iraque e da Síria liberadas do Estado Islâmico (ISIS) continuam enfrentando desafios e discriminação das comunidades locais Muçulmanas e Curdas. Andrew White, também conhecido como o “pastor de Bagdá”, disse anteriormente que “A hora derradeira chegou, não sobrará nenhum Cristão. Alguns dizem que os Cristãos devem permanecer para manter sua presença histórica, mas tornou-se muito difícil. O futuro da comunidade é muito limitado.”

Outros, como o ex-Republicado Frank Wolf (R-Va.), são mais otimistas: “Agora é a hora. Temos uma administração que está aberta para fazer alguma coisa”, disse em referência ao governo Trump.

Enquanto isso, o ISIS continuou alimentando grandes esperanças. Em um vídeo lançado pela organização terrorista em Agosto, um extremista destruiu uma foto do Papa Francisco e do Papa Emérito Papa Bento XVI, enquanto dizia: “Lembre-se disso, você é um kuffar (“infiéis” ou “não-Muçulmanos”) — nós chegaremos à Roma, inshallah [se Alá quiser].” O narrador do vídeo também prometeu que “Depois de todos os seus esforços, a religião da cruz será destruída. A inimizade dos cruzados em relação aos Muçulmanos só serviu para encorajar uma geração de jovens”. Quando indagado sobre isso, o alto assessor de Francisco disse: “O Papa Francisco não alterou nada em sua agenda, nem irá mudar. Além disso, continuará a fomentar o diálogo, criando pontes, defendendo a paz. Com Muçulmanos e Cristãos.”

O levantamento de Agosto sobre a perseguição Muçulmana aos Cristãos em todo o mundo inclui, mas não está limitado, às seguintes informações:

Massacre Muçulmano de Cristãos 

PAQUISTÃO: Javid Masih, um Cristão que se vendeu à escravidão para uma família Muçulmana por dois anos porque queria comprar uma casa para a sua família, foi regularmente abusado, impedido de ir à igreja e finalmente assassinado em Agosto. Quando o contrato de dois anos estava prestes a acabar e Javid já havia dito a um parente que estava ansioso para se casar, foi informado que: “Não há como você ser ver livre de nós e deixar este lugar.” Quando seu mandato terminou e ele pediu por sua liberdade, foi severamente reprimido pelos filhos da família:

“Você é um Chura imundo [palavra depreciativa que significa coisa sem valor], como ousa pedir sua liberdade. Sua vida é nossa. Você vai limpar nossos excrementos todos os dias de sua vida a partir de agora ou você e sua família irão morrer.”

Em seguida, “foi agarrado pelos irmãos, amarrado, espancado e cuspido por um dia inteiro. Ele nunca contou a sua família sobre isso, porque estava com vergonha e tinha medo das repercussões sobre sua família caso se envolvessem. Outros funcionários tiverem que assistir a tortura brutal de Javed para inculcar a sensação de medo entre eles.

“Continuou escravizado, mas sua produtividade caiu, e a família Muçulmana decidiu acabar com ele. Envenenaram e o deixaram na frente da casa de sua família; quando sua mãe viúva implorou para que o levassem ao hospital, cuspiram nela. Ele morreu; e a polícia relatou a morte como “suicídio”.

Wilson Chowdhry, Presidente da Associação Cristã Paquistanesa Britânica, disse: “Apesar das leis contra a escravidão no Paquistão, o trabalho servido prolifera e está destruindo a vida de muitos Cristãos. A Lei do Trabalho Forçado (Abolição) Decreto 1992 não vale a pena o papel em que está escrito e a apatia dos governos para impor a lei ilustra o baixo valor atribuído aos Cristãos e outras minorias… Há uma taxa de suicídio muito pequena no Paquistão de cerca de 300 vítimas ao longo de dois anos, os Paquistaneses são resistentes. É inconcebível que Javed tenha cometido suicídio quando não expressou tal desejo a qualquer um que conhecesse e permaneceu estóico por dois anos, apesar da dor que lhe foi infligida.”

Outro homem Cristão, um prisioneiro que tentaram convertê-lo, mas rejeitou o Islã, foi encontrado morto “sob circunstâncias misteriosas sob custódia policial”, diz um relatório. Indaryas Ghulam, 38, estava entre os 42 Cristãos presos pelo linchamento de dois Muçulmanos associados a um ataque na igreja em 2015 que matou quase 20 Cristãos e feriu 70. Indaryas negou envolvimento no linchamento e era um dos prisioneiros prometidos de “liberação em troca da renúncia ao Cristo. Ele poderia ter salvado sua vida, mas decidiu testemunhar sua fé até a morte… A administração da prisão atribuiu sua morte à má saúde; tinha tuberculose. Mas sua esposa Shabana e sua filha Shumir, que viram o corpo, disseram que tinha queimaduras e cortes em todos os lugares, sinais claros de tortura e da brutalidade a que havia sido submetido. Além disso, acrescentam que, embora estivesse gravemente doente, nunca recebeu cuidados médicos adequados atrás das grades.”

Ataques Muçulmanos À Liberdade Cristã

IRÃ: Cerca de quinhentos Muçulmanos convertidos ao Cristianismo enfrentaram perseguição e fugiram do Irã para a Turquia em busca de asilo, revela o relatório de Agosto. Um jovem converso que disse que não poderia ser quem ele queria ser se permanecesse Muçulmano, acrescentou que agora está se sentindo “confortável” como um Cristão. Outro disse: “Eu mudei de religião porque não vi nada no Islã. Tudo que vi estava errado. É fato que o governo do Irã é Islâmico, contudo nossa juventude está sendo executada. No Iraque, a mesma coisa… Lá está o ISIS matando pessoas em nome do Islã, e as pessoas vulneráveis ​​estão sendo decapitadas. Fugiram para a Turquia e nós viemos para a Turquia. É por isso que não vi nada de bom no Islã. “A Open Doors USA, que monitora a perseguição Cristã em todo o mundo, confirma que “os convertidos ao Cristianismo vindo do Islã constituem o maior grupo de Cristãos e experimentam a maior perseguição.”


Para mais informações (em Inglês) sobre os países envolvidos com a perseguição Muçulmana aos Cristãos acesse este link: Raymond Ibrahim.  O site disponibiliza um relatório sobre os casos de perseguição mundial desde Julho de 2011.

A perseguição aos Cristãos no mundo Islâmico tornou-se endêmica. Por conseguinte, o relatório sobre a “perseguição Muçulmana aos Cristãos” foi desenvolvido para reunir alguns — de modo algum todos — os casos de perseguição que se emergem a cada mês, cem dois propósitos:

  1. Documentar o que a grande mídia não faz: a perseguição habitual, senão crônica, aos Cristãos.
  2. Mostrar que tal perseguição não é “aleatória”, mas sistemática e inter-relacionada — e  que está enraizada em uma visão de mundo inspirada na Sharia Islâmica.

Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

A EUROPA ESTÁ SE MATANDO 

 A EUROPA ESTÁ SE MATANDO 

Por PAT CONDELL

15 de Janeiro de 2018


Este vídeo está censurado e indisponível na Alemanha.
Você pode encontrar todos os vídeos do Pat Condell sem censura no BitChute e noYouTube.

Pat Condell Website: GODLESS COMEDY

Quando se trata de Pat Condell a melhor coisa a fazer é ficar calado e ouvir o que ele tem a dizer.

Absolutamente genial.

Nota: Não consegui localizar o nome do tradutor deste vídeo para dar o devido crédito.

TV Alemã: ‘Mulher Ensina Menino a Rezar para Alá’

Fonte/Source: German state TV series features woman teaching boy how to pray to Allah


Diante do que vem acontecendo no Brasil este artigo até que não diz muita coisa, e se acontecer o mesmo por aqui será em horário nobre, numa dessas novelas de grande audiência da Globo. Claro, nada a ver com o Islam.


Série De TV Estatal Alemã Apresenta Mulher Ensinando Menino Como Rezar para Alá

POR ROBERT SPENCER

15 de Janeiro de 2018

Quando foi a última vez que uma série de TV estatal Alemã apresentou instruções sobre a oração Cristã? Minha aposta é nunca. Multiculturalismo = Supremacismo Islâmico. A TV estatal Alemã está trabalhando para preparar o povo Alemão para o seu futuro.

Para os não versados na língua Inglesa, por favor, leia a tradução a seguir antes de assistir ao vídeo.

Tradução do vídeo:

— Paul, eu tenho que te dizer uma coisa muito importante. Eu já falei pra você sobre Deus, que vive no céu, e sempre nos observa. Mas existe um outro Deus, e ele se chama Alá (ou Allah), diz isso, Alá.
— Alá.
— E a partir de hoje eu quero que Deus… a partir de hoje vamos dizer “Alá” …que Alá se torne muito mais importante em nossas vidas, que a gente reze para Alá e sejamos gratos por tudo que temos e por sermos afortunados e tudo o mais, você compreende isso?
E nós temos que seguir as regras.
Há muitos anos, Alá falou com um homem na terra e disse a ele como as pessoas têm que viver na terra para serem felizes. Esse homem foi chamado de Muhammad. Ele escreveu tudo num livro, e esse livro se chama Alcorão. Eu sei que neste momento você não está entendendo tudo porque você ainda é uma criança. Mas é exatamente por você ainda ser uma criança que você é Muçulmano. Toda criança é Muçulmana. Sim, cada criança é um Muçulmano. Mas eu ainda não sou uma Muçulmana. Agora isso é muito importante…

A partir desse ponto, ela recita um testemundo em Árabe, a seguir:

O testemunho de fé (Shahada): Eu testemunho “La ilaha illa Allah, Muhammad rasoolu Allah.”

— Você quer saber o que eu acabei de dizer?
Paul balança a cabeça confirmando que sim.
— “Eu testemunho que não existe deus além de Alá e eu testemunho que Muhammad e o Mensageiro (Profeta) de Alá.”
Você vai entender isso mais tarde. Agora eu vou tomar um banho porque preciso fazer isso, porque agora eu sou uma Muçulmana (Muslima).


“Será que é isso mesmo? Propaganda Brutal do Estado Alemão para encorajar as crianças a serem Muçulmanas?”, por Eeyore, Vlad Tepes, 13 de Janeiro de 2018 (Agradecimento à The Religion of Peace):

Enquanto estamos aguardando uma resposta sobre isso, o que está abaixo é definitivamente uma propaganda da TV estatal para que os Muçulmanos ilegais se tornem vítimas de alguma forma, depois que assassinam os Alemães.

UPDATE: De Oz-Rita:

E não, não é uma sátira!

Série da TV estatal Alemã: “Lindenstraße” Episode 1084 “Islã”

Murat (Erkan Gündüz fica surpreso com o empenho de Lisa (Santje Peplow) defendendo o Islã.

Esse pequeno vídeo schmaltzy foi uma cena de uma série da TV estatal Alemã, transmitida em 2006, um ano após Angela Merkel se tornar chanceler, e quando ainda fingia para a Alemanha que era uma “Conservadora”. Em seguida ela conheceu Sorros [sic] (George Soros), Erdogan, Obama etc. … e o resto, como dizem, é história. O número de Muçulmanos na Alemanha era de cerca de 3,3 milhões. Embora as estatísticas exatas hoje sejam pouco confiáveis, uma estimativa conservadora de mais de 4,7 milhões de Muçulmanos a partir de 2015 é considerada conservadora.

A série foi chamada de “Lindenstrasse” e a jovem que se “converteu” — ou “reverteu” como dizem os Muçulmanos — desempenhou o papel de uma jovem mãe, Lisa, noiva de um Muçulmano Turco, Murat, que estava trabalhando muito para ganhar o dinheiro para bancar o casamento. Eu assisti aquele episódio e alguns que se seguiram, até chegar perto de uma overdose de sacarina. Você tem uma amostra disso no vídeo acima.


Tradução: Tiao Cazeiro — Muhammad e os Sufis

Anúncios

Movimentos Criativos…

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: